Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Ataque cardíaco, como sobreviver

Ataque cardíaco, como sobreviver

Categoria: Saúde
Ataque cardíaco, como sobreviver

A chave para sobreviver a um ataque cardíaco é reconhecer que pode estar a ter um e, em seguida, obter ajuda médica o mais rapidamente possível.

Um ataque cardíaco agudo (também chamado de enfarte do miocárdio), é causado pela obstrução súbita de uma artéria coronária, que faz com que pelo menos alguma parte do músculo cardíaco fornecido por esta artéria morra. Muitas das consequências de curto e longo prazo de um enfarte são determinadas pela quantidade de músculo cardíaco danificado, uma vez que a artéria fica bloqueada. Por isso, é fundamental receber cuidados médicos imediatamente para que o dano seja o menor possível.

O que isto significa, obviamente, é que se está a ter um ataque cardíaco, tentar resolvê-lo em casa esperando que os sintomas vão passar, como acontece com uma indigestão ou tensão muscular, pode levar a um atraso que pode causar danos irreparáveis e consequências permanentes para a sua saúde. A mais grave e irremediável é a morte.

Qualquer pessoa que seja paciente de doença arterial coronariana, ou que, em virtude dos seus fatores de risco cardíacos possa ter uma doença deste tipo, deve saber quais os sintomas a que deve estar atenta.




O sintoma clássico de um enfarte do miocárdio é uma pressão intensa, às vezes em forma de aperto ou dor aguda ao redor do peito, muitas vezes com irradiação para a mandíbula ou braço esquerdo e, por vezes acompanhada de sudorese profusa, ou uma sensação quase esmagadora de medo ou de incapacidade total.

Infelizmente, embora estes sejam os sintomas mais frequentes, nem sempre um ataque cardíaco se manifesta desta forma. Às vezes, o desconforto pode ser relativamente leve e pode ser sentido nas costas, na região abdominal, ombros e braços, num só ou em ambos. A súbita e inexplicável falta de ar, náuseas e vómitos, ou apenas uma sensação de azia, podem ser os únicos sintomas. Estes sintomas atípicos podem 'camuflar' um problema cardíaco e podem fazer com que não seja procurada ajuda médica imediata. As mulheres parecem sentir mais vezes os sintomas mais atípicos do que os homens.

É por isso que qualquer pessoa com um ou mais fatores de risco de doença cardíaca precisa prestar muita atenção a quaisquer sintomas súbitos, incomuns ou inexplicáveis, envolvendo a metade superior do corpo. Este aviso aplica-se, por exemplo, a qualquer pessoa de meia-idade ou mais, que esteja acima do seu peso ideal, que tenha hábitos relativamente sedentários, seja fumador ou que tenha diabetes, colesterol alto, pressão arterial alta, ou um histórico familiar de pacientes com doença cardíaca. Para essas pessoas (e há muitos de nós que reúnem estas características), quaisquer sintomas inexplicáveis que ainda posam ser devidos a um problema cardíaco devem ser abordados de forma responsável e séria, mantendo a calma e recorrendo a um serviço médico.

Para ter a certeza de que obtem uma resposta correta do pessoal médico, a informação a dar-lhes tem que ser clara e objetiva, recorrendo a uma simples frase: "Eu acho que estou a ter um ataque cardíaco."

Depois disto, aguarde serenamente pela intervenção experiente e cuidadosa do pessoal médico e procure saber o que está a ocorrer a cada passo. A informação médica mantê-lo-á consciente de tudo aquilo que o seu corpo precisa e também ajudá-lo-á a interpretar melhor todos os procedimentos.


Ruben Duarte

Título: Ataque cardíaco, como sobreviver

Autor: Ruben Duarte (todos os textos)

Visitas: 0

672 

Comentários - Ataque cardíaco, como sobreviver

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como cuidar de Plantas de interior

Ler próximo texto...

Tema: Bricolage Jardim
Como cuidar de Plantas de interior\"Rua
Cada planta tem um comportamento diferente, vou colocar aqui alguns cuidados que servem para a maioria delas.

LUZ:

Os principais erros no cultivo de plantas de interior é a falta de luz.
Se elas estiverem em locais onde não há luz suficiente, isso pode ser corrigido com a instalação de luz artificial, existe no mercado lâmpada que imitam a luz natural.


TEMPERATURA:

Mudanças bruscas de temperatura retardam e até paralisa o crescimento da planta, bem como causa a queda de folhas.


UMIDADE:

A maioria das plantas necessita de uma umidade atmosférica adequada.
Normalmente notamos que a planta não está com a umidade correta quando acontece ficarem amarelas e a queda de folhas.


IRRIGAÇÃO:

Conselhos básicos:
Uma planta em fase de crescimento vai precisar de mais água que uma que está em fase de dormência, ou já atingiu o seu tamanho adulto.
Durante a floração a planta precisa de mais água que em sua fase de crescimento
Em ambientes internos mais quentes é evidente que a planta vai precisar de mais águas que em ambientes mais frios.
Para saber qual é o momento exato de molhar, enfie o dedo no substrato, se sentir ele seco, chegou a hora

FERTILIZANTE:

Para que a planta tenha um desenvolvimento harmonioso convém usar periodicamente de fertilizantes que podem ser líquido ou sólidos.
No mercado existe a venda fertilizante com fórmulas específicas para cada planta.
Após a utilização do fertilizante regue a planta.

LIMPEZA:

Faça regularmente a limpeza de folhas secas e caule, pois elas são bastante positivas não só esteticamente como para a saúde das plantas.
Se estiver acumulada muita poeira sobre as folhas, espane, e depois passe um pano húmido
Atenção: Existe algumas espécies, que tem as folhas aveludadas, tipo a Violeta Africana, Begônia Rex, etc. que não deve ser colocada água é só usar uma escovinha bem macia.

TROCA DE VASO:

De uma maneira geral após 1 ou 2 anos as plantas de interior devem ser colocadas em vasos de tamanho maior.
Isso deve ser feito porque as raízes passam a ocupar um grande espaço e também porque o substrato vai perdendo sua composição inicial.
A época mais adequada varia de planta para planta, algumas devem ser feitas na primavera e outras quando estão na fase de repouso.
Aproveite para obterem mudas, separando brotos e dividindo touceiras.

Pesquisar mais textos:

Miguel Pereira

Título:Como cuidar de Plantas de interior

Autor:Miguel Pereira(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Briana AlvesBriana

    13-10-2014 às 04:09:31

    Muito bom! É tão gratificante cuidar de plantas. A gente vê o quanto elas florescem quando são bem-cuidadas. Amei as dicas!

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    18-04-2014 às 22:36:55

    Fantástico seu texto, a Rua Direita agradece!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios