Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Vestuário > Como Usar Cintos?

Como Usar Cintos?

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Vestuário
Comentários: 2
Como Usar Cintos?

A moda dos cintos veio para ficar. Finos, largos, com tachas, simples, fivelas grandes e pequenas, com mais do que uma… Enfim, a escolha é grande.
Os cintos deixaram há muito de ser uma forma de prender as calças e vincou a sua posição como acessório. Podem ser de todas as cores e quem julga que nos devemos limitar ao preto e ao castanho, desengane-se. Há que usar e abusar de todas as cores e feitios.
Mas a forma como se usam os cintos não pode ser só pelo gosto que temos. Associar o bom gosto na escolha àquilo que nos fica bem, é nos cintos uma regra tão importante como no uso de qualquer outra roupa.

Antes de mais tenha em atenção que alguns cintos são próprios para cada estação. Por exemplo, um cinto grosso tio vinil só deve ser usado no inverno, enquanto que um cinto branco é próprio para o inverno.
Tenha especial atenção ao seu corpo. Uma má escolha no uso de um cinto podem fazê-la demasiado magra ou demasiado gordinha.
Com saias ou calças de cós alto, um cinto fininho é o ideal e devem ser usados perto da cintura para causar uma imagem elegante.
Quanto aos cintos largos (grossos) devem ser usados na linha da cintura exatamente para definir o corpo e fazê-la parecer mais magra.

Se a sua medida for grandinha, evite os cintos muito apertados na cintura de forma a sobressair uma gordurinha acima e abaixo do vinco do cinto. Mas atenção, quando descaídos vão dar-lhe um look desleixado. Cintos grossos também devem ser evitados a quem está com uns quilinhos a mais.

Para as altas e magras, usem e abusem de cintos com grandes fivelas e até mesmo em calças de ganga, nunca deixe de os utilizar.
Mais uma dica? Se as calças tiverem presilha, o cinto deve ser lá usado, mas se não gostar, pode optar por vestir uma camisa para fora e assim já está autorizada ao uso do cinto fora das calças.

Com elásticos, finos, médios e grossos, em faixa… o mundo dos cintos é muito para além disso – É um universo de escolhas.
Um cinto altera e compõe um look e pode multiplicar o guarda-roupa de uma forma extraordinária. Prenda-os á sua cintura e sinta-se na moda.


Carla Horta

Título: Como Usar Cintos?

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 0

661 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    09-06-2014 às 03:00:59

    Adoro cintos, pois valorizam muito o nosso look. Gosto tanto de cintos finos como largos e o uso deve ser para cada momento e ocasião. Por exemplo, vestidos ficam melhor com cintos finos, já calças jeans ficam ótimos com cintos mais largos.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoCarla Horta

    11-09-2012 às 13:34:46

    Uma das melhores maneiras de usar os cintos, é naquelas manhãs em que nos atrasamos e não sabemos o que vestir. O cinto aqui é essencial. Vista umas calças pretas com uma camisa ou camisolinha preta e use um cinto de uma cor forte, como o vermelho ou o azul turquesa. Ficará bem vestida e o cinto vai ser o seu melhor aliado.

    ¬ Responder

Comentários - Como Usar Cintos?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um caminho para curar o transtorno alimentar

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Saúde
Um caminho para curar o transtorno alimentar\"Rua
De acordo com um relatório divulgado em novembro de 2014 pelo Comitê Permanente sobre o Status da Mulher, entre 600 mil a um milhão de canadenses cumprem os critérios diagnósticos para um transtorno alimentar em um dado momento. Problemas de saúde mental com ramificações físicas graves, anorexia e bulimia são difíceis de tratar.

Os programas públicos de internação frequentemente não admitem pacientes até que estejam em condição de risco de vida, e muitos respondem mal à abordagem em grupo. As clínicas privadas costumam ter listas de espera épicas e custos altos: um quarto custa de US$ 305 a US$ 360 por dia.


Corinne lutou juntamente com seus pais contra a bulimia e anorexia por mais de cinco anos. Duffy e Terry, pais de Corinne, encontraram uma clínica na Virgínia. Hoje, aos 24 anos, ela é saudável e está cursando mestrado em Colorado. Ela e seus pais acreditam que a abordagem holística, o foco individualizado e a estrutura imersiva de seu tratamento foram fundamentais para sua recuperação.

Eles sabem que tinham acesso a recursos exclusivos. "Tivemos sorte", diz Duffy. "Podíamos pagar por tudo." Mas muitos não podem.
A luta desta família levou-os a refletir sobre o problema nos Estados Unidos. Em 2013, eles fundaram a Water Stone Clinic, um centro privado de transtornos alimentares em Toronto. Eles fazem yoga, terapia de arte e participam na preparação de refeições, construindo habilidades na vida real com uma equipe de apoio empática. Os programas funcionam nos dias da semana das 8h às 14h, e até agora, não tem lista de espera. Porém essa abordagem é onerosa: aproximadamente US$ 650 por dia.

A família criou a Fundação Water Stone - uma instituição de caridade que fornece ajuda a pacientes que não podem pagar o tratamento. Os candidatos são avaliados por dois comitês que tomam uma decisão baseada na necessidade clínica e financeira. David Choo Chong foi o primeiro a se beneficiar da fundação. Ele havia tentado muitos programas, mas nenhum foi bem sucedido. A fundação pagou metade do tratamento. Dois anos depois, Choo Chong, feliz e estável diz "Water Stone me ajudou a encontrar quem eu sou".

Pesquisar mais textos:

Roberta Darc

Título:Um caminho para curar o transtorno alimentar

Autor:Roberta Darc(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios