Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Afonso Da Maia - Os Maias

Afonso Da Maia - Os Maias

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 6
Afonso Da Maia - Os Maias

Afonso da Maia, em jovem, era um rapaz irreverente, lia Rosseau, Volney, Helvécio e a “Enciclopédia”; adquiriu assim, o furor revolucionário e bradava à Constituição, mas o seu pai, Caetano da Maia, indignou-se com as escolhas do seu filho e expulsou-o de casa.
Porém, mais tarde, com a ajuda de uma cunhada da sua mulher, regressou a casa pedindo ao seu pai a bênção para ir a Inglaterra. Passa lá uns tempos e volta por ocasião da morte do seu pai. Nessa vinda a Lisboa conhece a sua mulher, Maria Eduarda Runa.

Era extremamente afetuoso com a sua mulher, mais tarde, com o seu filho Pedro.
Devido às suas ideias liberais, Afonso da Maia teve de partir para a Inglaterra, exilando-se, com a sua mulher e o seu filho. Era extremamente feliz no País de Gales, porém deixava-o deprimido o facto de perceber que a sua mulher não se sentia bem lá e o facto da educação do seu filho Pedro ser extremamente religiosa por interseção da mãe, pois Afonso queria que ele estudasse num colégio católico de Inglaterra.

Em adulto Afonso era muito generoso com as pessoas, as crianças adoravam-no, pois este era muito paciente e acariciador para com elas.

É extremamente culto, devido aos seus estudos e pela sua vivência; é dotado de princípios morais que o fazem hesitar e avançar quando é necessário.

Esta personagem era muito afetuosa, primeiramente com a sua mulher e o seu filho e, posteriormente, para com o seu neto – Carlos. Todos os seus amigos adoravam os serões em sua casa.

Afonso da Maia era um homem sensível e possuía um grande gosto pela natureza.

O filho de Caetano da Maia era baixo, “maciço” – sólido, inabalável, importante – ombros quadrados e fortes, em suma, um homem bastante forte.

Afonso possuía uma face larga, com um nariz aquilino – recurvo, como bico de águia – tinha uma pele corada, avermelhada, cabelo branco, “todo cortado à escovinha” – provavelmente um corte daquela época – para completar tinha também barba branca, comprida e larga, que devia-lhe ocupar grande parte do rosto.

Segundo Carlos, fazia lembrar: “um varão esforçado das ideias heroicas”.


Daniela Vicente

Título: Afonso Da Maia - Os Maias

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 6

788 

Comentários - Afonso Da Maia - Os Maias

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios