Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Isto, sim, é investimento público regrado

Isto, sim, é investimento público regrado

Categoria: Viagens
Comentários: 1
Isto, sim, é investimento público regrado

Sou patriota o quanto baste – no futebol, na língua e literatura, nos costumes e gastronomia – mais do que isso, considero-me um habitante europeu dado ao classicismo e ao panteísmo – oh, verdes montes…

No meu actual estádio de vida, contribuindo com dois filhos abaixo dos 5 anos de vida para as estatísticas nacionais, acabando de sair deste inverno minhoto que nos obriga à calma pacatez do lar, o fim-de-semana é sinonimo de mostrar o mundo aos meus filhos e gozar o ócio em família.

A pacata vila alto-minhota onde vivo, com um centro urbano que alberga à volta de 8 mil conterrâneos, todos com o mesmo problema de Sábado à tarde – só há 3(!!!) baloiços para todas as amiguinhas da minha filha de 4 anos. Claro, porque não levá-los a passear nos nossos montes e vales, poderão dizer – são lindos, sem dúvida...mas para uma criança desta idade olhar para garranos selvagens e daí satisfazer-se como criança irrequieta e curiosa, vai lá, vai...

Fazem-se contas ao litro de gasóleo – isto é, quanto preciso para chegar à raia galega para aproveitar e atestar do outro lado – o executivo legislativo estimula a poupança, certo? – e lá vou juntar-me ao corridinho dos automóveis familiares dominicais.

3,49€ mais tarde atravesso a ponte sobre o Rio Minho e dou comigo a querer entregar o BI e o número de contribuinte, aliás o Cartão de Cidadão, ao Estado e fazer a transferência de impostos a pagar para a Galiza.

Para o meu espanto e alegria dos meus petizes dou comigo a olhar para o matagal da margem ribeirinha portuguesa e apreciar as muralhas de Monção – que lindo...!

A minha filha achou mais piada a margem de cá (ou lá, como queiram) – no meio de 6 dúzias de centenas de outras crianças a usufruírem de 70 baloiços, 30 conjuntos de escorregas e túneis e cordas e pontes e, e, e... e mais: mesas de pingue-pongue, xadrez, mesas para cidadãos de mobilidade especial, relvados para piqueniques, jogar à bola com as balizas cujos postes eram os sacos da merenda familiar, lagos com cisnes, patos, gansos – anfiteatro com ringue de patinagem, coretos entre zonas de jardim, música clássica de fundo, sem publicidades, sem barracas de cachorros e bifanas e ademais açúcares que tanto me arreliam com a minha filhota. Chafarizes de água sem o dístico “água imprópria para consumo ou não controlada”.

Mas o melhor de tudo é a zona com aparelhos para reabilitação física – coloridos como brinquedos: dei comigo a fazer step, levantamentos, estiramentos, saltar ao burro, barras paralelas, bicicleta e outros que não sei atribuir nome, mas que me souberam bem fazer – a mim e a toda à minha família! Com legendas de como utilizar e que zonas musculares ou articulações são estimuladas – tudo isso sem pagar jóia, mensalidades ou tutores de fitness num ginásio qualquer – não tenho nada contra esse tipo de negócio, excepto o facto de que não consigo pagar o luxo duma saúde de exercício físico em ginásio com vista para o mar.

Sabem quanto paguei para entrar neste parque? 3,49€ x 2 (ida e volta de carro) – absolutamente nada! Nem pelo estacionamento! Ainda por cima atestei o depósito e poupei mais de 15€, o que pagou o almoço. Mais, como fumador, senti-me envergonhado de puxar de um cigarro – realmente, nem eu nem ninguém o puxava!

Já sabem, se me quiserem encontrar nos fins de semana primaveris que se avizinham, estarei lá de fato de treino para trabalhar a minha saúde física, mental e familiar!

Por este tipo de investimento público – sim, é obra da autarquia e não duma multinacional ou de um lobby político – eu quero votar na Galiza e pagar impostos na Galiza, só para poder dizer que o meu quinhão contribuísta comparticipou nesse investimento público.

Quero ver Portugal na CEE EFG – comunidade de estados empreendedores do exercício físico gratuito!



Araújo da Silva

Título: Isto, sim, é investimento público regrado

Autor: Araújo da Silva (todos os textos)

Visitas: 0

602 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    15-06-2014 às 01:40:17

    O passeio com crianças sempre é maravilhoso! Sim, é possível aproveitar todos esses recursos - totalmente livres e gratuitos!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Isto, sim, é investimento público regrado

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um caminho para curar o transtorno alimentar

Ler próximo texto...

Tema: Saúde
Um caminho para curar o transtorno alimentar\"Rua
De acordo com um relatório divulgado em novembro de 2014 pelo Comitê Permanente sobre o Status da Mulher, entre 600 mil a um milhão de canadenses cumprem os critérios diagnósticos para um transtorno alimentar em um dado momento. Problemas de saúde mental com ramificações físicas graves, anorexia e bulimia são difíceis de tratar.

Os programas públicos de internação frequentemente não admitem pacientes até que estejam em condição de risco de vida, e muitos respondem mal à abordagem em grupo. As clínicas privadas costumam ter listas de espera épicas e custos altos: um quarto custa de US$ 305 a US$ 360 por dia.


Corinne lutou juntamente com seus pais contra a bulimia e anorexia por mais de cinco anos. Duffy e Terry, pais de Corinne, encontraram uma clínica na Virgínia. Hoje, aos 24 anos, ela é saudável e está cursando mestrado em Colorado. Ela e seus pais acreditam que a abordagem holística, o foco individualizado e a estrutura imersiva de seu tratamento foram fundamentais para sua recuperação.

Eles sabem que tinham acesso a recursos exclusivos. "Tivemos sorte", diz Duffy. "Podíamos pagar por tudo." Mas muitos não podem.
A luta desta família levou-os a refletir sobre o problema nos Estados Unidos. Em 2013, eles fundaram a Water Stone Clinic, um centro privado de transtornos alimentares em Toronto. Eles fazem yoga, terapia de arte e participam na preparação de refeições, construindo habilidades na vida real com uma equipe de apoio empática. Os programas funcionam nos dias da semana das 8h às 14h, e até agora, não tem lista de espera. Porém essa abordagem é onerosa: aproximadamente US$ 650 por dia.

A família criou a Fundação Water Stone - uma instituição de caridade que fornece ajuda a pacientes que não podem pagar o tratamento. Os candidatos são avaliados por dois comitês que tomam uma decisão baseada na necessidade clínica e financeira. David Choo Chong foi o primeiro a se beneficiar da fundação. Ele havia tentado muitos programas, mas nenhum foi bem sucedido. A fundação pagou metade do tratamento. Dois anos depois, Choo Chong, feliz e estável diz "Water Stone me ajudou a encontrar quem eu sou".

Pesquisar mais textos:

Roberta Darc

Título:Um caminho para curar o transtorno alimentar

Autor:Roberta Darc(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios