Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > À descoberta da Namíbia

À descoberta da Namíbia

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Viagens
Visitas: 2
Comentários: 1
À descoberta da Namíbia

Numa viagem pelo misterioso e denso continente africano, deparamo-nos com um país muito suis generis, encaixado entre Angola e a África do Sul e que, entre desertos escaldantes e leitos de rio desesperadamente secos, recorda ao viajante a pequenez humana. O território do país é essencialmente composto pelo deserto do Namibe e parte do Kalahari e por belos parques naturais, como o Parque Natural de Etosha.

O território foi visitado pela primeira vez por Diogo Cão, em 1485 e, um ano mais tarde, por Bartolomeu Dias, ambos navegadores portugueses. No entanto, o território nunca foi reclamado pela coroa portuguesa – apesar de os padrões portugueses por lá terem ficado, assinalando os locais de chegada dos portugueses. A região foi posteriormente administrada pela Alemanha até à Primeira Guerra Mundial (motivo pelo qual a toponímia local mistura étimos nativos com germânicos – como Windhoek, a capital). Anexada à África do Sul, a Namíbia só viria a conquistar a independência definitiva em 1990, vivendo desde então num clima de democracia, esporadicamente beliscado por contendas internas.

Com um milhão e meio de habitantes, este país possui uma densidade demográfica diminuta (apenas 2,2 habitantes por quilómetro quadrado), isto apesar da elevada taxa de natalidade que, no entanto, é combatida pelo elevado número de seropositivos, bem como pela significativa taxa de mortalidade infantil e por uma esperança média de vida de somente 39 anos. Fala-se, oficialmente, o inglês, a par do alemão e do afrikaans e de inúmeras línguas autóctones. A economia assenta basicamente na exploração de jazidas minerais, como o urânio, e no turismo, atraindo visitantes de todo o mundo, ávidos por conhecerem um país tão rico em contrastes como a Namíbia. Finalmente, a religião é a cristã (abrange cerca de 80% da população), sendo que 50% é luterana, por influência da ocupação alemã.

Os locais mais pitorescos que poderão ser visitados são a Costa dos Esqueletos, território desoladoramente inóspito que deve o seu nome às terríveis (se não inexistentes) condições de sobrevivência que, impostas aos náufragos que conseguiam alcançar a costa namibiana, apenas serviam para adiar um pouco mais a morte. No Parque de Etosha, o turista poderá contemplar manadas de zebras, girafas e elefantes, num colorido vibrante, recheado de sons enigmáticos e de cheiros quentes. A fauna é diversificada e alguns animais acabaram por adaptar-se às extremas condições do deserto do Namibe: coelhos e raposas ostentam orelhas maiores do que o normal, para dispersar o calor, e escaravelhos aproveitam a inclinação das suas pequenas carapaças para receberem nas suas bocas o escasso orvalho acumulado durante as manhãs de nevoeiro. Finalmente e após uma viagem extenuante através do deserto, em que dunas foram vencidas graças a muita persistência, é possível alcançar-se a capital, Windhoek (pronunciado «vinduk») e, aí, descansar num dos muitos e belíssimos hotéis que, quais oásis no meio do deserto, oferecem ao viajante todos os ingredientes para relaxar e recuperar de tal odisseia.

Isabel Rodrigues

Título: À descoberta da Namíbia

Autor: Isabel Rodrigues (todos os textos)

Visitas: 2

666 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    14-06-2014 às 21:22:12

    Infelizmente, Namíbia possui esse histórico, mas o que podemos destacar é seu estilo exótico e original.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - À descoberta da Namíbia

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios