Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > O início da modernidade: o ponto de partida

O início da modernidade: o ponto de partida

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 4
Comentários: 42
O início da modernidade: o ponto de partida

O grupo impressionista nasceu a 15 de abril de 1874, na exposição de vários quadros de artistas impressionistas no estúdio do fotógrafo Nadar. Foram expostos quadros de pintores como Auguste Renoir, Camille Pissarro, Alfred Sisley, Berthe Morisot, Paul Cézanne, Edgar Degas, Eugène Boudin, Félix Bracquemond e Claude Monet. Foi o quadro deste último que deu o nome ao grupo. O crítico Louis Leroy escreveu um artigo no jornal Le Charivari, onde fez alusão ao exibicionismo dos impressionistas. Para ele, o impressionismo era uma arte fácil, tomada pela liberdade. Os quadros pareciam inacabados. O quadro Impressão: Nascer do Sol, atualmente no Museu Marmottan, em Paris, apresenta o porto de Havre no amanhecer, onde o Sol e a nebulosidade se confrontam. A luz laranja do Sol refletida nas ondas do mar envolve a barca no meio da composição, em primeiro plano, dando à obra equilíbrio e dinamismo. O tom laranja domina a obra, tanto no céu como no mar, assim como o azul-cobalto e o branco. Alguns barcos atravessam o mar e as suas figuras vão ganhando definição com o afastamento do porto. O espaço é-nos dado através destes barcos, que vão ficando cada vez mais esbatidos conforme a sua distância vai aumentando. Estas figuras parecem ser o resultado de poucas pinceladas livres e não há lugar a pormenores. Por detrás da nebulosidade, surge o porto de Havre, também definido por poucas pinceladas, entre o azul e o verde. As máquinas do porto rasgam o céu e só não se confundem com ele, porque o céu tem reflexos laranjas. Encontramos uma paleta de cores muito reduzida, lembrando-nos de Joseph Mallord William Turner, um pintor londrino, que privilegiou a pintura da natureza revoltada usando cores muito limitadas. Eliminou também ele o desenho definido, com pormenores, o traço e adquiriu o jogo da cores com a luz. Claude Monet teve conhecimento de William Turner quando emigrou para Londres, na sequência da guerra franco-prussiana. Nesta viagem, interessou-se também pela obra de John Constable, que jogava com a luz usando as nuvens. Podemos afirmar que Claude Monet foi fortemente influenciado por estas figuras do Romantismo, que estão na origem do Impressionismo. Embora o quadro tenha ficado marcado como o quadro que esclarece o objetivo do Impressionismo, este ficou aquém daquilo que o pintor francês já tinha feito, nomeadamente em Argenteuil, como a Regata em Argenteuil e A Ponte em Argenteuil.

Daniela Vicente

Título: O início da modernidade: o ponto de partida

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 4

657 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 42 )    recentes

  • SophiaSophia

    22-04-2014 às 15:53:08

    Muito bom o texto!

    ¬ Responder
  • Hélder FinoHélder Fino

    02-11-2012 às 23:14:33

    excelente

    ¬ Responder
  • Fernando FerreiraFernando Ferreira

    02-11-2012 às 23:08:01

    o seu gosto pela arte é demasiado translúcido neste texto lindo. Parabéns.

    ¬ Responder
  • Elsa FonsecaElsa Fonseca

    02-11-2012 às 23:05:43

    obrigado pela sua exposição

    ¬ Responder
  • Dário PatricioDário Patricio

    02-11-2012 às 23:03:28

    parabéns pelo seu texto FANTÁSTICOOOO

    ¬ Responder
  • Andreia NevesAndreia Neves

    02-11-2012 às 23:01:39

    um texto simplesmente agradável

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    02-11-2012 às 20:22:41

    continuem a votar people

    ¬ Responder
  • Cristina AraújoCristina Araújo

    02-11-2012 às 19:14:23

    Já votei em si Daniela
    Espero que ganhe, pois adoro como escreve

    ¬ Responder
  • Rui Jorge AmorimRui Jorge Amorim

    02-11-2012 às 19:08:08

    Boa sorte Daniela
    Gostava que fosse a vencedora deste concurso, pois já li vários dos seus textos e escreve de uma forma magnifica

    ¬ Responder
  • Jerónimo AdeusJerónimo Adeus

    02-11-2012 às 19:04:25

    Parabéns pelo magnifico texto

    ¬ Responder
  • Fernando CorreiaFernando Correia

    02-11-2012 às 19:01:36

    Onde é que aprendeu tanto sobre arte Daniela?

    ¬ Responder
  • Nélio OliveiraNélio Oliveira

    02-11-2012 às 18:59:48

    Parabéns pela sua escrita.
    Boa sorte para o concurso!

    ¬ Responder
  • António FerrazAntónio Ferraz

    02-11-2012 às 18:57:57

    Sem dúvida que escreve muito bem. Tenho aprendido muito com os seus textos

    ¬ Responder
  • Alexandre BenficaAlexandre Benfica

    02-11-2012 às 18:55:43

    Olá Daniela!
    Continue com o excelente trabalho e continue com o mesmo rigor!

    ¬ Responder
  • Rui FonsecaRui Fonseca

    01-11-2012 às 23:03:14

    bom texto Daniela. gostei imenso!

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    02-11-2012 às 20:21:02

    obrigada Sr Rui

    ¬ Responder
  • Fernando CorreiaFernando Correia

    01-11-2012 às 23:01:52

    Adorei

    ¬ Responder
  • Nélio OliveiraNélio Oliveira

    01-11-2012 às 23:00:50

    parabéns pelo seu texto

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    02-11-2012 às 20:21:26

    obrigada Sr Nélio

    ¬ Responder
  • Manuel SemedoManuel Semedo

    01-11-2012 às 12:37:32

    o texto é espectacular e de um rigor cientifico sem explicação

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    02-11-2012 às 20:21:53

    que comentário tão interessante

    ¬ Responder
  • Nuno MousinhoNuno Mousinho

    01-11-2012 às 12:35:22

    adorei o seu texto... muito bom.

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    02-11-2012 às 22:41:26

    obrigada Sr Nuno. continue a votar para alcançar a vitória.

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    02-11-2012 às 20:22:14

    obrigada Nuno

    ¬ Responder
  • Cátia LourençoCátia Lourenço

    01-11-2012 às 12:34:12

    desejo-lhe muita sorte para amanhã à noite

    ¬ Responder
  • Fábio NobregaFábio Nobrega

    01-11-2012 às 12:32:58

    desta vez demorou mais tempo a competição, mas continuei a votar em si, porque acho que merece. é uma óptima escritora.

    ¬ Responder
  • Alexandre BenficaAlexandre Benfica

    01-11-2012 às 12:31:30

    já votei Daniela e espero que ganhe

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    02-11-2012 às 22:38:48

    eu também adorava ganhar.. all see!

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    01-11-2012 às 12:30:15

    podem continuar a votar, pois já falta muito pouquinho

    ¬ Responder
  • Jerónimo AdeusJerónimo Adeus

    11-10-2012 às 20:32:04

    bom texto

    ¬ Responder
  • Fernando CorreiaFernando Correia

    11-10-2012 às 20:31:11

    já votei

    ¬ Responder
  • António FerrazAntónio Ferraz

    11-10-2012 às 20:29:29

    espero que ganhe novamente Daniela

    ¬ Responder
  • Jerónimo AdeusJerónimo Adeus

    10-10-2012 às 17:21:01

    parabéns pelo seu texto

    ¬ Responder
  • Rui TavaresRui Tavares

    08-10-2012 às 21:49:40

    um texto bastante assertivo

    ¬ Responder
  • Liliana MacedoLiliana Macedo

    08-10-2012 às 21:44:38

    bom tema

    ¬ Responder
  • Maria VasconcelosMaria Vasconcelos

    08-10-2012 às 21:42:33

    gosto mais deste texto do que o outro

    ¬ Responder
  • Cátia LourençoCátia Lourenço

    08-10-2012 às 21:40:20

    está muito interessante o texto

    ¬ Responder
  • Fábio NobregaFábio Nobrega

    08-10-2012 às 21:39:13

    já votei

    ¬ Responder
  • Maria GuerraMaria Guerra

    06-10-2012 às 19:48:21

    gostei do seu texto e confesso que gosto mais deste, pois não tem aquele erro horrível no início. parabéns.

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    02-11-2012 às 22:42:40

    é verdade Sra Maria Guerra, também gosto mais deste.obrigada pelo seu comentário.

    ¬ Responder
  • António FerrazAntónio Ferraz

    06-10-2012 às 19:43:53

    vejo que ganhou o outro concurso, Parabéns.

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    06-10-2012 às 00:08:18

    podem começar a votar

    ¬ Responder

Comentários - O início da modernidade: o ponto de partida

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Máquinas de Etiquetar

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Máquinas
Máquinas de Etiquetar\"Rua
Muitos são os materiais indispensáveis ao funcionamento de uma empresa. Alguns de uso corrente, outros nem por isso e enquanto alguns são dispensáveis, outros há que fazem parte do trabalho, como se do ar empresarial se tratasse.

Canetas e blocos, computadores e faxes, secretarias e cadeiras, enfim, um sem número de coisas de que nos lembramos que fazem parte do dia-a-dia das empresas. Existem depois, alguns utensílios que são impensáveis para um ramo, mas que para outros são imprescindíveis. Caso disso são as máquinas de etiquetar.

As máquinas de etiquetar podem, ao contrário do que possa julgar à partida ter uma funcionalidade dentro de um escritório, ter uma utilidade única.

Quando um ramo empresarial obriga a registos em pastas em número substancial, ou até mesmo para identificar documentos, a máquina de etiquetar torna a função muito mais fácil, rápida e eficaz.

Dependo do ramo, as máquinas de etiquetar podem ser diferentes.

Existem máquinas, cuja única função é fazer salientar datas, e aqui os números podem ser alterados à mão e de forma simples, bastando para isso rodar os dígitos uma vez por dia.

Embora à partida julguemos que as máquinas de etiquetar são básicas, a realidade é que podem ser muito complexas. Se anteriormente foi dado um exemplo de máquinas simples e manuais, posso apresentar-lhe um exemplo de uma máquina bastante sofisticada.

Imagine que uma empresa tem de registar milhares de impressos por dia e que todos os impressos têm obrigatoriamente de ter um número sequencial. Aqui, uma máquina electrónica que se encarrega de entregar a cada etiqueta um número único e seguido, consegue transformar uma tarefa complicada e muito exaustiva, numa atitude perfeitamente normal e do quotidiano no trabalho.

As máquinas dependem, sendo electrónicas de um rolo de etiquetas que é impresso e que sai pronto a colar no local necessário.

Os rolos são comprados à parte e podem conter até 1000 etiquetas. Naturalmente que saindo impressas de forma automática, estas maquinas requerem um pequeno deposito de tinta que pode ser em formato de dispositivo (tipo tinteiro) ou através de recarga de tinta.

Apesar do valor de uma maquina de etiquetar ser mais cara e do seu uso ser também mais dispendioso, certo é que nada como um bom utensílio de trabalho que poupe dores de cabeça aos colaboradores.

Há venda em grandes superfícies comerciais especializadas em materiais de escritório, estas máquinas requerem atenção na altura da compra, pelo que o melhor é fazer um pequeno estudo antes da compra e pedir ajuda na própria loja.

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:Máquinas de Etiquetar

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios