Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Instrumentos Musicais > Os Segredos de um Acordeão

Os Segredos de um Acordeão

Visitas: 22
Comentários: 2
Os Segredos de um Acordeão

Quando vemos um acordeão, imaginamos logo um grupo musical tipicamente Português. Aquele típico grupo musical que alegra as festas lá da terra, e põe toda a gente a dançar.

Um acordeão é à primeira vista um instrumento difícil de tocar, e quem diz á primeira, diz à segunda ou à terceira. O acordeão é de facto um instrumento complicado de tocar devido não só ao dedilhar necessário, mas também pela sua forma e peso.

O acordeão é um instrumento aerófono (produzido pela vibração do ar), composto por um fole (a característica que mais o identifica), um diapasão (parte metálica em forma de forquilha) e duas caixas harmónicas de madeira.

Se acha que esta é uma forma de descrever o acordeão, saiba que há muito mais para contar.

Também conhecido por concertina (a diferença está no número de baixos que são 120), julga-se que o acordeão tenha sido inventado na China em 2700 anos Antes de Cristo e sofreu os mais variados desenvolvimentos com o passar dos anos de forma a que muitos pensam que tenha sido inventado na Alemanha de 1700 por Christien Friederich Ludwig Buschmann.

O inconfundível som do acordeão é emitido através do aperto do ar entre duas palhetas (ficam localizadas dentro do fole – Castelo). É a vibração das palhetes que emite um som mais grave ou mais agudo (quanto mais distantes, mais grave se torna o som). Naturalmente que quanto mais o ar for forçado, mais alto é o som. Se já reparou que um acordeonista está permanentemente a fazer abrir e fechar o fole, saiba que este gesto é o que faz circular o ar dentro do fole.

Por norma um acordeão tem quatro registos, sendo composta por diferentes oitavas para uma só tecla (parte lateral do acordeão) São estas teclas, as responsáveis pelo som inconfundível do acordeão. O teclado é tocado com a mão direita e tem o mesmíssimo aspecto de um teclado de um piano.

Ora se com a mão direita se toca no teclado, com a mão esquerda temos uma imensidão de botõezinhos em fila indiana. Os botões têm a função de produzir a sonoridade e intensidade do som emitido pelo acordeão.

Se acha que o acordeão ou a concertina são instrumentos tipicamente Portugueses e tocados nas chamadas Santas Terrinhas, engana-se. Tchaikovsky (compositor romântico Russo – 1840 / 1893) foi um dos muitos compositores que trabalhou peças com o acordeão.


Carla Horta

Título: Os Segredos de um Acordeão

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 22

761 

Imagem por: Orin Zebest

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • André BelacorçaAndré Belacorça

    17-09-2012 às 17:02:31

    muito bom :)

    ¬ Responder
  • Alberto

    04-09-2012 às 12:46:42

    É no mínimo "tosco" dizer que o Tchen é um acordeão. O acordeão foi inventado por Buschmann, mas ele não fez isso sozinho - diversos artesões estavam empenhados nesta época, o que contribuiu para que o Buschmann apresentasse a primeira forma consistente deste instrumento maravilhoso. Mais tarde, Cyrill Demian, austríaco, patenteou o invento, já com inúmeras melhorias. Foi, no entanto, Demian o primeiro divulgador deste instrumento, tanto que o então jovem Paolo Soprani, italiano, se interessou em reproduzir o "novo invento". A influência de Paolo Soprani foi enorme, pois em Ancona, Itália, temos a maior concentração de confeccionadores de acordeão e bandoneon no mundo - e de qualidade indiscutível. Na Alemanha, no entanto, precursora no instrumento, existem poucos fabricantes, mas de excelente qualidade. Outros países como a Eslovênia, Holanda e França também dominam bem a arte. No Brasil tivemos a Todeschini, que em seu auge, chegou a produzir 1500 acordeões de altíssima qualidade.

    Enfim, os chineses inventaram o mecanismo da palheta livre, mas não são os inventores do acordeão.

    ¬ Responder

Comentários - Os Segredos de um Acordeão

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: Orin Zebest

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios