Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > A Criança Que Não Queria Falar

A Criança Que Não Queria Falar

Categoria: Literatura
Comentários: 1
A Criança Que Não Queria Falar

Torey Hayden, a autora de «A Criança que não queria falar», sendo professora do ensino especial, viveu um episódio tão marcante com Sheila, uma menina que se enquadraria perfeitamente no conceito de “caso perdido”, que resolveu deixar impressa a sua experiência em livro, no sentido de mostrar como o amor incondicional e a perseverança são passíveis de mover montanhas de crueldade, fúria e rancor e de, acima de tudo, recuperar sobrevivências atrozes para vidas de felicidade. Publicado em 1980 e reeditado em 2007 pela Editorial Presença, este livro de 240 páginas já vendeu 8 500 000 exemplares no Reino Unido e foi traduzido em 27 línguas, tendo constituído um best-seller em diversos países.

«A Criança que não queria falar» tem como protagonista Sheila, abandonada pela mãe adolescente (que, todavia, levou consigo o irmão mais novo da petiza), ficando à guarda de um pai que passou os primeiros anos de vida da filha na prisão, condenado pelos crimes de roubo e agressão, após o que foi tendo longos internamentos por causa do seu alcoolismo e toxicodependência. Sheila, entretanto com quatro anos, foi levada para um centro de protecção à criança, onde não passaram despercebidas as cicatrizes profundas e as fracturas que denunciavam os maus-tratos reiterados. Ainda assim, voltaram a entregá-la ao pai, que morava numa barraca de uma divisão num acampamento de imigrantes, sem água, nem luz, nem aquecimento.

Nestas circunstâncias, é bastante compreensível que a saúde da garota se encontrasse gravemente comprometida, quer a física (devido à pancada e à subnutrição), quer a mental (pela falta de afecto e a impossibilidade de viver a infância). Não obstante, somente quando Sheila, então com seis anos, raptou um menino de três do mesmo acampamento onde residia, o levou para um bosque, atou a uma árvore e lhe ateou fogo é que decidiram interná-la num hospital psiquiátrico. Não havendo neste vagas, é enviada para uma turma de ensino especial, onde lecciona Torey Hayden. Também aqui não haveria lugar para ela, mas a docente, ante a gravidade da situação de Sheila, opta por dilatar o seu máximo de alunos na sala.

Sheila estava perdida num mundo de raiva, de sofrimento, de violência e era intratável. Os colegas, todos eles com problemas emocionais e mentais, ficaram aterrados com a presença dela. O abandono da mãe, a severidade dos maus-tratos e o abuso continuado por parte do pai e do tio a isso a tinham conduzido. Torey começou a perceber a dimensão da empreitada que tinha em mãos, mas não desanimou nem desistiu. Foi o início de uma relação que havia de gerar fortes laços afectivos entre ambas, que, basicamente, salvaram Sheila.

Este relato verídico consubstancia os dois lados de uma luta muito dura para trazer a vida, a alegria e a felicidade a uma miúda que até aí apenas conhecia dor e rejeição. Apesar das poucas condições de que dispunha e dos acontecimentos trágicos que continuaram a suceder-se, Torey desenvolveu uma fé inabalável e não baixou os braços. Esta postura permitiu-lhe ir quebrando as barreiras criadas por Sheila e chegar ao coração de uma criança agressiva e aparentemente inacessível. Trata-se de uma história inspiradora, intensa, comovente, nada banal, que prova como cativar alguém ou ser cativado(a) é importante para superar até as maiores fraquezas e mudar de vida.


Maria Bijóias

Título: A Criança Que Não Queria Falar

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

778 

Imagem por: apdk

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • barbara

    18-08-2014 às 16:44:09

    ola, eu gostaria de adquirir este livro e não consigo, voce pode me ajudar?

    ¬ Responder

Comentários - A Criança Que Não Queria Falar

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: apdk

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios