Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Fui roubada aos meus pais

Fui roubada aos meus pais

Categoria: Literatura
Visitas: 4
Comentários: 1
Fui roubada aos meus pais

«Fui roubada aos meus pais» é uma narrativa na primeira pessoa de Céline Giraud, uma francesa de origem peruana que passou 23 anos da sua vida a acreditar que tinha sido adoptada pelo casal francês que se acostumou a chamar de pais, porque a sua mãe biológica não teria condições para a criar. Ainda que rodeada de amor por estes pais, Céline sentiu a veemente necessidade de perscrutar as suas origens, de conhecer a família biológica. Toda a gente precisa de saber de onde veio, de referências. Começa assim a saga deste livro de 184 páginas reimpresso em 2007.

Os procedimentos que Céline encetou no sentido de descobrir a sua história e a sua família peruana trouxeram revelações estrondosas: ela não havia sido abandonada à nascença pela mãe biológica, mas arrancada dela com apenas três dias de vida! Roubada para render no “mercado” de tráfico de crianças três mil dólares. O impacto da notícia, recebida a 22 de Fevereiro de 2004, fê-la procurar, com a ajuda dos pais do namorado, Fernando, pistas relativas ao seu rapto. Esta iniciativa culminou na localização de mais de vinte crianças, também peruanas, sequestradas no mesmo dia.

O casal francês que adoptou Céline desconhecia, contudo, o processo pelo qual a organização francesa que contactou lhe tinha obtido uma criança de quinze dias em tempo recorde. Ao tomar conhecimento da situação dos outros bebés, Céline criou a associação La Voix des Adoptés, cuja missão é apoiar crianças adoptadas, numa perspectiva de poder, eventualmente, ser um ponto de contacto com as respectivas famílias.

Para além do carácter de investigação impresso a este livro, ele contém, igualmente, os sentimentos associados às várias descobertas, informações preciosas, matéria para uma séria análise social da problemática do tráfico de crianças, a dor e a mágoa de estar entre duas mães que a amam e querem, consubstanciando a narração de um reencontro (impensável, com a mãe biológica) e o testemunho da crueldade implícita neste tipo de “negócio”.

Ainda assim, a linguagem não é pesada e o intuito não corresponde à vitimização; evidenciando os pormenores do seu rapto, a autora pretende, por um lado, partilhar a sua experiência e, por outro, lançar o alerta deste perigo aos milhares de casais que se encontram em lista de espera para a adopção. Para tal, Céline Giraud contou com a preciosa ajuda da jornalista Émilie Trevert. O livro «Fui roubada aos meus pais» integra a colecção Grandes Narrativas, publicada em Portugal pela Editorial Presença.


Maria Bijóias

Título: Fui roubada aos meus pais

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 4

791 

Imagem por: Pink Sherbet Photography

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • andre luis de azevedo

    24-09-2012 às 19:19:32

    preciso de ajuda para encontrar um pai , sera que a maternidade de sao paulo tem registro de 1954 , se alguem tiver algum conhecimento na maternidade sao paulo me avise

    ¬ Responder

Comentários - Fui roubada aos meus pais

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios