Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Póvoa de Varzim – o orgulho de um povo

Póvoa de Varzim – o orgulho de um povo

Categoria: Viagens
Visitas: 4
Comentários: 1
Póvoa de Varzim – o orgulho de um povo

A Póvoa de Varzim é uma cidade com raízes no mar. Efectivamente, é dele que deriva a estrutura da Póvoa e foi ele o impulsionador do crescimento e da evolução desta cidade capaz de conquistar pelos extensos areais e pela grande riqueza cultural.

O denominado «Quarteirão dos Pescadores», que engloba os bairros da Assunção e da Lapa, apresenta casas pequenas e estreitas, com quintais compridos que serviam para guardar os utensílios da pesca, permite apreciar determinados aspectos que caracterizavam as comunidades piscatórias que desde o século xviii se fixavam na Póvoa.

O Largo António Nobre, que ostenta um busto do escritor que confessava a sua admiração pelo pescador poveiro, serve de palco a actividades de lazer de muitos homens da terra. Ali nas imediações encontra-se a Igreja da Lapa, mandada construir em 1772 pela comunidade piscatória, com o intuito da veneração da sua padroeira, Nossa Senhora da Assunção. Na fachada posterior da igreja está um painel invocativo da tragédia de 27 de Fevereiro de 1892, que deixou marcas nos pescadores poveiros.

Atravessando a rua em direcção ao mar, é possível contemplar a modernidade da marina e o porto de pesca. Prosseguindo pela marginal, desemboca-se junto do imponente e belo Monumento à Peixeira, inaugurado em 1997. O retrato de um grupo de mulheres em plena actividade pretende render homenagem à mulher poveira, que desde tempos imemoráveis desempenha um papel fundamental na comunidade. O poema, transcrito da obra de Raul Brandão «Os Pescadores», que o monumento exibe traduz um justo tributo à classe feminina: «Eternas sacrificadas / Tiram-no à boca para / Aparelhar os cestos dos / Homens vendem carregam / As redes lavam sem / Um fio enxuto no corpo / Metem os ombros aos barcos / Para os deitar ao mar / Acabada a pesca todo o / Trabalho cabe à mulher / Que fabrica a graxa que / Trata dos filhos que faz / Redes as lava e as / Conserta e que vai vender / Por esses caminhos fora.»

No lado oposto encontra-se a Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição, imóvel de interesse público, cujo objectivo era a defesa dos ataques de pirataria. Mais à frente, o grandioso Casino da Póvoa, fundado em 1934.

Um pouco mais fora da orla marítima, estão as igrejas da Misericórdia e de Nossa Senhora das Dores e, não muito longe desta, a Igreja Matriz, que é o templo mais antigo e significativo da Póvoa de Varzim, inaugurado em 1757 mas possuindo elementos recentes da autoria do artista poveiro António Castro.

Na parte mais urbana, destacam-se para uma visita o edifício dos Paços do Concelho e o monumento a Eça de Queiroz, um dos poveiros mais célebres. Venha descobrir outros!


Maria Bijóias

Título: Póvoa de Varzim – o orgulho de um povo

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 4

788 

Imagem por: Jsome1

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    13-06-2014 às 18:29:03

    Adorei a explanação do Póvoa de Varzim.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Póvoa de Varzim – o orgulho de um povo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os primeiros brinquedos

Ler próximo texto...

Tema: Brinquedos
Os primeiros brinquedos\"Rua
O brinquedo é mais do que um objecto para a criança se divertir e distrair, é também uma forma de conhecer o mundo que tem ao seu redor e para dar asas à sua imaginação. Desta forma, os brinquedos sempre estiveram presentes na sociedade.

Os primeiros brinquedos datam de 6500 anos atrás, no Japão, em que as crianças brincavam com bolas de fibra de bambu. Entretanto há 3000 anos surgiram os piões feitos de argila e decorados, na Babilónia.

No século XIII apareceram os soldadinhos de chumbo, porém só eram acessíveis às famílias nobres. Cinco séculos mais tarde, apareceram as caixas de música, criadas por relojoeiros suíços.

As bonecas são muito antigas, surgiram enquanto figuras adoradas como deusas, há 40 mil anos, mas a primeira fábrica abriu apenas em 1413 na Alemanha. Barbie, a boneca mais famosa do mundo, foi criada em 1959, mas ainda hoje é das mais apetecíveis pelas crianças.

O grande boom dos brinquedos aconteceu quando se descobriu o plástico para o fabrico. Mesmo assim, muitas famílias não podiam comprar brinquedos aos filhos, como tal, estes utilizavam diversos tipos de materiais e construíam os seus próprios brinquedos.

Actualmente, as crianças têm acesso a uma enorme variedade de brinquedos, desde bonecas, a carros telecomandados, a videojogos… Educativos ou apenas lúdicos, há de tudo e para todos os gostos e preços.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Os primeiros brinquedos

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: Jsome1

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • umdolitoys 23-01-2013 às 05:46:38

    Adorei a reportagem! e tenho algo para vocês verem!!

    Espero que gostem!!!

    ¬ Responder
  • sofia 22-07-2012 às 21:56:29

    Achei muito interecante e muito legal saber que ano foi fabricadoas bonecas

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios