Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Papua Nova-Guiné – encontro de opostos

Papua Nova-Guiné – encontro de opostos

Categoria: Viagens
Visitas: 2
Comentários: 1
Papua Nova-Guiné – encontro de opostos

Papua Nova-Guiné é a terceira maior ilha do planeta. Possui 785 mil quilómetros quadrados e foi descoberta pelo português Jorge de Menezes em 1526, que lhe terá dado o nome de Ilhas dos Papuas (que deriva da palavra malaia papuwah, que quer dizer “cabelos enrolados”). Um século mais tarde, eram os Holandeses quem dominava oficialmente, embora o interior da ilha fosse controlado por tribos canibais. A metade oriental foi, posteriormente, ocupada por Alemães e Australianos, que deram origem ao país actualmente denominado de Papua Nova-Guiné. A metade ocidental, chamada Irian Jaya, integra actualmente uma província da Indonésia.

A Papua Nova-Guiné (PNG) situa-se no oceano Pacífico e consiste num conjunto de ilhas, acolhendo a maior destas a capital, Port Moresby. Cruza culturas milenares e espaços ainda não “contaminados” pela cultura ocidental com a indiscutível modernidade das cidades. Esta miscelânea de tradição e modernismo, de natureza e de cultura, de ritmos díspares e de outros opostos exercem sobre o visitante um inegável poder atractivo.

A PNG é coberta por florestas tropicais, detendo a maior área da região do Pacífico asiático e a terceira mais extensa do mundo. Esta floresta sustenta um gigantesco e variado ecossistema, onde coabitam cerca de 20 mil tipos de plantas e 1500 espécies de pássaros (sendo 750 destas castas únicas e exclusivas da ilha). Em acréscimo, é nas florestas da PNG que se podem encontrar, no seu habitat natural, a maior borboleta, o maior papagaio e lagartixa mais comprida de que há registos. A floresta tropical desempenha ainda um papel fundamental no fornecimento de comida aos nativos (aproximadamente 20 a 30 por cento da provisão de víveres) e de matérias-primas para a execução de artefactos, roupas, produtos medicinais, ferramentas, armas, objectos destinados a rituais religiosos e artesanato.

No que respeita à gastronomia, o taro, o inhame e as bananas, acompanhados de arroz ou peixe, constituem a base da alimentação, juntamente com o sagú ou o saksak (extracto de fécula de batata). Nas terras altas consome-se uma espécie de batata-doce (o kaukau), trazida pelos Espanhóis, da América do Sul. Destaca-se, na categoria dos pratos com melhor sabor, o soto daging, uma magnífica sopa de carne com especiarias. Os mumu (fornos construídos dentro da terra) são inigualáveis na preparação de guisados. Na eventualidade, contudo, de não se apreciar esta comida, a capital possui uma vasta oferta de restaurantes com iguarias francesas, vietnamitas, chinesas, japonesas, tailandesas, indonésias, filipinas e hindus. No que concerne a bebidas, os sumos de fruta naturais são os eleitos, mas também há acesso às grandes marcas internacionais. Um conselho útil vai no sentido de preferir sempre água engarrafada, em detrimento da que sai das torneiras.

No âmbito do artesanato, os bilums (bolsas típicas feitas de corda) e as máscaras rituais são os mais representativos e podem encontrar-se na maioria das povoações. A olaria, os tambores, os instrumentos musicais, tecidos com tintas naturais e armas tradicionais são outras opções de compras.

Rituais de danças, excursões, rafting, windsurf e outros desportos náuticos, para além de campismo, integram um amplo rol de actividades possíveis. Diversas são também as festividades, espalhadas ao longo do ano, onde o folclore, a música e o ambiente dizem muito desta nação, onde se fala o maior número de idiomas: 850. O que tem a dizer sobre uma visitinha?


Maria Bijóias

Título: Papua Nova-Guiné – encontro de opostos

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

777 

Imagem por: Arthur Chapman

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãoanelda

    28-05-2012 às 20:34:56

    adorei deste pagina tive tudo o que eu precisava

    ¬ Responder

Comentários - Papua Nova-Guiné – encontro de opostos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Ler próximo texto...

Tema: Informática
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?\"Rua
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Bom, Não é de hoje que tecnologia vem surpreendendo a todos nós com grandes revoluções e os custos que diminuem cada vez mais.
Hoje em dia é comum ver crianças com smarthphones com tecnologia que a 10 anos atrás nem o celular mais moderno e caro do mercado tinha.
Com isso surgiram sugiram vários profetas da tecnologia e visionários, tentando prever qual será o próximo passo.

E os filmes retratam bem esse tema e usam essa formula que atrai a curiosidade das pessoas.
Exemplos:

Minority report - A nova lei de 2002 (Imagem)

Transcendence de 2014

Em Transcendence um tema mais conspiratório, onde um ser humano transcende a uma consciência artificial e assim se torna imortal e com infinita capacidade de aprendizagem.
Vale a pena ver tanto um quanto o outro filme. Algumas tecnologias de Minority Report, como utilizar computadores com as mãos (caso do kinect do Xbox 360 e One) e carros dirigidos automaticamente, já parecem bem mais próximo do que as tecnologias vistas em Transcendence, pois o foco principal do mesmo ainda é um tema que a humanidade engatinha, que é o cérebro humano, a máquina mais complexa conhecida até o momento.

Eu particularmente, acredito que em alguns anos teremos realmente, carros pilotados automaticamente, devido ao investimento de gigantes como o Google e o Baidu nessa tecnologia.

Também acho que o inicio da colonização de Marte, vai trazer grandes conquistas para humanidade, porém grandes desafios, desafios esses que vão nos obrigar a evoluir rapidamente nossa tecnologia e nossa forma de encarar a exploração espacial, não como um gasto, mas sim como um investimento necessário a toda humanidade e a perpetuação da sua existência.

A única salvação verdadeira para humanidade e para o planeta terra, é que seja possível o ser humano habitar outros planetas, seja localizando planetas parecidos com a terra ou mudando planetas sem condições para a vida em planetas habitáveis e isso só será possível com gente morando nesses planetas, como será o caso do Marte. O ser humano com a sua engenhosidade, aprendeu a mudar o ambiente a sua volta e assim deixou de ser nômade e da mesma forma teremos que aprender a mudar os mundos, sistemas, galáxias e o universo a nossa volta.

Espero que tenham gostado do meu primeiro texto.
Obrigado à todos!
Até a Próxima!


Pesquisar mais textos:

Érico da Silva Kaercher

Título:Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Autor:Érico da Kaercher(todos os textos)

Imagem por: Arthur Chapman

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios