Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Ser feliz (também) é ter saúde!

Ser feliz (também) é ter saúde!

Categoria: Saúde
Visitas: 8
Comentários: 1
Ser feliz (também) é ter saúde!

Uma conduta que conduza à felicidade é um trilho de inegável saúde. O que se costuma dizer de alguém que, tendo-se apaixonado, evidencia uma incontrolável e contagiante boa disposição? Até a pele do rosto assume uma vitalidade diferente e um brilho que elimina ou disfarça as rugas! A pessoa como que rejuvenesce.

Antes de mais, a ética tem de ser regra incontornável. A dignidade e os valores são o que vale a pena ampliar. Passar por cima dos outros credita o orgulho e despoleta desejos de vingança.

É preciso, também, estudar, cultivar-se; especializar-se em algo para o oferecer aporta satisfação e sucesso.

Acreditar no amor é outro dos segredos. O ser humano não foi feito para a solidão. Apesar dos desgostos que amar alguém possa trazer, o importante é não generalizar, para não desacreditar.

Mostrar gratidão, firmado na consciência de que sózinho pouco ou nada se poderia conseguir, é de campeões. Agradecer trabalha a nossa humildade e motiva os outros.

Elevar as expectativas faz com que grandes sonhos forneçam uma dose de energia na mesma medida para os concretizar. Seja um vencedor!

Saber apreciar o companheiro (a) que se tem enche a alma e constitui um bom estímulo (para quem não é co-dependente).

Traçar metas claras e objectivas evita desperdícios de tempo, forças e dinheiro, e defende de uma participação activa na História de fracassos da Humanidade, com um interminável argumento de amores que não originam relações enriquecedoras, talentos que não conduzem a carreiros de sucessos, e toda uma série de negações e contradições, tendo como pano de fundo potencialidades reais subaproveitadas.

Gostar de si próprio é meio caminho andado para que os outros também o façam. Para tal, cuide muito bem de si: alimente-se devidamente, durma o suficiente, pratique algum tipo de actividade física. Trate convenientemente do templo que é o seu corpo!

Exercitar a capacidade de manifestar os bons sentimentos consubstancia o direito de lutar pelo que queremos. Isto é particularmente válido para o amor.

Alargar as relações profissionais permiti assegurar apoio em tempos de crise e um recurso essencial em momentos decisivos.

A simplicidade facilita a tarefa de retirar do dia-a-dia tudo o que se revele fonte de trabalho e preocupação escusados.

Sucesso não tem, necessariamente, de ser sinónimo de solidão e restrição de emoções. Enfartes e suicídios ilustram alguns desfechos do alto preço que se paga por se seguir uma tal ideologia. Preserve a sensibilidade e a criatividade. Neste sentido, descubra muitas outras dicas!...



Maria Bijóias

Título: Ser feliz (também) é ter saúde!

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 8

770 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • ElttonEltton

    13-03-2010 às 18:24:39

    muito dez isse site meu trabalho vai ficar otimo!!
    vlw!

    ¬ Responder

Comentários - Ser feliz (também) é ter saúde!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios