Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Cuide do seu bébe

Cuide do seu bébe

Categoria: Saúde
Cuide do seu bébe

Estudos científicos afirmam que o medo de deitar os bebés de costas por causa da possível sufocação, na eventualidade de bolçarem, não tem sentido. Dizem os especialistas que, em situações normais, o corpo humano está preparado para se defender de tais ocorrências. Este temor levou a que muitos cuidadores deitassem os recém-nascidos de barriga para baixo, posição que actualmente se sabe ser bastante perigosa. Os bebés devem ser deitados de barriga para cima até aos seis meses, altura em que eles já escolhem a postura que se lhes afigurar mais confortável.

A morte súbita não decorre, nem única nem exclusivamente, de “abafar” demasiado os bebés. Continua a haver morte de crianças saudáveis por motivos alheios a qualquer explicação, mas os registos apontam maior prevalência em casos de pais fumadores, em famílias monoparentais e quando o bebé é deitado de barriga para baixo.

O choro dos bebés nem sempre é sinónimo de desgraça. As lágrimas não comunicam apenas fome ou fralda molhada, mas também tensão e outras sensações, consequência de estímulos, a que eles são muito sensíveis. Na verdade, os bebés têm choros diferentes, de acordo com o fundamento que lhe dá origem.

No que se refere à limpeza da pele do bebé, não há que entrar em exageros, pelo que um banho seguido de uma loção hidratante é suficiente. Usar desmedidamente toalhetes de cada vez que se tira a fralda é um contra-senso, dado que, além da sujidade, podem remover, igualmente, a camada superficial da pele. Se a fralda estiver apenas molhada e não se constatar irritação deve prescindir-se de cremes e pastas, para evitar o favorecimento de uma sensibilização excessiva. No que concerne ao famoso pó de talco, entrou em desuso, pois as suas partículas são passíveis de ser inaladas pelo bebé.

Retirar a fralda antes dos dois anos é precoce. O controlo do esfíncter antes desta idade é susceptível de trazer problemas.

A tosse é um sintoma que, geralmente, se tenta combater. Isto está errado. Tossir é um meio de o organismo eliminar secreções e melhorar a respiração. Sobretudo nos primeiros anos de vida, os inibidores são totalmente desaconselhados. Não obstante, perante circunstâncias específicas, a medicação química, de que hoje se abusa, pode ser substituída por remédios caseiros, como o xarope de cenoura e os preparados com mel.

O excesso de brinquedos é pernicioso. De facto, as crianças precisam de estimular a imaginação e, para tal, não podem ter muitos brinquedos, a fim de explorarem ao máximo os que têm, descobrindo-lhes novas funcionalidades. Aconselha-se aos pais que guardem os presentes e que os vão distribuindo pouco a pouco.

Visto que está provado que a socialização só se inicia aos três anos, os pediatras recomendam, sempre que possível, os cuidados dos avós até essa idade, salientando os ganhos de afecto como principal razão.



Maria Bijóias

Título: Cuide do seu bébe

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

659 

Comentários - Cuide do seu bébe

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios