Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Chichén Itza - A Serpente Emplumada desce à terra

Chichén Itza - A Serpente Emplumada desce à terra

Categoria: Viagens
Visitas: 16
Comentários: 7
Chichén Itza - A Serpente Emplumada desce à terra

Chichén Itza é uma cidade arqueológica maia, localizada na península do Yucatán, no México. É a mais famosa de todas as cidades Maias, tendo sido o centro político e económico desta civilização. A cidade era composta por esplêndidos edifícios, numerosas casas senhoriais, jardins submersos, terraços e templos.

De todas as muitas construções interessantes a mais importante e impotente e aquela que mais se destaca, era sem dúvida a Pirâmide de Kukulcán, actualmente considerada uma das sete novas maravilhas do Mundo.

Esta pirâmide fazia culto ao Deus Kukulcán, a “Serpente Emplumada” e foi construída como uma espécie de calendário, demonstrando que os Maias possuíam elevados conhecimentos de matemática, astronomia e geometria. Este povo observou com detalhe o comportamento das estações, a trajectória do sol e das estrelas, e tê-los-iam registado na construção deste templo. A própria pirâmide seria uma estrutura através da qual os maias se orientavam no tempo.

Os Maias utilizavam um calendário solar, o Habb, com 18 meses de 20 dias cada um, mais um período de 5 dias, considerado desfavorável.
Assim, o calendário era composto por 365 dias. Tinham ainda um outro calendáriosagrado, o Tzolkin, com 13 meses de 20 dias cada um, composto assim por 260 dias. Estes dois calendários eram combinados num calendário circular que equivalia a um ciclo de 52 anos, o que significava que os números, os dias e os meses só se repetiam a cada 52 anos.

Alguns destes números estão representados na pirâmide. Por exemplo, ela possui 4 escadarias, cada uma delas com 91 degraus. Se estes números forem multiplicados, obtém-se o número 364. Se a ele for somado o patamar superior do templo, comum a todas as escadarias, surge o número de dias do Habb, 365. A pirâmide possui ainda 9 patamares, divididos ao meio pelas escadarias. Assim, se multiplicarmos estes números obtemos o resultado de 18, correspondente ao número de meses do Habb. A fachada da pirâmide tem 52 painéis, como indicativo do ciclo de 52 anos do calendário circular. No templo superior da pirâmide, existem 5 ameias em cada fachada, o que dá um total de 20, o número de dias de cada mês do Habb e do Tzolkin.

Mas a pirâmide é famosa devido ao fenómeno solar que nela ocorre nos equinócios da Primavera (21 de Março) e de Outono (21 de Setembro). Nestes dias, a uma determinada hora, à medida que o sol se movimenta, a sua sombra projectada nas laterais de uma das escadarias da pirâmide, formam o corpo de uma serpente, que se desloca até tocar na cabeça da serpente emplumada que se encontra na base da escadaria norte.

O número de visitantes por altura dos equinócios aumenta de 5 para 13 mil, tamanha é a curiosidade das pessoas em presenciar o fenómeno. No meio de toda a multidão que ali se reúne para assistir à descida da serpente emplumada dos céus à terra, é possível encontrar pessoas de todos os credos e culturas.



Catarina Bandeira

Título: Chichén Itza - A Serpente Emplumada desce à terra

Autor: Catarina Bandeira (todos os textos)

Visitas: 16

783 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 7 )    recentes

  • Rafaela CoronelRafaela

    29-09-2014 às 14:17:45

    Fantástico esse texto detalhar de maneira tão precisa esse chichén itza. Isso são mistérios que não sabemos desvendar dessa serpente.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoLuanda

    30-03-2013 às 12:26:14

    Visita fantástica e ver a serpente se formar foi incrível!!

    ¬ Responder
  • joao padilhajoao padilha

    22-09-2011 às 22:12:58

    Esplêndido. Estive lá na semana passada e a descida da serpente emplumada é hoje, 22.09.2011, no equinócio do outono no hemisfério norte. Se estive atento ao calendário teria adiado uma semana minha ida ao Méximo para visualizar pessoalmente o fenônome, que não é lenda e já foi documentado, fotografado e filmado inúmeras vezes.

    ¬ Responder
  • Luciana EboneDebora

    22-08-2011 às 17:54:41

    É maravilhoso!!! Meu namorado e eu fomos semana passada para conhecer Cancun e visitar Chichén Itza. Recomendo a visita, mas terá que passar um dia ineiro lá para que possa ver tudo.

    ¬ Responder
  • ITALO VENICIUS "JONES"ITALO VENICIUS "JONES"

    31-05-2011 às 21:18:40

    super interessante,é sério,eu me interesso muito por arqueologia, como por exemplo machu pichu, as pirâmides, entre outros, mas uma coisa que me fascina é a lenda da serpente emplumada,muito legal!!!valeu!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoSophia

    13-11-2010 às 14:24:32

    Muito legal , tenho que fazer um trabalho sobre o Chichén Itza e estou gostando muito :D

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoSamuel

    16-06-2009 às 13:29:33

    Poxa muito legal tambem estou curioso para ver a decsida da serpente.

    ¬ Responder

Comentários - Chichén Itza - A Serpente Emplumada desce à terra

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios