Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Isto, sim, é investimento público regrado

Isto, sim, é investimento público regrado

Categoria: Viagens
Comentários: 1
Isto, sim, é investimento público regrado

Sou patriota o quanto baste – no futebol, na língua e literatura, nos costumes e gastronomia – mais do que isso, considero-me um habitante europeu dado ao classicismo e ao panteísmo – oh, verdes montes…

No meu actual estádio de vida, contribuindo com dois filhos abaixo dos 5 anos de vida para as estatísticas nacionais, acabando de sair deste inverno minhoto que nos obriga à calma pacatez do lar, o fim-de-semana é sinonimo de mostrar o mundo aos meus filhos e gozar o ócio em família.

A pacata vila alto-minhota onde vivo, com um centro urbano que alberga à volta de 8 mil conterrâneos, todos com o mesmo problema de Sábado à tarde – só há 3(!!!) baloiços para todas as amiguinhas da minha filha de 4 anos. Claro, porque não levá-los a passear nos nossos montes e vales, poderão dizer – são lindos, sem dúvida...mas para uma criança desta idade olhar para garranos selvagens e daí satisfazer-se como criança irrequieta e curiosa, vai lá, vai...

Fazem-se contas ao litro de gasóleo – isto é, quanto preciso para chegar à raia galega para aproveitar e atestar do outro lado – o executivo legislativo estimula a poupança, certo? – e lá vou juntar-me ao corridinho dos automóveis familiares dominicais.

3,49€ mais tarde atravesso a ponte sobre o Rio Minho e dou comigo a querer entregar o BI e o número de contribuinte, aliás o Cartão de Cidadão, ao Estado e fazer a transferência de impostos a pagar para a Galiza.

Para o meu espanto e alegria dos meus petizes dou comigo a olhar para o matagal da margem ribeirinha portuguesa e apreciar as muralhas de Monção – que lindo...!

A minha filha achou mais piada a margem de cá (ou lá, como queiram) – no meio de 6 dúzias de centenas de outras crianças a usufruírem de 70 baloiços, 30 conjuntos de escorregas e túneis e cordas e pontes e, e, e... e mais: mesas de pingue-pongue, xadrez, mesas para cidadãos de mobilidade especial, relvados para piqueniques, jogar à bola com as balizas cujos postes eram os sacos da merenda familiar, lagos com cisnes, patos, gansos – anfiteatro com ringue de patinagem, coretos entre zonas de jardim, música clássica de fundo, sem publicidades, sem barracas de cachorros e bifanas e ademais açúcares que tanto me arreliam com a minha filhota. Chafarizes de água sem o dístico “água imprópria para consumo ou não controlada”.

Mas o melhor de tudo é a zona com aparelhos para reabilitação física – coloridos como brinquedos: dei comigo a fazer step, levantamentos, estiramentos, saltar ao burro, barras paralelas, bicicleta e outros que não sei atribuir nome, mas que me souberam bem fazer – a mim e a toda à minha família! Com legendas de como utilizar e que zonas musculares ou articulações são estimuladas – tudo isso sem pagar jóia, mensalidades ou tutores de fitness num ginásio qualquer – não tenho nada contra esse tipo de negócio, excepto o facto de que não consigo pagar o luxo duma saúde de exercício físico em ginásio com vista para o mar.

Sabem quanto paguei para entrar neste parque? 3,49€ x 2 (ida e volta de carro) – absolutamente nada! Nem pelo estacionamento! Ainda por cima atestei o depósito e poupei mais de 15€, o que pagou o almoço. Mais, como fumador, senti-me envergonhado de puxar de um cigarro – realmente, nem eu nem ninguém o puxava!

Já sabem, se me quiserem encontrar nos fins de semana primaveris que se avizinham, estarei lá de fato de treino para trabalhar a minha saúde física, mental e familiar!

Por este tipo de investimento público – sim, é obra da autarquia e não duma multinacional ou de um lobby político – eu quero votar na Galiza e pagar impostos na Galiza, só para poder dizer que o meu quinhão contribuísta comparticipou nesse investimento público.

Quero ver Portugal na CEE EFG – comunidade de estados empreendedores do exercício físico gratuito!



Araújo da Silva

Título: Isto, sim, é investimento público regrado

Autor: Araújo da Silva (todos os textos)

Visitas: 0

602 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    15-06-2014 às 01:40:17

    O passeio com crianças sempre é maravilhoso! Sim, é possível aproveitar todos esses recursos - totalmente livres e gratuitos!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Isto, sim, é investimento público regrado

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios