Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Aprenda a combater o cancro

Aprenda a combater o cancro

Categoria: Saúde
Visitas: 12
Aprenda a combater o cancro

Ao contrário do que muita gente pensa e verbaliza, o cancro não constitui um destino irrefragável, a que os predestinados não podem, de maneira nenhuma, escapar. Esta “doença prolongada”, “coisa ruim”, ou a “moléstia da moda”, como muitos lhe chamam, porque dizer «Tenho um cancro» soa a sentença de morte (!), não encontra causas somente na genética. O que se come, o estilo de vida que se adopta e todos os químicos a que se está sujeito também têm uma boa quota-parte de responsabilidade.

Tem-se a impressão de que, nos últimos anos, a incidência de cancro disparou. Há quem argumente que os meios de diagnóstico estão mais sofisticados e que antigamente muitos morreriam sem que se soubesse do que padeciam. As estatísticas, todavia, revelam-se implacáveis, mesmo no que se refere aos jo
vens. Não se trata de fantasia, nem vale a pena refutar a consistência dos factos, recorrendo a retóricas desempoeiradas mas ocas. A verdade é que nos últimos trinta anos do século passado as doenças do foro oncológico duplicaram, e prevê-se que tripliquem até 2030. Estima-se que em 2010 elas superem as enfermidades cardíacas como a principal causa de morte em todo o mundo.

Esta perspectiva aterradora pode encontrar no aumento da esperança de vida uma razão válida de relativo sossego, mas o certo é que determinados rastreios, como o do cancro da mama, vêem antecipada a idade aconselhada para o seu início por se constatar um crescente número de casos em faixas etárias bastante inferiores ao, até então, habitual.

Os factores ambientais aparecem, cada vez mais, como os verdadeiros culpados do aparecimento de muitos cancros, nomeadamente a alimentação, os agentes psicológicos e as toxinas ambientais, presentes em milhares de químicos com que convivemos desde a industrialização, cujo efeito é cumulativo e pode sobrevir muitos anos depois.

Prevenir é a palavra de ordem. Todavia, apesar da reconhecida importância da precaução, os oncologistas apenas fazem menções vagas, que vão no sentido de evitar o tabaco e o excesso de álcool, alimentar-se de forma saudável e equilibrada e praticar algum tipo de exercício físico regularmente. Devia haver algo do género de um aconselhamento anti-cancro para os doentes oncológicos.

Vendo bem, estudos acerca do valor anti-cancerígeno dos brócolos não serão favoráveis aos plutocratas farmacêuticos…! O que interessará a estes magnatas divulgar que o licopeno contido no tomate foi associado ao prolongamento da vida de doentes com cancro da próstata? Ou que os frutos e vegetais de cores fortes, como a cenoura, estimulam o sistema imunitário? Ou que no chocolate preto estão presentes substâncias que refreiam o crescimento das células cancerosas? Ou que o chá verde, potente antioxidante, é coadjutor na morte destas, e que o tomilho, o alecrim, o manjericão e a hortelã encerram também inúmeros benefícios? Pois é, isto são tudo coisas muito mais baratas… e naturais!



Maria Bijóias

Título: Aprenda a combater o cancro

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 12

742 

Comentários - Aprenda a combater o cancro

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios