Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Receitas > Pêssegos com Iogurte e natas

Pêssegos com Iogurte e natas

Categoria: Receitas
Pêssegos com Iogurte e natas

PÊSSEGOS COM IOGURTE E NATAS

Esta sobremesa, para mim, é saborosa tanto no verão como no inverno, naqueles dias soalheiros em que apetece dar umas braçadas no Tejo. É tão simples fazê-la, e podemos sempre alterar conforme o nosso paladar. Também já fiz com morangos e é muito boa, não temos a calda dos pêssegos mas não é por isso que não fica gostosa, como os morangos vão deitando liquido a bolacha vai ficando húmida com o seu sabor.

Ingredientes:
1 lata de pêssego em calda
1 pacote de bolacha Maria
2 iogurtes de pêssego
2 pacote de natas
açúcar amarelo
canela em pó


Preparação:

Depois de abrir a lata de pêssegos, cortar um a um aos bocados bem pequenos, reservar. Deitar a calda dos pêssegos para uma tigela, ou mesmo um prato de sopa, e com muito jeito molhar as bolachas na calda, colocar numa taça um pouco funda. Colocar os pêssegos por cima das bolachas.

Abrir os pacotes de natas próprias para bater, despejando para uma taça apropriada para bater natas, para que os salpicos não nos sujem, juntar o açúcar, o tempo necessário para ficar chantilly. Juntar os iogurtes e envolver mais um pouco as natas com os iogurtes. Em seguida verter o creme das natas e dos iogurtes em cima dos pêssegos. Cobrir com canela em pó. Levar ao frigorífico.

Para quem não gostar de canela pode polvilhar com cacau em pó, e assim fica menos doce, ou até mesmo esfarelar as bolachas e polvilhar o doce com elas.

Se quiser enriquecer o doce que tal amêndoa torra e moída?

Quando fazemos este tipo de doces, em que é necessário natas para bater, nunca, mas nunca se esqueça de as comprar para esse mesmo fim, porque acontece-lhe o que já me aconteceu, comprar “n” de pacotes e as natas não cresceram, não viraram chantilly e fiquei muito frustrada.

Outra sugestão será utilizar taças individuais e enfeitá-las, por exemplo, com folhas de hortelã por cima e 2 ou 3 bocados pequenos de pêssego por cima da camada de chantilly com iogurte, ou então coloque uma bolacha de chocolate pressionando-a até meio no doce, ou outro tipo de bolacha que goste mais.


Maria Isabel

Título: Pêssegos com Iogurte e natas

Autor: Maria Isabel (todos os textos)

Visitas: 0

196 

Comentários - Pêssegos com Iogurte e natas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios