Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Serviços > Marés, espuma e sangue

Marés, espuma e sangue

Categoria: Serviços
Marés, espuma e sangue

Olhar para o mar, sentir a agua salgada e pensar porque não deslizar sobre os sete mares e descobrir novos horizontes. Foi assim que pensaram os nossos antepassados, criaram, e inventaram algo que começou a planar sob os mares. Segundo estudos e achados arqueológicos eram canoas de troncos, algo muito rudimentar. Inicialmente eram um grande auxílio no que tocava as trocas comerciais.

Permitia a ligação com locais de difícil acesso onde o barco era o único meio possível de atingir esses locais. Desde que foi inventado tornou-se cada vez mais trabalhado, mais complexo e constituído de madeira mas também com outros materiais. Foram vários os barcos que ficaram na história. Segundo a bíblia, Noé construiu uma arca de madeira colossal onde transportou um casal de cada espécie que navegou durante o grande diluvio.

Mas mais barcos ficaram na história, nem sempre a biografia deste meio de transporte teve sempre dias favoráveis. Nem sempre os testes corriam bem, nem sempre se conseguia aliar as leis da física e geometria que faziam flutuar e mover os barcos pela água. Era uma guerra interminável entre as criações do homem e as leis da natureza. Grandes barcos ficaram para a história, famosas recordações que ficaram para a eternidade lembradas por diversas razoes.

Os descobrimentos foram um grande marco na história e foi graças a este meio cada vez mais evoluído que permitiu este grande passo. A sede de descoberta foi demasiado desmedida. Camões escreveu "Deus quer o homem sonha a obra nasce". O sonho tornou-se realidade, desvendaram mitos, arrancaram verdades dos sete mares, rasgaram horizontes, descobriram o mundo. Pioneiros nos mares, corajosos enfrentaram os seus medos, rumaram ao desconhecido. Foram inúmeros anos em que a saída de barcos a descoberta era incessável.

Muitos morreram na conquista dos novos horizontes, muitos outros provaram a glória desses anos de ouro. Começou-se a conhecer o mundo tal como o conhecemos. Os barcos que ficaram imortalizados nestes descobrimentos foram as caravelas portuguesas, ficaram imortalizadas no tempo como os barcos que descobriram o planeta de lés-a-lés.

Mas por outro lado, muitas vidas se perderam, muitos barcos se afundaram. Muitos gigantes dos mares foram criados, autênticos palácios que guiavam pelos mares milhares de pessoas. Mas muitos deles acabaram em tragedia. O mais destacável, imortalizado e que ninguém vai esquecer é sem dúvida o Titanic. Parecia uma miragem colossal, luxuosa e segundo muitos inafundável. Mas o contrário acabou, infelizmente por acontecer.

Aquele que se dizia inafundável revelou-se um dos maiores desastres marítimos. O choque contra o iceberg e as águas frias do árctico, foram uma soma de factores que vitimaram milhares de pessoas naquelas águas gélidas. Muitos mais foram os desastres e não só nos podemos referir a perdas humanas mas a desastres petrolíferos que derramaram águas e orlas continentais que destruíram e puseram em risco muitos animais que se viram encurralados naquelas marés negras.

Muitos são os barcos que se contam nestas situações, ao longo dos tempos muitos foram os pesadelos que tornaram este sonho dos mares. Entre os naufrágios notáveis, podem-se citar o “Blanche-Nef”, o “Medusa” e o “Lancastria. Muitas vidas se perderam, muitos ecossistemas se destruíram mas com o passar dos anos e olhando para traz, esses pesadelos são apenas isso. O maior derramamento de petróleo de um navio foi o do “Atlantic Empress”em 1979 lançou 287 mil toneladas de petróleo no mar.

Hoje os barcos são cada vez mais refinados, sendo cada vez menor a probabilidade de acontecer algum desastre mas porém não é impossível. Obviamente que os acidentes continuaram a acontecer nos sete mares, é improvável determinarmos quando mas irão continuar a ocorrer. Mas uma coisa é certa, apesar de todo o que este objecto tem para contar na sua biografia e um meio que hoje e desde a sua história continua a sua utilização cada vez mais massiva, cada vez mais utilizada tanto para transporte de pessoas como de mercadorias cruzando os mares.

Hoje, olhamos para um porto e vemos desde pequenos barcos a motor, alguns mais arcaicos e rudimentares ainda a remos mas por outro lado o luxo e a refinação dos gigantes dos mares. Autenticas atracções aos olhos humanos que se exaltam com a grandiosidade de tal invenção.


Rua Direita

Título: Marés, espuma e sangue

Autor: Rua Direita (todos os textos)

Visitas: 0

611 

Comentários - Marés, espuma e sangue

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Habitação – Evolução qualidade/Preço

Tema: Alojamento
Habitação – Evolução qualidade/Preço\"Rua
Hoje vivemos dias muito complicados do ponto de vista económico, uma vez que a nossa sociedade moderna consumista tem acarretado para as famílias a triste ideia de que temos que possuir tudo o que existe para ser possuído.

Relativamente ao assunto especifico da habitação, com o passar dos tempos, as pessoas têm adquirido as suas casas em função do que há no mercado, e este mercado tem evoluído de uma forma perigosa em termos de custos; o que quero dizer com isto, é que há vinte anos atrás, encontrávamos apartamentos no mercado, e tenho por base um apartamento T3 que tinha 3 quartos conforme a tipologia descrita, naquele tempo uma cada de banho, uma sala de estar/jantar conjunta e talvez uma varanda, hoje o mesmo apartamento terá os três quartos, a sala, duas casas de banho das quais uma poderá estar num dos quartos a que passou a chamar-se suite, este apartamento hoje, tem forçosamente que ter pré instalação para aquecimento central, lareira com recuperador de calor, e muito provavelmente aspiração central, ou pelo menos a pré instalação… Assim, quem compra um apartamento hoje, apesar das dimensões de cada divisão estarem diminuídas, o preço foi muito incrementado pelos extras, e depois há ainda que adquirir uma caldeira para fazer funcionar a tal pré-instalação de aquecimento central, os radiadores porque sem eles o dito não funciona, naturalmente o trabalho do técnico… há ainda que adquirir em muitos casos o aspirador propriamente dito para fazer funcionar a aspiração central, e algumas coisas mais, acessórios dos quais, antes não tínhamos necessidade.

Não quero dizer com isto, que estes equipamentos não são úteis, são, mas e aquelas pessoas que compraram os seus apartamentos há uns tempos, cujos espaços não dispunham destas “modernices” como viveram? Como vivem hoje? Provavelmente aqueles que tiveram disponibilidade económica para isso, colocaram nas suas habitações, aquilo que julgaram necessário, não colocaram aquilo que não lhes é útil de todo, por outro lado aqueles que não tiveram disponibilidade económica vivem sem os equipamentos em questão, ou colocam um equipamento à dimensão das suas possibilidades. O real problema é que os referidos equipamentos valorizaram muito mais as habitações em termos de preço de compra do que o valor real dos mesmos, e as pessoas, estão apagar vinte ou trinta anos, para não dizer mais, um bom valor acima do que pagariam sem estas coisas, além disso comprariam aquilo que quisessem e pudessem.

Para além do exposto, a qualidade de construção e acabamentos não melhorou, antes pelo contrário. Hoje o valor das casas está a decair rapidamente, e as pessoas em geral vivem em casas cujos valores atuais de mercado são muito inferiores ao que estarão a pagar durante muito tempo…

Naturalmente o mercado poderá mudar, mas não é esse o caminho que parece seguir.

Pesquisar mais textos:

Ana Sebastião

Título:Habitação – Evolução qualidade/Preço

Autor:Ana Sebastião(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    21-04-2014 às 17:09:01

    A compra seja de apartamento ou casa estão mais caras e nem sempre oferecem serviços como mostram na divulgação. Não é bom financiar, pois custará o dobro. Realmente, o melhor a fazer é buscar preços que têm condições de pagar ou aderir a um consórcio.

    ¬ Responder
  • Sofia Nunes 13-09-2012 às 17:07:44

    Na minha opinião e de acordo com o que tenho observado, a relação qualidade/preço das habitações está a melhorar. E isso não é necessariamente bom, uma vez que é resultado da crise económica. Como refere, o valor das casas está a descer, pelo que se pode comprar uma vivenda pelo preço que há uns anos era de um apartamento. O problema é que, apesar de as casas estarem mais baratas, os compradores não têm dinheiro.

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios