Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Companhias de Aviação Low Cost – A Revolução dos Ares

Companhias de Aviação Low Cost – A Revolução dos Ares

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Viagens
Visitas: 2
Comentários: 1
Companhias de Aviação Low Cost – A Revolução dos Ares

Até há alguns anos atrás, fazer uma viagem de avião era um luxo a que poucas pessoas se podiam dar. Os preços de uma viagem eram demasiado altos para uma família média, imaginemos que composta por quatro pessoas, poder ir passar uns dias a um qualquer destino um pouco mais longínquo ou para reduzir o orçamento de uma viagem de negócios.

Estas companhias começaram a surgir no panorama internacional no início dos anos 1990 nos Estados Unidos e têm-se vindo a desenvolver desde então. Hoje em dia, é possível encontrar voos low cost para quase todos os destinos do mundo a preços irrisórios.

A estratégia destas empresas de aviação é a de eliminar alguns dos serviços que apresentam. A Internet veio revolucionar este mercado, uma vez que as viagens são, na sua maioria, reservadas por este meio.
O comprador entra no site de uma determinada companhia aérea, escolhe o destino e a data que pretende e depois existe uma multiplicidade de serviços que pode requerer ou não, como por exemplo a quantidade de malas que apresenta no check-in, a aquisição de seguro de viagem ou a reserva de entrada prioritária no avião, uma vez que muitos voos não têm lugares marcados. Estas são algumas das variantes que se podem encontrar aquando da reserva e que vão determinar o preço. Para qualquer problema ou dúvida que exista sobre o voo, as companhias têm linhas telefónicas diretas através das quais o cliente pode contactar.

Muitas destas companhias também fazem contenção de custos ao longo do voo. Por exemplo, as refeições são servidas apenas por pedido, assim como outros serviços que complementam a viagem nos voos das companhias aéreas tradicionais. Os aviões também têm uma estrutura diferente, uma vez que, por norma, não existe a distinção entre classes de voo, de modo a que o espaço físico possa albergar mais lugares.

Há que referir ainda o facto de que os aviões destas companhias estão em perfeita concordância com as normas e requisitos internacionais de voo. A segurança continua sempre a ser um factor privilegiado para quem viaja de avião, pelo que são viagens perfeitamente seguras de se fazerem.

Existem pessoas que não prescindem dos confortos oferecidos por uma companhia aérea tradicional. Para viagens de longa duração, e apesar do preço, continuam a ser a melhor escolha. No entanto, uma grande maioria prefere economizar na viagem para depois poder usufruir de um pouco mais de dinheiro ao longo da sua estadia, seja num hotel um pouco melhor ou num restaurante um pouco mais caro...



Luís Seco Passadouro

Título: Companhias de Aviação Low Cost – A Revolução dos Ares

Autor: Luís Seco Passadouro (todos os textos)

Visitas: 2

673 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    15-06-2014 às 01:45:14

    Graças à a viação low cost as pessoas ficaram acessíveis a viagens que antigamente eram a poucas pessoas. Que genial essa mudança! Tudo de bom...
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Companhias de Aviação Low Cost – A Revolução dos Ares

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O que é uma Open House?

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Imóveis Venda
O que é uma Open House?\"Rua
Este é um tema que vem pôr muito a lindo o trabalho de alguns mediadores imobiliários e do seu trabalho.

Quando temos um imóvel para vender, muitos são os métodos a utilizar e os meios que nos levam até eles para termos o nosso objetivo cumprido – A venda da Casa.
Quando entregamos o nosso imóvel para que uma mediadora o comercialize, alguns aspetos têm de ser tidos em conta, como a legalidade da empresa e quem será a pessoa responsável pela divulgação da sua casa, mas a ansia de vermos o negócio concretizado é tanta, que muitas vezes nos escapa a forma como fazem a referida divulgação e publicidade do imóvel.

Entre anúncios na internet e as conhecidas folhas nas montras dos estabelecimentos autorizados, muitas mediadoras optam por fazer uma ação que está agora muito em voga que é uma Open House. Mas afinal, o que é isto de nome estrangeiro que tanto se vê pelas ruas e em folhetos de anúncio?

Ora bem, a designação em Português é muito simples – Casa Aberta. E na realidade, uma Open House é isso mesmo. Abrir uma Casa para que todos a possam ver. NO entanto, requerem-se alguns aspetos que as mediadoras normalmente preveem, mas que é fundamental que o proprietário do imóvel também tenha consciência e conhecimento.

Por norma as imobiliárias só fazem este tipo de intervenção e ação em imóveis que têm como exclusivo, isto é, quando é uma só determinada mediadora, a autorizada a poder comercializar o imóvel.

Em segundo lugar, este tipo de ação de destaque requer à mediadora custos com tempo, recursos humanos e financeiros.
A mediadora começa por marcar um dia próprio que por norma é datado para um feriado ou fim de semana. Faz então publicidade local através de folhetos e flyres anunciando a Open House, o dia e a hora, tal como o local. Muito provavelmente serão tiradas fotografias ao seu imóvel.

Através de redes sociais também poderão ser divulgadas as ações.
No dia da Open House, o local será indicado com publicidade da sua casa e da imobiliária e começarão a aparecer visitas ao imóvel.

Sugiro que não tenha mobiliário e muito menos valores em casa. O ideal será o imóvel estar desocupado de todos e quaisquer bens, por uma questão de segurança, mas também porque as áreas parecerão maiores e isso com toda a certeza ajuda à venda.

A imobiliária será responsável pela limpeza e trato do imóvel, pelo que se ocorrerem danos, serão eles os responsáveis.
Neste tipo de ações, é normal que a concorrência das imobiliárias apareça e faça parcerias que para si só trará vantagens.

Uma Open House pode não ser uma ação de destaque em Portugal, mas por exemplo nos Estados Unidos, é o normal e mais agradável. Os clientes não se sentem pressionados como numa visita normal e os negócios concretizam-se com muito mais rapidez e naturalidade.

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:O que é uma Open House?

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios