Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Jóias Relógios > Eternamente diamantes

Eternamente diamantes

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Jóias Relógios
Visitas: 4
Comentários: 2
Eternamente diamantes

Desde a antiguidade até os dias de hoje os diamantes exercem poder, pois garantem riqueza e beleza. O fascínio por essas gemas ficou evidente nas monarquias, época em que essas pedras preciosas eram muito cobiçadas. Reis e rainhas já ostentavam joias deslumbrantes. Nobres, artistas, poetas, colecionadores e adoradores das belezas naturais fizeram do diamante uma joia eternamente desejada. E assim é até os tempos atuais.

Os diamantes estão cercados de lendas e crenças sobre sua origem. Os gregos acreditavam que essas pedras eram as lágrimas dos deuses. Na Ásia, dizia-se haver um vale de diamantes guardado por cobras e aves de rapina. No Brasil, conta a lenda que Tupã, deus dos índios, transformou as lágrimas da índia Potira em diamantes, após ver sua tristeza ao saber que seu esposo havia morrido em combate.  Essas pedras representariam a saudade e o amor da índia. Conta também uma outra lenda que um dos mais famosos diamantes do mundo, conhecido como O olho do ídolo , foi dado em troca da princesa Rasheetah que havia sido raptada pelo sultão da Turquia.

Essas pedras ao longo da história já simbolizaram a cura, o amor, a longevidade e, hoje, o status social e a beleza da mulher. Os diamantes sempre estiveram presentes no imaginário e no desejo feminino. Com o passar do tempo firmaram-se como a representação do amor duradouro, puro e forte. Características presentes nessas gemas. Quanto mais raro e escasso, maior o valor comercial e de consumo dessa pedra preciosa.

Os diamantes passam por um delicado processo de lapidação até se transformarem na pedra que encontramos à venda. O mercado hoje está valorizando muito os diamantes coloridos. As joias feitas com estas gemas amarelas, azuis, vermelhas, marrons e rosas são extremamente belas e raras, atraindo, assim, os amantes dos clássicos símbolos da beleza e da arte, visto que o design de uma joia feita com esses diamantes é uma verdadeira obra de arte.

Essa exuberante pedra preciosa, denominada antigamente pedra do sol, em virtude de seu brilho, foi considerada por Marylin Monroe a melhor amiga das garotas. E, sem dúvida é, pois não há mulher que não se encante com esse brilhante, sinônimo de poder, beleza e luxo.

O diamante é, portanto, um raro e exclusivo presente da natureza a todos aqueles que sabem valorizar os mais delicados e belos acontecimentos naturais; pois cada diamante é único, com composição e característica particular.

Daí a magia dessa pedra preciosa: quando se presenteia alguém com um diamante, quer-se ornar essa pessoa com o que de mais belo, delicado e insubstituível há no mundo, fazendo com que a pessoa presenteada torne-se única e especial.


Rosana Fernandes

Título: Eternamente diamantes

Autor: Rosana Fernandes (todos os textos)

Visitas: 4

798 

Imagem por: stevendepolo

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    09-05-2014 às 15:31:56

    A gente sempre pensa que para chegar a um diamante brilhante é preciso que ele passe por horas e horas de trabalho doloroso. Assim, pode-se associar a vida, às vezes dói, mas no fim, ela fica brilhante e cheia de glamour.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • Gustavo fonsecaGustavo fonseca

    28-03-2012 às 00:21:16

    Diamantes são pedras preciosas raras e as mais procuradas por todos,, isso é testemunhado tbm por grandes conflitos pela extrema extração do mesmo.o grande problema é que muitos destas extrações são de reservas em conflitos ..garimpados ilegalmente, são vendidos com o único objetivo de arrecadar dinheiro para grupos terroristas ou paramilitares rebeldes. Esses grupos ganham o dinheiro de que precisam para adquirir armas forçando homens, mulheres e crianças a garimpar diamantes. Quem quer que venha a protestar é executado diante dos olhos dos outros, ou sofre a ameaça de ter um membro amputado.A maior parte dos diamantes de regiões em conflito vem de Angola, República Democrática do Congo, Costa do Marfim, Libéria e Serra Leoa. Se você não for cauteloso ao comprar, podeestar adquirindo uma dessas pedras.asim tbm Os diamantes de zonas de conflito não são a única controvérsia que macula a imagem do comércio da pedra: questões de direitos humanos e dos animais também são freqüentes por ex na Índia bem como em certos países da África. Nos países africanos, as mineradoras usam crianças para garimpar espaços subterrâneos apertados nos quais adultos não cabem, ainda que o trabalho infantil seja ilegal. As cidades mineiras desses países africanos também sofrem incidência ampliada de homicídio e HIV, como resultado de invasões e do comércio sexual. Na Índia, crianças cuidam das menores pedras, porque têm vista melhor e dedos menores, mais apropriados para dar forma às minúsculas facetas. Desgaste severo da visão, lesões por movimentos repetitivos e infecções pulmonares causadas pela aspiração de diamantes são apenas alguns dos problemas que afligem esses trabalhadores.diamante sempre teve o grande problema é a ilegalidade diante do mesmo...de Gustavo Fonseca espero que tenham feito bom uso de minhas conclusões ..

    ¬ Responder

Comentários - Eternamente diamantes

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: stevendepolo

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios