Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Albergues para todos

Albergues para todos

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Viagens
Comentários: 3
Albergues para todos

A palavra é conhecida por todos nós e a sua história remota a tempos muito, muito antigos.

A palavra Albergue nasce com a ajuda dos mais necessitados. Não é por acaso que muitas vezes se utiliza a expressão de quem dá guarida a outra, que em jeito de brincadeira diz – Isto parece um Albergue de crianças abandonadas.

Pois bem, a história dos Albergues é exatamente essa. Peregrinos que se deslocavam para os seus cultos ou movidos pela Fé, tinham muitas vezes a dificuldade de assegurarem noites confortáveis que lhes permitisse recarregar forças para a sua jornada, recorriam muitas vezes aos albergues. Também mães desesperadas sem poder cuidar dos seus filhos, deixavam-nos ainda bebés nestes locais como que em busca de proteção e conforto. Viajantes, mendigos, enfim um sem número de pessoas que necessitavam de sopa quente, uma cama confortável, enfim, conforto de forma geral.

Se a história passa pela oferta e muito baixo custo de serviços de comida e dormida, hoje em dia não difere muito do que era há muitos anos.

Os Albergues são locais que albergam, que cuidam, que asseguram os princípios básicos e essenciais para o bem-estar de qualquer ser humano. Se em tempos muitos albergues não eram pagos, nos dias que correm o valor, mesmo que baixo, acontece e é exigido na maior parte das vezes.

Um albergue pode ser confundido com uma pousada da juventude, e de facto muito têm em comum. No entanto, a diferença acontece. Um Albergue por norma é usado de passagem e por uma só noite, enquanto que uma pousada da juventude pode ser usufruído durante um período de tempo mais alargado.

Os valores, quando existem são bastante baixos e as refeições são sempre e por norma idênticas a verdadeiras casas de pasto. Fortes e quentes, dão força e vitalidade para o resto do caminho que falta percorrer.

Quando se fala em albergues em comum com as pousadas da juventude, pensa-se e férias e viagens, enfim divertimento, mas existem espalhadas por todo o Portugal, Albergues como os de antigamente.

Principalmente na zona de Lisboa, Porto e Coimbra, existem Albergues que acolhem os mais necessitados, como mendigos e desafortunados. Pessoas a quem a vida têm sido madrasta e necessitam de um apoio, uma certa atenção que estes locais têm sempre para oferecer.

Apesar desta vertente mais voluntária, os albergues são locais de encontro e descoberta. Com a variedade existente, se quiser faça uma pesquisa na internet e visite estes sítios tão tradicionais e emblemáticos.



Carla Horta

Título: Albergues para todos

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 0

642 

Imagem por: ricardo-pereira

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • SophiaSophia

    20-04-2014 às 17:04:36

    Uma das coisas mais divertidas que inventaram! A Rua Direita agradece as informações.

    ¬ Responder
  • Dan Wada Torresmarlene

    23-10-2011 às 22:45:52

    Preciso urgente de um lugar para ficar por algum tempo, problema saúde e familiar sério. trabalho, mas estou afastada, posso contribuir com pouco. Gostaria de saber se existe um lugar no mínimo confortável para me abrigar,( sem nenhuma discriminação)não sou moradora de rua. Idade 60 anos.

    ¬ Responder
  • alda

    15-04-2013 às 12:23:25

    eu estou nas mesmas condições se souber de alguma coisa diga-me.... obrigada

    ¬ Responder

Comentários - Albergues para todos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: ricardo-pereira

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios