Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > História da Arte – Da Renascença ao Realismo

História da Arte – Da Renascença ao Realismo

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 16
Comentários: 3
História da Arte – Da Renascença ao Realismo

Renascença / Alta Renascença

A idade de Michelangelo (Buonarroti) e Leonardo da Vinci começou na Itália e espalhou-se por toda a Europa de 1300 a 1600. Renascença, que literalmente significa renascimento ou renovação, é a personificação do ressurgimento do interesse do homem no saber clássico, no mundo em torno dele próprio e no seu poder como indivíduo. Diz-se que o renascimento foi “alimentado” pelo crescimento económico, a abertura a outras culturas e o status quo político.

As inovações na pintura incluem a descrição da paisagem, a introdução de perspectivas lineares e aéreas e composições detalhadas. Apesar de Michelangelo e Da Vinci serem os dois pintores mais frequentemente referenciados nas discussões sobre o período, foi Masaccio (através das suas obras) quem “plantou as primeiras sementes”. Além disso, os nomes de da Vinci e Michelangelo chegaram à fama após a segunda onda de mestres do Renascimento, que incluiu Antonio del Pollaiuolo e Andrea del Verrocchio. Esse período é conhecido como Alta Renascença.

Maneirismo

O Maneirismo é na realidade um estilo renascentista da pintura e da arquitetura. Tornou-se popular entre 1520-1580 e, teve igualmente origem em Itália. Os seus principais proponentes eram artistas florentinos como Rosso e Jacopo da Pontormo, e mais tarde, o pintor espanhol El Greco. O movimento foi sintetizado pelo alongamento das figuras e/ou objetos, a distorção dos elementos artísticos como proporção e espaço, o drama emocional e o desequilíbrio global. Essa artificialidade é considerada uma sofisticação intelectual em oposição à abordagem naturalista do seu antecessor e à qualidade harmoniosa global.
O maneirismo é um termo baseado na palavra em italiano de forma ou estilo - maneria. Os mestres maneiristas dizem ter sido fortemente influenciados pela arte de Michelangelo para os Médici e capela Sistina.

Barroco

O grande realismo tornou-se novamente popular com o advento do movimento barroco. De 1550 a 1750, os artistas barrocos exibiram o fascínio pela forma visual e o contraste dramático entre claro e escuro ou claro-escuro. Eles também adicionaram elementos que apresentaram dinamismo, movimento e energia, especialmente ao retratarem temas populares como martírios e cenas de êxtase. Rejeitando os ideais maneiristas, os artistas deste movimento retomaram as obsessões da Renascença pela unidade e equilíbrio - mas desta vez, com uma emoção mais intensa e com maior realismo.

Rococó

Entrando na vanguarda do mundo da arte de 1715 a 1780, a preocupação do movimento Rococó com a ornamentação frívola e a leveza delicada é amplamente associada com o reinado de Louis XV, em França, o local de nascimento do movimento. Este estilo decorre das artes decorativas e do design de interiores normalmente exibido em igrejas. As pinturas dos mestres Rococó exibem ornamentação, através do uso de cores delicadas e padrões curvos. Eles conseguiram estes efeitos decorando as suas telas com figuras míticas e/ou criaturas celestes. Infelizmente, o movimento desapareceu total e abruptamente depois de 1789, ano do fim da Revolução Francesa.

Neoclassicismo

Fortemente influenciado pelas antiguidades gregas e romanas, particularmente por vasos gregos recém-escavados que mostravam figuras planas e recortadas, os pintores do movimento neoclássico puseram de lado a ornamentação excessiva e a frivolidade do Rococó típico, e em vez disso, pintaram quadros com composições simples como figuras em estado de calma e poses estáticas. Isto aconteceu principalmente devido à sua busca pelo solene, e às vezes pela moralização, o tom, a lógica de composição e a clareza.

O movimento espalhou-se pela Europa e pela América do Norte com o francês Jacques-Louis David e Benjamin American West “conduzindo a carga”. Este período iniciou-se em 1750 tendo terminado por volta de 1880.

Romantismo

Com o início das guerras napoleónicas, os pintores românticos começaram a encontrar a sua musa nos assuntos do mundo que os rodeia. De 1800 a 1880, o movimento romântico virou costas ao estilo “formal” dos seus antecessores mais imediatos e os mestres passaram a pintar acontecimentos contemporâneos com mais cor e mais drama. O drama foi evocado através do uso de cores complementares que induziam vivacidade e mais vida. Esta justaposição foi reforçada por muito tempo através de pinceladas longas e poderosas. Além disso, os temas também mudaram do heroico para cenas de sofrimento e, às vezes até mesmo de violência.

Realismo

O Realismo foi abraçado pelos pintores cujo objetivo foi o de descrever o que era "feio", em oposição à natureza altamente subjeciva do romantismo e do “focus” dos românticos no que era "bonito". Além disso, o realismo tende a ser definido como uma resposta às questões sociais, acumulando assim outro nome - o realismo social. Embora tecnicamente o realismo não seja definido por técnicas inovadoras, a maioria das pinturas mais realistas poderia ser descrita como simples e contida. Este movimento começou em 1830 e terminou por volta de 1850.


Carlos Vieira

Título: História da Arte – Da Renascença ao Realismo

Autor: Carlos Vieira (todos os textos)

Visitas: 16

769 

Imagem por: tore_urnes

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãofmc

    09-11-2012 às 18:25:41

    muito obrigado

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    17-09-2012 às 21:13:21

    o Maneirismo é quase como um movimento de transicção do Renascimento para o Barroco. este último é um moimento fantástico, onde se destaca o reinado de D. João V (Convento de Mafra e Biblioteca Joanina). o Romantismo, embora tenha um ar pesado e triste do ponto de vista dos românticas, deixou obras magnificas, como o palácio da Pena em Sintra. parabéns pelo seu texto. breves definições muito bem explicadas. uma escrita muito interessante e apelativa.

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    17-09-2012 às 21:02:43

    o Renascimento foi proporcionado por uma nova mentalidade virada para o lucro.é uma arte muito estimada do gosto de muitos. muita gente não gosta de arte contemporânea, muito vanguardista, que por vezes não faz sentido.a arte que retrata elementos tanto católicos como profanos agrada a gregos e a troianos. o Renascimentos faz parte dos gostos do público. nomes como Ghiberti (as portas do baptistério) e Brunelleschi (hospital dos inocentes) faz parte do imaginário de todos.

    ¬ Responder

Comentários - História da Arte – Da Renascença ao Realismo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: tore_urnes

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios