Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > A Doença E A Cura Da Idade Média Aos Nossos Dias

A Doença E A Cura Da Idade Média Aos Nossos Dias

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Saúde
Visitas: 37
A Doença E A Cura Da Idade Média Aos Nossos Dias

Na Idade média, os conhecimentos médicos eram muitos vagos. Por isso a causa da maioria das doenças era desconhecida.

A existência de epidemias era, habitualmente , atribuída a uma manifestação de cólera divina, em virtude dos pecados cometidos pelos homens.

Era comum a prática da flagelação, na qual se batia no corpo com cintos e cordas, uma forma encontrada para expiar os pecados cometidos.

Faziam a limpeza das povoações, a purificação do ar, através da queima de ervas aromáticas, o isolamento dos doentes e a proibição da sua entrada nas povoações. Estes eram considerados elementos, nem sempre eficazes, para se evitar o contágio.

Com efeito, nesta época, a doença resultava da influência de forças malignas, controlada por bruxas e feiticeiros, que só poderiam ser combatidos com a ajuda divina.

Deste modo, a medicina era tão incerta que recorriam a mesinhas naturais e sobrenaturais, que nem sempre eram receitadas por médicos e cirurgiões, mas também pelos padres, os boticários, os barbeiros, os bruxos e um sem número de outros curiosos, chamados curandeiros.

Os remédios prescritos com frequência eram a sangria, muito eficaz em certos dias do mês, quando a lua e os astros encontravam certas posições. Além disso, existia ainda uma variedade de mesinhas, que aplicavam consoante oa maleita apresentada ao médico.

Havia algumas muito conhecidas como o remédio á base de fel de perdiz e andorinha, semente de funcho, cinzas de esterco humano e urina amassada com mel. A fim das dores dos doentes serem vencidas, recomendavam raízes de plantas, esterco de porco e leite de cadela, envolvido numa teia de aranha.

Na verdade, eles achavam que a febre podia ser vencida através de certas orações, consideradas eficazes, e, eram auxiliadas com inalação de gotas de sumo de erva de primavera. Utilizavam pós, xaropes, pílulas, pastilhas de mascar e, inclusive supusitórios, que resolviam muitos problemas.

Os doentes eram tratados em casa e o hospital medieval era mais de acolhimento do que de cura. Além disso era um abrigo, ainda que temporário, para os mais velhos e pobres, que necessitavam de alimento.

A partir do Renascimento houve alguns avanços, em especial a prática de autópsia dos cadáveres, que permitiu um conhecimento mais rigoroso do corpo humano. Assim, os conhecimentos médicos melhoraram, com a descoberta de novos instrumentos, como o microscópio, o termómetro, o estetoscópio, entre outros.

O microscópio permitia identificar bactérias específicas, causadoras da tuberculose, da cólera e outras infeções. Além disso descobriram-se os antibióticos, que permitiam controlar certas doenças.

O raio X foi uma impoertante descoberta, de diagnóstico, assim como a ultrassonografia, a tomografia axial computadorizada e a ressonância magnética.


Teresa Maria Batista Gil

Título: A Doença E A Cura Da Idade Média Aos Nossos Dias

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 37

787 

Comentários - A Doença E A Cura Da Idade Média Aos Nossos Dias

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os primeiros brinquedos

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Brinquedos
Os primeiros brinquedos\"Rua
O brinquedo é mais do que um objecto para a criança se divertir e distrair, é também uma forma de conhecer o mundo que tem ao seu redor e para dar asas à sua imaginação. Desta forma, os brinquedos sempre estiveram presentes na sociedade.

Os primeiros brinquedos datam de 6500 anos atrás, no Japão, em que as crianças brincavam com bolas de fibra de bambu. Entretanto há 3000 anos surgiram os piões feitos de argila e decorados, na Babilónia.

No século XIII apareceram os soldadinhos de chumbo, porém só eram acessíveis às famílias nobres. Cinco séculos mais tarde, apareceram as caixas de música, criadas por relojoeiros suíços.

As bonecas são muito antigas, surgiram enquanto figuras adoradas como deusas, há 40 mil anos, mas a primeira fábrica abriu apenas em 1413 na Alemanha. Barbie, a boneca mais famosa do mundo, foi criada em 1959, mas ainda hoje é das mais apetecíveis pelas crianças.

O grande boom dos brinquedos aconteceu quando se descobriu o plástico para o fabrico. Mesmo assim, muitas famílias não podiam comprar brinquedos aos filhos, como tal, estes utilizavam diversos tipos de materiais e construíam os seus próprios brinquedos.

Actualmente, as crianças têm acesso a uma enorme variedade de brinquedos, desde bonecas, a carros telecomandados, a videojogos… Educativos ou apenas lúdicos, há de tudo e para todos os gostos e preços.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Os primeiros brinquedos

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • umdolitoys 23-01-2013 às 05:46:38

    Adorei a reportagem! e tenho algo para vocês verem!!

    Espero que gostem!!!

    ¬ Responder
  • sofia 22-07-2012 às 21:56:29

    Achei muito interecante e muito legal saber que ano foi fabricadoas bonecas

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios