Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > A Doença E A Cura Da Idade Média Aos Nossos Dias

A Doença E A Cura Da Idade Média Aos Nossos Dias

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Saúde
Visitas: 37
A Doença E A Cura Da Idade Média Aos Nossos Dias

Na Idade média, os conhecimentos médicos eram muitos vagos. Por isso a causa da maioria das doenças era desconhecida.

A existência de epidemias era, habitualmente , atribuída a uma manifestação de cólera divina, em virtude dos pecados cometidos pelos homens.

Era comum a prática da flagelação, na qual se batia no corpo com cintos e cordas, uma forma encontrada para expiar os pecados cometidos.

Faziam a limpeza das povoações, a purificação do ar, através da queima de ervas aromáticas, o isolamento dos doentes e a proibição da sua entrada nas povoações. Estes eram considerados elementos, nem sempre eficazes, para se evitar o contágio.

Com efeito, nesta época, a doença resultava da influência de forças malignas, controlada por bruxas e feiticeiros, que só poderiam ser combatidos com a ajuda divina.

Deste modo, a medicina era tão incerta que recorriam a mesinhas naturais e sobrenaturais, que nem sempre eram receitadas por médicos e cirurgiões, mas também pelos padres, os boticários, os barbeiros, os bruxos e um sem número de outros curiosos, chamados curandeiros.

Os remédios prescritos com frequência eram a sangria, muito eficaz em certos dias do mês, quando a lua e os astros encontravam certas posições. Além disso, existia ainda uma variedade de mesinhas, que aplicavam consoante oa maleita apresentada ao médico.

Havia algumas muito conhecidas como o remédio á base de fel de perdiz e andorinha, semente de funcho, cinzas de esterco humano e urina amassada com mel. A fim das dores dos doentes serem vencidas, recomendavam raízes de plantas, esterco de porco e leite de cadela, envolvido numa teia de aranha.

Na verdade, eles achavam que a febre podia ser vencida através de certas orações, consideradas eficazes, e, eram auxiliadas com inalação de gotas de sumo de erva de primavera. Utilizavam pós, xaropes, pílulas, pastilhas de mascar e, inclusive supusitórios, que resolviam muitos problemas.

Os doentes eram tratados em casa e o hospital medieval era mais de acolhimento do que de cura. Além disso era um abrigo, ainda que temporário, para os mais velhos e pobres, que necessitavam de alimento.

A partir do Renascimento houve alguns avanços, em especial a prática de autópsia dos cadáveres, que permitiu um conhecimento mais rigoroso do corpo humano. Assim, os conhecimentos médicos melhoraram, com a descoberta de novos instrumentos, como o microscópio, o termómetro, o estetoscópio, entre outros.

O microscópio permitia identificar bactérias específicas, causadoras da tuberculose, da cólera e outras infeções. Além disso descobriram-se os antibióticos, que permitiam controlar certas doenças.

O raio X foi uma impoertante descoberta, de diagnóstico, assim como a ultrassonografia, a tomografia axial computadorizada e a ressonância magnética.


Teresa Maria Batista Gil

Título: A Doença E A Cura Da Idade Média Aos Nossos Dias

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 37

787 

Comentários - A Doença E A Cura Da Idade Média Aos Nossos Dias

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como cuidar de Plantas de interior

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Bricolage Jardim
Como cuidar de Plantas de interior\"Rua
Cada planta tem um comportamento diferente, vou colocar aqui alguns cuidados que servem para a maioria delas.

LUZ:

Os principais erros no cultivo de plantas de interior é a falta de luz.
Se elas estiverem em locais onde não há luz suficiente, isso pode ser corrigido com a instalação de luz artificial, existe no mercado lâmpada que imitam a luz natural.


TEMPERATURA:

Mudanças bruscas de temperatura retardam e até paralisa o crescimento da planta, bem como causa a queda de folhas.


UMIDADE:

A maioria das plantas necessita de uma umidade atmosférica adequada.
Normalmente notamos que a planta não está com a umidade correta quando acontece ficarem amarelas e a queda de folhas.


IRRIGAÇÃO:

Conselhos básicos:
Uma planta em fase de crescimento vai precisar de mais água que uma que está em fase de dormência, ou já atingiu o seu tamanho adulto.
Durante a floração a planta precisa de mais água que em sua fase de crescimento
Em ambientes internos mais quentes é evidente que a planta vai precisar de mais águas que em ambientes mais frios.
Para saber qual é o momento exato de molhar, enfie o dedo no substrato, se sentir ele seco, chegou a hora

FERTILIZANTE:

Para que a planta tenha um desenvolvimento harmonioso convém usar periodicamente de fertilizantes que podem ser líquido ou sólidos.
No mercado existe a venda fertilizante com fórmulas específicas para cada planta.
Após a utilização do fertilizante regue a planta.

LIMPEZA:

Faça regularmente a limpeza de folhas secas e caule, pois elas são bastante positivas não só esteticamente como para a saúde das plantas.
Se estiver acumulada muita poeira sobre as folhas, espane, e depois passe um pano húmido
Atenção: Existe algumas espécies, que tem as folhas aveludadas, tipo a Violeta Africana, Begônia Rex, etc. que não deve ser colocada água é só usar uma escovinha bem macia.

TROCA DE VASO:

De uma maneira geral após 1 ou 2 anos as plantas de interior devem ser colocadas em vasos de tamanho maior.
Isso deve ser feito porque as raízes passam a ocupar um grande espaço e também porque o substrato vai perdendo sua composição inicial.
A época mais adequada varia de planta para planta, algumas devem ser feitas na primavera e outras quando estão na fase de repouso.
Aproveite para obterem mudas, separando brotos e dividindo touceiras.

Pesquisar mais textos:

Miguel Pereira

Título:Como cuidar de Plantas de interior

Autor:Miguel Pereira(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Briana AlvesBriana

    13-10-2014 às 04:09:31

    Muito bom! É tão gratificante cuidar de plantas. A gente vê o quanto elas florescem quando são bem-cuidadas. Amei as dicas!

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    18-04-2014 às 22:36:55

    Fantástico seu texto, a Rua Direita agradece!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios