Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Praia da Adraga: o paraíso desceu à praia

Praia da Adraga: o paraíso desceu à praia

Categoria: Viagens
Visitas: 2
Comentários: 1
Praia da Adraga: o paraíso desceu à praia

A Praia da Adraga é, de acordo com um concurso britânico orientado pelo jornal Sunday Times (2003), uma das vinte melhores praias europeias, surgindo num dignificante terceiro lugar. Ora, por que razão será esta praia tão apreciada pelos ingleses? A resposta poderá estar nas características paisagísticas únicas do local, nas condições logísticas que apoiam os veraneantes e, ainda, na boa frequência da praia.

De facto, os ingleses apenas vieram confirmar algo que os portugueses já sabem há muito: a praia da Adraga é um pequeno paraíso com enormes rochedos que fazem lembrar os princípios do mundo. E talvez a definição não ande muito longe da realidade geológica da zona: as arribas escarpadas de calcário que envolvem a praia datam da era Jurássica (sim, a dos dinossauros) – de há cerca de 150 milhões de anos atrás – e no extremo norte da praia é possível observarem-se maciços rochosos da era Cretácica. A topologia da área circundante, caracterizada por maciços eruptivos abruptos e rochas isoladas de grande dimensão, é contemporânea e resultado da erupção do maciço rochoso da Serra de Sintra. As rochas isoladas revelam a presença de dois grandes agentes erosivos: a água e o vento.

Em termos humanos e de logística, a praia é das poucas em Portugal classificada como «acessível», o que significa que as pessoas deficientes têm aqui a possibilidade de se deslocarem até ao mar num carrinho próprio para o efeito. Existe um bar-restaurante muito simpático e acolhedor onde existem sempre mesas ocupadas e um ambiente muito peculiar e positivo. Há, também, balneários com wc e duches incluídos, sendo que à saída da praia existem também duches de água doce. Por fim, e para completar o rol de comodidades, os veraneantes dispõem de passadeiras de madeira ornadas com oportunos banquinhos de madeira, onde, no regresso a casa, podem sentar-se e tratar de retirar o excesso de areia dos pés. A praia fecha mesmo com chave de ouro porque, como seria de esperar num local destes, é vigiada.

Será ainda de salientar que o nudismo se encontra autorizado na zona norte da praia e que o parque de estacionamento, não sendo dos maiores, é coadjuvado por um espaço em terra onde também é possível estacionar o carro (apesar de, às vezes, a tarefa se tornar complicada). Por outro lado, a praia é muito bem frequentada e segura, razão pela qual é também tão apreciada por turistas nacionais e estrangeiros. Existem ainda misteriosas grutas e cavernas a sul da praia, que são visitáveis durante a maré baixa.

Desfrute, pois, de excelentes dias de praia, com a certeza de que serão inesquecíveis.


Isabel Rodrigues

Título: Praia da Adraga: o paraíso desceu à praia

Autor: Isabel Rodrigues (todos os textos)

Visitas: 2

633 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    14-06-2014 às 21:37:18

    Achei bem importante essa questão dos acessos para deficientes. A Praia da Adraga deve ser muito bonita e cheia de surpresas agradáveis.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Praia da Adraga: o paraíso desceu à praia

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um caminho para curar o transtorno alimentar

Ler próximo texto...

Tema: Saúde
Um caminho para curar o transtorno alimentar\"Rua
De acordo com um relatório divulgado em novembro de 2014 pelo Comitê Permanente sobre o Status da Mulher, entre 600 mil a um milhão de canadenses cumprem os critérios diagnósticos para um transtorno alimentar em um dado momento. Problemas de saúde mental com ramificações físicas graves, anorexia e bulimia são difíceis de tratar.

Os programas públicos de internação frequentemente não admitem pacientes até que estejam em condição de risco de vida, e muitos respondem mal à abordagem em grupo. As clínicas privadas costumam ter listas de espera épicas e custos altos: um quarto custa de US$ 305 a US$ 360 por dia.


Corinne lutou juntamente com seus pais contra a bulimia e anorexia por mais de cinco anos. Duffy e Terry, pais de Corinne, encontraram uma clínica na Virgínia. Hoje, aos 24 anos, ela é saudável e está cursando mestrado em Colorado. Ela e seus pais acreditam que a abordagem holística, o foco individualizado e a estrutura imersiva de seu tratamento foram fundamentais para sua recuperação.

Eles sabem que tinham acesso a recursos exclusivos. "Tivemos sorte", diz Duffy. "Podíamos pagar por tudo." Mas muitos não podem.
A luta desta família levou-os a refletir sobre o problema nos Estados Unidos. Em 2013, eles fundaram a Water Stone Clinic, um centro privado de transtornos alimentares em Toronto. Eles fazem yoga, terapia de arte e participam na preparação de refeições, construindo habilidades na vida real com uma equipe de apoio empática. Os programas funcionam nos dias da semana das 8h às 14h, e até agora, não tem lista de espera. Porém essa abordagem é onerosa: aproximadamente US$ 650 por dia.

A família criou a Fundação Water Stone - uma instituição de caridade que fornece ajuda a pacientes que não podem pagar o tratamento. Os candidatos são avaliados por dois comitês que tomam uma decisão baseada na necessidade clínica e financeira. David Choo Chong foi o primeiro a se beneficiar da fundação. Ele havia tentado muitos programas, mas nenhum foi bem sucedido. A fundação pagou metade do tratamento. Dois anos depois, Choo Chong, feliz e estável diz "Water Stone me ajudou a encontrar quem eu sou".

Pesquisar mais textos:

Roberta Darc

Título:Um caminho para curar o transtorno alimentar

Autor:Roberta Darc(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios