Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Máquinas > Trabalhe como uma máquina

Trabalhe como uma máquina

Categoria: Máquinas
Visitas: 2
Trabalhe como uma máquina

Não se consegue, na actualidade, conceber um dia-a-dia sem o recurso permanente a máquinas, sejam elas de que tipo forem. O próprio ritmo impresso aos afazeres, a sua cadência e, por vezes, urgência, impõem algo bastante mais sofisticado, rápido e eficaz do que a força e o trabalho de braços.
Embora criadas e fabricadas pelo Homem, as máquinas suplantam em muito a sua capacidade produtiva e, enquanto não avariam, podem mesmo sublimar ou evitar erros humanos decorrentes da falta de atenção, do cansaço exacerbado, de distracções pontuais e até de inaptidões intrínsecas.

Naturalmente que onde haja sistemas altamente mecanizados, a mão-de-obra requerida é substancialmente menor, o que pode constituir um problema social. A existência de mais aparelhos significa, em inúmeros casos, a redução dos trabalhadores contratados, ou até o acréscimo dos despedidos. Vendo pelo lado do patrão, as máquinas representam um enorme investimento inicial, mas são a garantia de uma produção redobrada, constante, uniformizada, para além de não entrarem de férias, não reclamarem aumento de salário, não se unirem em protesto, não fazerem greves nem tirarem licenças de maternidade para cuidar dos filhos. Também não consta que vão para os meios de comunicação social falar mal da entidade patronal.
Paralelamente, não há que preocupar-se em fazer-lhes descontos para a segurança social, pagar-lhes o 13.º mês, subsídio de Natal, etc.… Não são invejosas nem passam a vida a morder no parceiro (a não ser que se trate de um instrumento de corte, bem visto! E, ainda assim, trincará somente a matéria-prima que legitimamente lhe colocarem à frente.).

O manuseamento de máquinas exige a observação de alguma formação e de normas de segurança, mais ou menos apertadas, dependendo do tipo de engenho e dos materiais em causa, sendo que, em qualquer circunstância, «cuidados e caldos de galinha nunca fizeram dano a ninguém». Por exemplo, pode ser necessário o uso de vestimenta apropriada ou de protecções para os olhos e os ouvidos, no sentido de prevenir eventuais acidentes e /ou consequências para o futuro, resultantes da exposição a determinadas substâncias ou ao ruído. A verificar-se um imprevisto desta natureza, o trabalhador seria, indubitavelmente, o mais lesado, mas as sequelas atingiriam o seu núcleo familiar e o empregador seria, com certeza, chamado a responsabilidades, ou, no mínimo, julgado em praça pública.

Num tempo em que muitos se queixam que outros tantos não querem um trabalho mas um emprego, continuam a existir honrosas excepções à regra. Por “amor à camisola”, despique com algum colega, orgulho, ou simples gosto do fazer pelo fazer, há pessoas que trabalham tanto e tão bem que angariam dos que neles reparam elogios do género: «És uma máquina!»...

Maria Bijóias

Título: Trabalhe como uma máquina

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

602 

Comentários - Trabalhe como uma máquina

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um caminho para curar o transtorno alimentar

Ler próximo texto...

Tema: Saúde
Um caminho para curar o transtorno alimentar\"Rua
De acordo com um relatório divulgado em novembro de 2014 pelo Comitê Permanente sobre o Status da Mulher, entre 600 mil a um milhão de canadenses cumprem os critérios diagnósticos para um transtorno alimentar em um dado momento. Problemas de saúde mental com ramificações físicas graves, anorexia e bulimia são difíceis de tratar.

Os programas públicos de internação frequentemente não admitem pacientes até que estejam em condição de risco de vida, e muitos respondem mal à abordagem em grupo. As clínicas privadas costumam ter listas de espera épicas e custos altos: um quarto custa de US$ 305 a US$ 360 por dia.


Corinne lutou juntamente com seus pais contra a bulimia e anorexia por mais de cinco anos. Duffy e Terry, pais de Corinne, encontraram uma clínica na Virgínia. Hoje, aos 24 anos, ela é saudável e está cursando mestrado em Colorado. Ela e seus pais acreditam que a abordagem holística, o foco individualizado e a estrutura imersiva de seu tratamento foram fundamentais para sua recuperação.

Eles sabem que tinham acesso a recursos exclusivos. "Tivemos sorte", diz Duffy. "Podíamos pagar por tudo." Mas muitos não podem.
A luta desta família levou-os a refletir sobre o problema nos Estados Unidos. Em 2013, eles fundaram a Water Stone Clinic, um centro privado de transtornos alimentares em Toronto. Eles fazem yoga, terapia de arte e participam na preparação de refeições, construindo habilidades na vida real com uma equipe de apoio empática. Os programas funcionam nos dias da semana das 8h às 14h, e até agora, não tem lista de espera. Porém essa abordagem é onerosa: aproximadamente US$ 650 por dia.

A família criou a Fundação Water Stone - uma instituição de caridade que fornece ajuda a pacientes que não podem pagar o tratamento. Os candidatos são avaliados por dois comitês que tomam uma decisão baseada na necessidade clínica e financeira. David Choo Chong foi o primeiro a se beneficiar da fundação. Ele havia tentado muitos programas, mas nenhum foi bem sucedido. A fundação pagou metade do tratamento. Dois anos depois, Choo Chong, feliz e estável diz "Water Stone me ajudou a encontrar quem eu sou".

Pesquisar mais textos:

Roberta Darc

Título:Um caminho para curar o transtorno alimentar

Autor:Roberta Darc(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios