Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Máquinas > Trabalhe como uma máquina

Trabalhe como uma máquina

Categoria: Máquinas
Visitas: 2
Trabalhe como uma máquina

Não se consegue, na actualidade, conceber um dia-a-dia sem o recurso permanente a máquinas, sejam elas de que tipo forem. O próprio ritmo impresso aos afazeres, a sua cadência e, por vezes, urgência, impõem algo bastante mais sofisticado, rápido e eficaz do que a força e o trabalho de braços.
Embora criadas e fabricadas pelo Homem, as máquinas suplantam em muito a sua capacidade produtiva e, enquanto não avariam, podem mesmo sublimar ou evitar erros humanos decorrentes da falta de atenção, do cansaço exacerbado, de distracções pontuais e até de inaptidões intrínsecas.

Naturalmente que onde haja sistemas altamente mecanizados, a mão-de-obra requerida é substancialmente menor, o que pode constituir um problema social. A existência de mais aparelhos significa, em inúmeros casos, a redução dos trabalhadores contratados, ou até o acréscimo dos despedidos. Vendo pelo lado do patrão, as máquinas representam um enorme investimento inicial, mas são a garantia de uma produção redobrada, constante, uniformizada, para além de não entrarem de férias, não reclamarem aumento de salário, não se unirem em protesto, não fazerem greves nem tirarem licenças de maternidade para cuidar dos filhos. Também não consta que vão para os meios de comunicação social falar mal da entidade patronal.
Paralelamente, não há que preocupar-se em fazer-lhes descontos para a segurança social, pagar-lhes o 13.º mês, subsídio de Natal, etc.… Não são invejosas nem passam a vida a morder no parceiro (a não ser que se trate de um instrumento de corte, bem visto! E, ainda assim, trincará somente a matéria-prima que legitimamente lhe colocarem à frente.).

O manuseamento de máquinas exige a observação de alguma formação e de normas de segurança, mais ou menos apertadas, dependendo do tipo de engenho e dos materiais em causa, sendo que, em qualquer circunstância, «cuidados e caldos de galinha nunca fizeram dano a ninguém». Por exemplo, pode ser necessário o uso de vestimenta apropriada ou de protecções para os olhos e os ouvidos, no sentido de prevenir eventuais acidentes e /ou consequências para o futuro, resultantes da exposição a determinadas substâncias ou ao ruído. A verificar-se um imprevisto desta natureza, o trabalhador seria, indubitavelmente, o mais lesado, mas as sequelas atingiriam o seu núcleo familiar e o empregador seria, com certeza, chamado a responsabilidades, ou, no mínimo, julgado em praça pública.

Num tempo em que muitos se queixam que outros tantos não querem um trabalho mas um emprego, continuam a existir honrosas excepções à regra. Por “amor à camisola”, despique com algum colega, orgulho, ou simples gosto do fazer pelo fazer, há pessoas que trabalham tanto e tão bem que angariam dos que neles reparam elogios do género: «És uma máquina!»...

Maria Bijóias

Título: Trabalhe como uma máquina

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

602 

Comentários - Trabalhe como uma máquina

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios