Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Gronelândia – a dureza e a beleza do gelo

Gronelândia – a dureza e a beleza do gelo

Categoria: Viagens
Visitas: 2
Comentários: 1
Gronelândia – a dureza e a beleza do gelo

A Gronelândia é uma região autónoma dinamarquesa que ocupa a ilha com o mesmo nome e situa-se na costa noroeste da América do Norte. Trata-se da maior ilha do mundo, possuindo mais de 44 mil quilómetros de linha de costa. Não tem grande densidade populacional, sendo que as poucas pessoas se dividem em pequenos povoados junto à costa. A vegetação é habitualmente dispersa, havendo uma escassa área de floresta no município de Nanortalik, no extremo sul, perto do Cabo Farewell.

O clima tem características árcticas e sub-árcticas, com Verões frescos e Invernos extremamente frios. A costa é composta, na sua maioria, por rochas e falésias, sendo o ponto de menor altitude o nível do mar e o mais alto o Gunnbjørn, com 3700 metros. O interior da ilha encontra-se coberto por adensas camadas de gelo, que em certos sítios podem chegar a dois ou três mil metros de espessura, o que torna a fixação humana naturalmente impraticável. As horas de sol no decurso do Inverno são bastante parcas e os habitantes construíram casas com cores fortes e alegres para contrabalançar com o tempo sempre cinzento e carregado.
Com estas circunstâncias climáticas, a agricultura torna-se muito difícil, pelo que a criação de gado se afigura como uma boa opção. Assim sendo, as ovelhas são, juntamente com a pesca, um elemento importante da actividade económica da Gronelândia.

O Sul desta ilha oferece, ainda assim, a quem se digne visitá-la, a beleza dos glaciares, o impacto de um mar a abarrotar de icebergs, uma zona onde se podem realizar os melhores trekkings (que permitem o contacto permanente com a Natureza numa lenta e saborosa descoberta da montanha), e a expedição ao enigmático e grandioso glaciar Inlandis. O fiorde Tasermiut e as montanhas Ketil e Ulamertorssuaq, com paredes de granito, estão também contados entre as dez maravilhas do Árctico. Paralelamente, esta é uma região ideal para banhos de águas termais e navegação exploratória pelos fiordes e icebergs no sentido de descobrir a fauna polar (águias, renas, lebres, focas árcticas, bois almiscarados, baleias e focas), as auroras boreais e a pesca. O Sul da Gronelândia foi até hoje a casa dos índios Inuit e exala ainda a luta do Homem pela adaptação a um meio ambiente adverso, através de formas de vida tradicionais.

Outros pontos de interesse dizem respeito a visitas a ruínas esquimós e vikings (Brathalid e Gardar) e a cidades do Sul (Igaliko e Qassiarsuk), a caminhadas sobre um glaciar numa das massas geladas mais antigas do planeta, à degustação da dieta esquimó (carne de foca, baleia e rena), ao acampamento numa frente glaciar de dez quilómetros e paredes de gelo com 40 cm de altura, à convivência com os Inuit nas povoações mais pitorescas (Tasiusaq, Igaliko, Qassiarsuk), à pesca de salmão e bacalhau árctico, à apanha de mexilhões e cogumelos, enfim, a uma série de coisas que não se fazem todos os dias.

Abafe-se bem e venha daí!


Maria Bijóias

Título: Gronelândia – a dureza e a beleza do gelo

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

663 

Imagem por: jurvetson

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    14-06-2014 às 05:42:54

    Noossa, deve ser muito frioooo...A Gronelândia era desconhecida para mim, obrigada pelo ótimo texto!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Gronelândia – a dureza e a beleza do gelo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: jurvetson

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios