Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > A arte do Renascimento e a Natureza - Que relação?

A arte do Renascimento e a Natureza - Que relação?

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 183
Comentários: 3
A arte do Renascimento e a Natureza - Que relação?

O Renascimento foi um “movimento “ que se desenvolveu a partir do século XV na Europa. O seu berço foi a Itália, foi sobretudo um período de renovação com uma forte base fundamentada no pensamento e maneira de estar da antiguidade clássica. O Renascimento surge após a chamada Idade Média, a qual era caracterizada como um período obscuro e de trevas.

O Renascimento é então definido como o renascer, o renascer daquilo que os seus contemporâneos achavam que foi a época mais gratificante, exuberante e de crescimento intelectual, a antiguidade clássica. Este período do renascimento tinha quase como que uma repulsa, ao que, no seu pensar tinhas sido a Idade das Trevas, assim desenvolveram toda uma contextualização que vai proporcionar o nascimento e crescimento de novos pensamentos e maneiras de estar. O Renascimento foi, tal como o próprio nome diz, o renascer, o renascer de um período onde prosperavam os pensamentos e ideais filosóficos, a arte, e onde a maneira de estar na vida era aquilo que os renascentistas consideravam como modelo a seguir.

Assim, este foi um período que deu enfâse ao Humanismo e ao pensamento do Homem. Foi um período que se apoiou, de modo a fundamentar as suas linhas orientadoras na antiguidade greco-romana (a sociedade e obras da antiguidade clássica grega foram conhecidas dos renascentistas através dos olhos dos romanos, e daquilo que eles próprios tomaram como modelo e que viram na cultura grega), tendo como base vestígios que lhes foram deixados, nomeadamente documentos escritos (como as cartas de Vitrúvio), monumentos, esculturas…

O renascimento foi um movimento de larga expansão, inclui-se nele a literatura, a arquitectura, a música, a escultura, a pintura. O renascimento teve na arte um forte e importantíssimo papel.

Os artistas vão inspirar-se em toda a arte desenvolvida no período Greco-Romano, onde a mitologia se apresenta com um papel fundamental no que diz respeito às temáticas desenvolvidas nas suas obras. Contudo, esta inspiração a nível da temática das obras na mitologia clássica, vai ser nos pintores renascentistas incorporada com forte naturalismo, contudo não vão deixar de ter uma forte integrante ligada ao cristianismo. Tudo isto pode levar o observador a pensar que o renascimento não passa de uma cópia daquilo que foi a arte da antiguidade clássica, apesar de se apoiar fortemente nela este movimento artístico vai conseguir trazer para a arte inovação sobre a forma de recriação, pois os pintores vão demonstrar um conhecimento profundo daquilo que os rodeia.

O renascimento como movimento sobretudo artístico teve o seu berço em Florença, devido à conjuntura económica e política que prosperava naquela zona. Em Florença os artistas conseguem o mecenato, sobretudo da família dos Médicis, que financia a criação de obras de arte.
Foi assim possível um rápido desenvolvimento da arte renascentista nesta zona, devido não só ao mecenato mas também ao facto de nesta zona a arte barroca não se ter desenvolvido.

Este primeiro período que teve como principal local Florença é denominado como Quattrocento Florentino, ao qual se segue o Renascimento Clássico em finais do século XV. Os criadores desta época fazem uma busca incessante pelo equilíbrio da beleza clássica, para os artistas da época, o povo greco-romano possuíam uma visão completa e humana da natureza. Na época renascentista valoriza-se a inteligência, o conhecimento e o dom artístico, e desta forma o homem assume um papel de caracter proeminente e de grande relevo ao contário do que se passava no período anterior onde a religião assumia o papel de destaque.

Os homens desta época, sentem uma grande curiosidade pelo Homem e pelo que o rodeia, a natureza, mostrando-se, de certo modo, mais activo ao contrário do que se passava na época medieval onde o seu papel era mais contemplativo. Neste período o Homem tende a olhar mais para ele próprio (antropocentrismo) e para o que rodeia e de certa forma tenta entender tudo isto como um todo, o que é, qual o seu papel, no fundo à um grande desenvolvimento da filosofia aplicada ao Homem e à sociedade onde se insere. Tudo este processo evolutivo que o Homem desta época sofreu vai refelctir-se na arte. Dando especial atenção ao que se passa na pintura, é facilmente perceptivel toda esta evolução.

A nível da temática existe uma forte componente clássica, onde é inserida a religião cristã. A nivel do enquadramento da obra, esta ganha novos elementos também eles com forte inspiração na Antiguidade.

As obras destes artistas sofrem em relação ao passado de fortes inovações técnicas, com descobertas e aplicações às suas obras da perspectiva, da luz, da sombra conseguidas em grande parte também pelo facto de começarem a trabalhar a óleo sobre tela e de num periodo mais tardio do renascimento do sfumato.

Os artistas plásticos da época evoluiram com a arte de pintar retratos, (forte influência do cláscissismo, época em que se pintaram muitos retratos, ver imagem 3,4 e 5), paisagens e motivos mitológicos e religiosos. Nas suas obras é possivel encontrar um espaço cénico onde é enquadrado todo o resto da temática da obra, sendo este enquadramento muito cientifico e baseando-se em perspectivas lineares perfeitamente calculadas. Com os autores renascentistas vê-se também o inicio da procura da representação realista, com forte procura para a representação naturalista nomeadamente do Homem e da natureza que o envolve, existe um cuidado especial para o realismo e proporções anatómicas e uma procura para colocar nas suas obras a expressividade dos rostos representados.

O naturalismo é tentado alcançar pelos pintores através da procura de se manterem
fieis à realidade não só aquilo que vêem efectivamente, como também quando pintam figuras mitológicas. Segundo alguns autores os renascentistas foram muito inovadores na sua introdução de determinadas carateristicas nas suas obras, como é prova disso a perspectiva, mas ao mesmo tempo foram como que “imitadores” do que viam, como resultado da procura do naturalismo, “como diz Leonardo da Vinci, …a imitação é, de um lado, estudo e inventividade que permanece fiel à natureza porque recria a integração de cada figura com o elemento natural, e por outro, actividade que requer também iovação técnica” (Em História da Beleza, Sob a direcção de Umberto Eco, Difel, Setembro de 2004,).

Em obras como as de Jan Van Eyck, pintor flamengo, é possivel observar um grande naturalismo nomeadamente no que diz respeito ao ser fiel à realidade, ao retratar tudo com grande preciosismo e pormenor e à envolvencia espacial das personagens principais, no quadro do casal Arnolfini é possivel ver a importancia dada aos pormenores e atentar o forte naturalismo da pintura, dado através dos panejamentos, e de todo o conjunto à volta do casal que foi pintado com a maior minucia e naturalismo, como se pode ver na imagem 2 constituida por pormenores da obra.

É fácil perceber a existencia da perspectiva, tão pretendida pelos pintores renascentistas, deste modo percebemos a presença de medida, módulo e proporção, existe um primeiro plano com o casal colocados na obra de forma a que haja harmonia na sua disposição na composição, fazendo com que sejam eles o primeiro plano do observador e ao fundo, acentuando a ideia de perspectiva existe um espelho que esta também ele centralizado na obra. Independentemente do que é representado nas obras dos pintores renascentistas existe sempre presente todas estas caracteristicas que são fundamentais para estes autores.

Podemos dizer assim, que o período do Renascimento foi sobretudo um período de renovação cientifica e artistica em que há uma clara interligação entre ambas, onde é possivel ver o domínio dos pintores nas duas áreas, por um lado através da perspectiva e por outro através do claro dominio artistico na representação de formas naturais.


Sónia Henriques

Título: A arte do Renascimento e a Natureza - Que relação?

Autor: Sónia Henriques (todos os textos)

Visitas: 183

764 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Sónia HenriquesSónia Henriques

    16-05-2014 às 10:55:50

    Esta é uma obra de Rafael ou também conhecido Rafaello Sanzio e é intitulada como "Virgem no prado" ou Madonna no prado" também pode ser encontrada como "Madonna de Belvedere" (que significa "no prado". Está datada de 1505-1506 e encontra-se no Museu Kunsthistorisches, em Viena. Pode visitar a página do museu em http://www.khm.at/en/visit/collections/picture-gallery/selected-masterpieces/
    Espero ter ajudado!

    ¬ Responder
  • Gabriele

    17-05-2014 às 01:55:25

    Olá! Gostaria de lhe agradecer. Me ajudou muito.
    Obrigada.

    ¬ Responder
  • Gabriele

    16-05-2014 às 03:26:35

    Olá. Gostaria de saber o nome desta primeira imagem e de seu autor renascentista. Obrigada, aguardo respostas em meu e-mail.Urgente.

    ¬ Responder

Comentários - A arte do Renascimento e a Natureza - Que relação?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os benefícios do piso laminado

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Materiais Construção
Os benefícios do piso laminado\"Rua
Ao se realizar uma obra, ou na renovação de ambientes, há sempre muitas opções de técnicas e tecnologias de construção civil, arquitetura e decoração a serem escolhidas da forma mais adequada ao resultado que se espera. O piso adequado ao ambiente que se está construindo ou reformando é uma questão bastante relevante para o sucesso do empreendimento e para o bem-estar dos usuários.

Os tipos de pavimentos ou assoalhos ou revestimentos são diversificados e para cada tipo de ambiente, construção e gosto pessoal há um mais adequado. Pelos inúmeros benefícios que tem apresentado, o piso laminado tem sido bastante escolhido como revestimento nos ambientes modernos. Ele é composto por quatro camadas, feitas de fibras de madeira de alta densidade, lâminas de celulose, lâminas decorativas e filme cristalino de celulose, colados diretamente ao chão. Essa composição garante estabilidade, beleza, resistência, facilitando a limpeza. Somente com estes argumentos já se pode notar as vantagens desse tipo de piso, contudo ainda existem outras.

Os pisos laminados custam menos que os pisos de madeira, seu substrato é ecologicamente correto, já que as madeiras utilizadas na composição desse piso provêm de florestas certificadas e possui fácil instalação, sem a necessidade de pregá-lo ao chão. Além disso, os pisos laminados não precisam de envernizamento como os pisos de madeira que causam mau cheiro e sujeira. Os pisos laminados são mais resistentes que os pisos de madeira devido a sua alta pressão. A superfície dos pisos laminados de alto tráfego contém papel decorativo que garante diversas possibilidades de estampas e combinações.

Existem, portanto, dois tipos distintos de pisos laminados. Os pisos laminados de madeira têm em sua composição madeira natural e são revestidos com verniz. São indicados para ambientes residenciais e menos movimentados. Os pisos laminados de alto tráfego são compostos por madeiras de alta densidade cobertas por papel decorativo. São mais resistentes e, em virtude disso, indicados para ambientes de grande circulação. Podem estar em ambientes residenciais, porém para ambientes comerciais é o ideal.

Os pisos laminados são resistentes à luz do sol, a riscos e a manchas. São práticos devido à diversificada opção de padrões e funcionais devido à facilidade de limpá-lo. Acomodam-se perfeitamente em qualquer ambiente, proporcionando fácil decoração. Entretanto, medidas para mantê-lo em bom estado por mais tempo (apesar da sua alta durabilidade) devem ser tomadas. Colocar proteção na entrada das portas evita a instalação de sujeira e pedras. Forrar móveis e peças decorativas, que entrem em contato com o piso, é recomendado, a fim de não marcá-lo. Esses forros podem ser feitos com tecidos felpudos ou recortes em feltro. Forrar os móveis ao movimentá-los é apropriado para não riscar o piso. Salto alto fino com base metálica também marca esse tipo de piso. Evitar molhar em demasia o piso é necessário, pois caso contrário pode haver o inchamento do piso. Deve-se mantê-lo sempre seco.

Esse tipo de piso também tem a vantagem de não carregar cupins, contudo é preciso verificar as condições de presença desses insetos. Ambientes com cupins requerem a desintetização prévia.

Pesquisar mais textos:

Rosana Fernandes

Título:Os benefícios do piso laminado

Autor:Rosana Fernandes(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    12-05-2014 às 12:45:43

    O piso laminado é muito bom, sua durabilidade é de quase 40 anos e são mais fáceis de manter.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • silvana 22-02-2014 às 18:17:44

    o piso laminada tem durabilidade de quantos anosposso passar pano umido no piso loaminado

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios