Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Frida Kahlo: Arte e Sofrimento

Frida Kahlo: Arte e Sofrimento

Categoria: Arte
Visitas: 60
Comentários: 12
Frida Kahlo: Arte e Sofrimento

"Eu pinto-me porque estou muitas vezes sozinha e porque sou o tema que conheço melhor".

Esta frase era a frase utilizada por Frida Kahlo para justificar os inúmeros auto-retratos que pintou ao longo da vida.

Frida é considerada uma das mais grandiosas pintoras mexicanas. Ela pintava para si mesma, numa tentativa de minorar a sua dor.

Frida teve uma vida marcadas por tragédias que acabaram por traçar o seu caminho e influenciar o modo como via o mundo e tudo aquilo o que a rodeava.

Aos 6 anos, contraiu poliomielite, que lhe trouxe sequelas que a haviam de acompanhar pela vida fora, tendo ficado coxa devido a problemas na perna direita e no pé esquerdo.

Aos 18 anos, na altura em que estudava medicina, sofreu um acidente que iria transformar para sempre a sua vida e a sua maneira de ser: o autocarro onde seguia bateu num eléctrico e Frida sofreu graves ferimentos na coluna, costas, pélvis, ombros e pés. Esteve hospitalizada muitos meses e foi nessa altura que começou a pintar, para se distrair e para minimizar a tristeza que sentia. Efectivamente, conseguiu recuperar do grava acidente, mas ao longo da vida teve recaídas constantes e fez inúmeras intervenções cirúrgicas e viveu para sempre cheia de dores.

Saída do hospital, e posto de lado o sonho de vir a tornar-se médica, decidiu dedicar-se por inteiro à pintura.

Foi por essa altura que se começou a relacionar com artistas e intelectuais, tendo conhecido Diego Rivera, um famoso pintor muralista, por quem se tomou de amores, e com quem viria a casar, aos 21 anos.

Diego Rivera instiga-a mesmo a pintar os acontecimentos que ela considere serem os mais importantes na sua existência – começa então a pintar as suas angústias e vivências, a intensidade dos seus sentimentos, os medos, raivas, sonhos e o amor por Diego. Os seus quadros representam assim a sua experiência pessoal, pois pintava as coisas tal como as via e como as sentia.

O seu estilo era inspirado na arte popular mexicana. Eram pinturas ingénuas, auto-retratos e factos da vida, repletos de cores fortes. Nos seus auto-retratos, pintava-se contrastando a sua figura com vastas paisagens vazias, ou em quartos frios, que representavam a solidão que sentia.

Foi também ideia de Diego Frida começar a usar roupas tradicionais mexicanas, de modo a criar um visual próprio. Assim, passou a usar vestidos e saias compridas de cores garridas. Esta indumentária aliada às suas unidas e espessas sobrancelhas, eram a sua imagem de marca.

A impossibilidade de ser mãe, devido ao grave acidente que sofreu, foi o seu maior desgosto. A gravidez e o aborto foram dos temas mais retratados, em telas cheias de revolta e tristeza.

Com o passar dos anos, a pouca saúde que tinha foi-se deteriorando: colares ortopédicos e cadeiras de rodas passaram a ser seus companheiros constantes. Muitas vezes pintava acamada. Houve mesmo alturas em que entrava em depressão profunda. Porém, jamais deixou de pintar.

Frida viria a falecer em 1954, vítima de uma embolia pulmonar, após ter contraído uma pneumonia. Há pesquisadores, porém, que acreditam que a causa da sua morte não foi esta, mas sim o envenenamento por alguma das amantes do marido. Outros falam da hipótese de suicídio, uma vez que o diário que sempre a acompanhou termina com a frase “Aguardo alegre a saída e espero não voltar jamais”.



Catarina Bandeira

Título: Frida Kahlo: Arte e Sofrimento

Autor: Catarina Bandeira (todos os textos)

Visitas: 60

809 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 12 )    recentes

  • SophiaSophia

    22-04-2014 às 15:59:32

    Que história impactante dessa Frida Kahlo. Como os sofrimentos que passamos mudam o cursor da nossa vida. A Rua Direita agradece seu belíssimo texto.

    ¬ Responder
  • Sofia NunesSofia Nunes

    17-09-2012 às 15:11:26

    Frida Kahlo é especial. Sinto que não a entendo completamente, uma vez que aquilo que, acima de tudo, move as suas obras e está por detrás de cada movimento do pincel é a dor física. Considero que só podemos apreciar verdadeiramente aquilo que entendemos como parte de nós, e nesse sentido Frida não está bem presente em mim. No entanto tive recentemente o prazer de visitar uma exposição bastante completa de fotografias suas e apreciei.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDaniela Vicente

    09-09-2012 às 12:16:19

    Frida Kahlo é mesmo uma artista singular, assim como a sua beleza exterior. A frase com que inicia o texto é muito interessante e dá que pensar, pois quem conhece a sua obra sabe que ele tem muitos auto-retratos. Todos belíssimos. Tal como todos os pintores, ela vivia num sofrimento constante e talvez por isso esta frase tem tanta simbologia. É uma referência a todas as suas vivências. Parabéns pelo seu texto.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãoana maria

    03-06-2011 às 14:11:25

    Eu verifiquei os quadros de Frida, sinto muito por ela, mas acho que a arte não favoreceu muito, ou melhor ela não soube aproveitar todo o benefício da arte. Seus quadros não transmitem o desejo em viver ou melhorar sua vida e sim reclama da vida que tem. Seus trabalhos são oprimidos e acho que ela deseja mostrar sua revolta pelas coisas que aconteceram. Se ela aproveitasse a arte, para atrair coisas boas, tenho certeza que ela estaria bem melhor. sinto muito por ela ter sofrido tanto .
    Mas como ela mesmo declara
    "Pensaram que eu era surrealista, mas nunca fui. Nunca pintei sonhos, só pintei minha própria realidade".

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoBruna Trelha

    20-12-2012 às 10:31:37

    A arte sempre tem que relatar coisas boas? Ela relatava a sua realidade e nem por isso acho que ela não usou bem sua arte.

    ¬ Responder
  • Larissa Rosa

    28-02-2013 às 12:59:29

    Concordo com você Bruna Trelha.Arte não é só para expressar coisas boas.Pode até ser que retrate coisas ruins,mas que você as use para que possa pensar,refletir...É só se por no lugar do outro.Se você fosse Frida retrataria só coisas boas,passando por tudo que ela passou?Se fazendo de feliz sendo que você não é?Ela apenas pinta o que sente,talvez seja um modo de aliviar as mágoas.

    ¬ Responder
  • ANTONIO

    29-03-2014 às 08:46:43

    Absolutamente,Larissa Rosa,expressar-mos,aquilo que verdadeiramente,somos interiormente não me parece que esteja,no "cardápio"de pessoas completamente,livres,de uma liberdade total.

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoPaulo Henrique

    13-08-2010 às 21:28:23

    Gostei muito do texto mas não aborda muito sobre sua recuperação apos os acidentes...
    Se alguem tiver ou souber sobre esse assunto porfavor mim passa tenho curiosidade em saber...
    Obrigado xD...

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoTiago

    29-03-2010 às 01:00:24

    em qual movimento artistico vocês enquadrariam frida kahlo, no realismo ou romantismo?

    ¬ Responder
  • AntonioAntonio

    15-03-2012 às 18:48:56

    Frida não se enquadra em nenhum dos dois. Ela não se enquadra em nenhum movinmento. O mais próximo seria expressionismo.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãogilberto

    06-10-2009 às 00:35:41

    Eu tambem adorei este texto sobre Frida Kahlo , o muito obrigado.

    Para mim a Frida Kahlo nunca morreu!

    ¬ Responder
  • lukinhaslukinhas

    08-04-2009 às 14:19:27

    baah gosteii muito mesmo dos seus trabalhos achei mto interesante o jeitu q você fas artee e é educativo tambem porque arte e cultura também

    ¬ Responder

Comentários - Frida Kahlo: Arte e Sofrimento

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O Mito da Entrevista de Emprego

Ler próximo texto...

Tema: Empresariais
O Mito da Entrevista de Emprego\"Rua
Aguardando há meses pela oportunidade de um novo emprego e após ser aprovado em várias etapas do processo de seleção eis que surge um empecilho: a entrevista de emprego.

Diversas dúvidas passam pela cabeça do candidato como o que vestir, como sentar-se, qual o tom de voz adequado, o que o entrevistador espera como resposta e como impressioná-lo provando ser a pessoa certa para a vaga a ser ocupada.

A verdade é que não há regra que garanta o sucesso em uma entrevista, porém, algumas atitudes e cuidados precisam ser tomados. Abaixo seguem 10 dicas que auxiliarão o candidato enfrentar essa fase do processo de seletivo de forma mais segura, não importando a área ou cargo pretendido.

1. Seja pontual. A pontualidade é uma forma de demonstrar respeito, consideração e compromisso com a empresa, porém, ser pontual não significa ser precipitado, chegando com muito tempo de antecedência. Para isso programe-se: quanto tempo você levará para chegar até o local combinado para a entrevista? E se houver algum tipo de atraso? Programe-se para que os prazos possam ser cumpridos. Se o atraso for inevitável entre em contato com a empresa e explique o motivo para o mesmo solicitando a possibilidade de remarcar o compromisso.

2. Vista-se de maneira condizente ao cargo que irá ocupar. Mesmo parecendo ser uma superficialidade, a forma como o candidato se veste pode influenciar a decisão do entrevistador, portanto, causar uma boa impressão é essencial. Para isso pesquise o perfil da empresa, se possível observe a forma como os funcionários se vestem e use na entrevista algo um pouco mais formal do que usaria todos os dias para ir ao trabalho.

3. Zele por uma boa aparência. Como descrito acima causar uma boa impressão é essencial, dessa forma, a higiene pessoal é indispensável. Vale ressaltar que perfumes e maquiagem exagerados são pontos negativos em uma entrevista.

4. Tenha em mente suas principais realizações profissionais e as evidencie. Quais os principais desafios que essas lhe trouxeram e o que aprendeu em cada uma delas. Se é seu primeiro emprego vale ressaltar suas experiências escolares e acadêmicas como trabalhos em grupos, projetos realizados, programas de estágio e trainee.

5. Tenha atitudes positivas. Um método de entrevista consiste em perguntas aparentemente absurdas que não possuem, necessariamente, respostas prontas. O que ele deseja na verdade é avaliar seu raciocínio lógico, portanto, seja criativo, argumente e crie estratégias para sair dessa saia justa.

6. Seja genuíno e autentico. Mesmo estando sob pressão seja você na entrevista. Não minta nem use máscaras. O recrutador provavelmente perceberá que você não está sendo sincero.

7. Tenha argumentos. “Por que você quer trabalhar aqui?” ou “Quais serão suas contribuições para essa empresa?” são perguntas básicas em uma entrevista de empregos. Portanto, tenha bons argumentos para esses questionamentos.

8. Mostre-se interessado. Faça perguntas plausíveis ao entrevistador.

9. Seja gentil e educado a todo o momento. Muitas empresas costumam analisar o candidato no momento em que esse inicia o processo seletivo.

10. Mostre-se confiante. Se você fará a entrevista de emprego é porque já passou por outras fases do processo seletivo, ou seja, tem muitos pontos a seu favor. Acredite no seu potencial .

Outros textos do autor:
O Mito da Entrevista de Emprego

Pesquisar mais textos:

Mabelly Venson

Título:O Mito da Entrevista de Emprego

Autor:Mabelly Venson(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios