Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Austrália – um continente exótico e longínquo

Austrália – um continente exótico e longínquo

Categoria: Viagens
Comentários: 2
Austrália – um continente exótico e longínquo

A Austrália é a maior das cinco ilhas gigantes do mundo. Em extensão (com 7,7 milhões de quilómetros quadrados), já que a nível populacional não passa dos 21 milhões de habitantes. Embora tenha sido, supostamente, visitada pelos Portugueses na segunda metade do século xvi, provavelmente pela adjacência com a costa norte da ilha de Timor, onde os lusos marcaram presença há quinhentos anos, somente no século xviii começou a ser colonizada pelos britânicos.

Ainda assim, na costa noroeste da Austrália restam ainda resquícios que evocam a passagem dos Portugueses pelo continente. O nome Abrolhos é um deles e deriva de uma frase típica dos marinheiros lusitanos ao navegar por aquelas águas traiçoeiras: «Abre os olhos!» Outro sinal evidente diz respeito à fronteira terrestre da Austrália Ocidental, com traço de régua e esquadro, bem à maneira anglo-saxónica e praticamente uma réplica do meridiano de Tordesilhas. Aliás, não fora o tratado celebrado nesta terra e a Austrália integraria, quase de certeza, os PALOP (Países de Língua Oficial Portuguesa), não obstante ser distante e exótica e pouco ou nada ter a ver com a realidade lusa.

Consta que foram os madeirenses os primeiros emigrantes portugueses a instalar-se na ilha, estabelecendo uma pequena comunidade piscatória em Fremantle, na década de 50 do século passado. Os Portugueses regressavam, deste modo, à Austrália quatro séculos depois da sua descoberta por Cristóvão de Mendonça. O afluxo de pessoas nascidas em Portugal à Austrália foi crescente até aos anos 90 do século xx, apontando o recenseamento do Australian Bureau of Statistics para 17 mil portugueses a viver na Austrália, mais nove mil descendentes, o que no total se traduzia em 0,15 por cento da população australiana.

Perth, Melbourne e Sidney são cidades onde se pode encontrar centros culturais e recreativos, restaurantes e mesmo bairros onde se fala exclusivamente a língua de Camões, saborear iguarias de Portugal (como o famoso pastel de bacalhau) e beber uma bica acompanhada por um pastel de nata. Como acontece noutros sítios onde estão portugueses, a gastronomia funciona como imagem de marca da comunidade lusitana, ainda que os nomes possam variar ligeiramente. O frango no churrasco, por exemplo, que é conhecido como portuguese piri-piri chicken, tem uma adesão formidável, o mesmo acontecendo com o portuguese custard tart (pastel de nata). Apesar do sucesso gastronómico e da prosperidade dos negócios subjacentes, é facto que as habilitações literárias dos portugueses ficam imensamente aquém da média nacional, o que os limita em termos de participação mais efectiva na sociedade australiana. Porém, e por paradoxal que pareça, a taxa de desemprego destes indivíduos é menor do que noutras áreas de maior qualificação e a qualidade de vida é bastante boa. Os quadros superiores portugueses na Austrália acabam por ser discretos no que se refere à proveniência e existe a tendência de assimilação por parte da sociedade australiana.

Não obstante, há australianos, como Kenneth Gordon McIntyre, de 95 anos, que promovem a imagem de Portugal. Este professor universitário apaixonado pela obra de Camões estudou português e publicou, em 1977, o livro «The Secret Discovery of Australia» (traduzido para português e publicado em 1989 pela Fundação Oriente), posteriormente adoptado como manual escolar na Austrália, onde restituiu a Cristóvão de Mendonça o devido lugar de legítimo descobridor da ilha.
Não quer vir também descobrir este mundo à parte?


Maria Bijóias

Título: Austrália – um continente exótico e longínquo

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

628 

Imagem por: dicktay2000

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    20-04-2014 às 17:41:39

    A Rua Direita recomenda não apenas visitar, mas morar. A Austrália está em primeiro lugar como o melhor para se viver em todos os aspectos da vida.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoMaria Nunes

    02-07-2013 às 09:17:58

    Aí está um país que eu gostaria de visitar . Pelo que li parece-me muito interessante .

    ¬ Responder

Comentários - Austrália – um continente exótico e longínquo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O que é uma Open House?

Ler próximo texto...

Tema: Imóveis Venda
O que é uma Open House?\"Rua
Este é um tema que vem pôr muito a lindo o trabalho de alguns mediadores imobiliários e do seu trabalho.

Quando temos um imóvel para vender, muitos são os métodos a utilizar e os meios que nos levam até eles para termos o nosso objetivo cumprido – A venda da Casa.
Quando entregamos o nosso imóvel para que uma mediadora o comercialize, alguns aspetos têm de ser tidos em conta, como a legalidade da empresa e quem será a pessoa responsável pela divulgação da sua casa, mas a ansia de vermos o negócio concretizado é tanta, que muitas vezes nos escapa a forma como fazem a referida divulgação e publicidade do imóvel.

Entre anúncios na internet e as conhecidas folhas nas montras dos estabelecimentos autorizados, muitas mediadoras optam por fazer uma ação que está agora muito em voga que é uma Open House. Mas afinal, o que é isto de nome estrangeiro que tanto se vê pelas ruas e em folhetos de anúncio?

Ora bem, a designação em Português é muito simples – Casa Aberta. E na realidade, uma Open House é isso mesmo. Abrir uma Casa para que todos a possam ver. NO entanto, requerem-se alguns aspetos que as mediadoras normalmente preveem, mas que é fundamental que o proprietário do imóvel também tenha consciência e conhecimento.

Por norma as imobiliárias só fazem este tipo de intervenção e ação em imóveis que têm como exclusivo, isto é, quando é uma só determinada mediadora, a autorizada a poder comercializar o imóvel.

Em segundo lugar, este tipo de ação de destaque requer à mediadora custos com tempo, recursos humanos e financeiros.
A mediadora começa por marcar um dia próprio que por norma é datado para um feriado ou fim de semana. Faz então publicidade local através de folhetos e flyres anunciando a Open House, o dia e a hora, tal como o local. Muito provavelmente serão tiradas fotografias ao seu imóvel.

Através de redes sociais também poderão ser divulgadas as ações.
No dia da Open House, o local será indicado com publicidade da sua casa e da imobiliária e começarão a aparecer visitas ao imóvel.

Sugiro que não tenha mobiliário e muito menos valores em casa. O ideal será o imóvel estar desocupado de todos e quaisquer bens, por uma questão de segurança, mas também porque as áreas parecerão maiores e isso com toda a certeza ajuda à venda.

A imobiliária será responsável pela limpeza e trato do imóvel, pelo que se ocorrerem danos, serão eles os responsáveis.
Neste tipo de ações, é normal que a concorrência das imobiliárias apareça e faça parcerias que para si só trará vantagens.

Uma Open House pode não ser uma ação de destaque em Portugal, mas por exemplo nos Estados Unidos, é o normal e mais agradável. Os clientes não se sentem pressionados como numa visita normal e os negócios concretizam-se com muito mais rapidez e naturalidade.

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:O que é uma Open House?

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Imagem por: dicktay2000

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios