Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Unhas Encravadas – Uma doença bastante comum

Unhas Encravadas – Uma doença bastante comum

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Saúde
Visitas: 4
Comentários: 1
Unhas Encravadas – Uma doença bastante comum

Um pezinho de princesa é algo bonito de se ver. Pés sem calosidades nem unhas sujas e grandes, cheirosos e delicados, mostra cuidado com estes membros tão importantes. A falta de atenção que damos aos nossos pés é de facto muita. Tomamos banho e não os secamos decentemente, as unhas são cortadas e quase nunca limadas e sujeitas à extração das peles mortas, são apenas algumas coisitas que deveríamos fazer sucessivamente e não fazemos.

Os pés são maltratados, ponto. Aguentam todo o nosso peso, caminham, pedalam, correm, enfim um mar de coisas a que são obrigados pelo resto do corpo.

Um dos problemas mais comuns nos nossos pés, são as unhas encravadas. Uma unha encravada significa que o seu crescimento pouco correto desenvolve-se de forma a que fica cravada na pele.

A pele em guerra aberta com o crescimento da unha, causa dor, desconforto e em muitos casos uma inflamação grave, dores imensas, pus, sangramento e o crescimento de carne esponjosa.

A causa está por norma na forma como se cortam as unhas. As unhas devem ser cortadas a direito e nunca aparar os cantinhos. Como as unhas encravam quase sempre nos cantos, o corte destes “alimenta” o seu crescimento irregular. Os sapatos apertados e o uso sistemático do mesmo tipo de sapatos também origina este problema.

A idade avançada também agrava o problema, isto porque a falta de mobilidade incapacita o corte e tratamento dos pés como deve de ser. A transpiração também é uma causa, pelo que desportistas são doentes frequentes das unhas encravadas.

Existe no entanto cura, apesar de muitas vezes ser também dolorosa.

Dependendo da intensidade do problema, o tratamento também é variável. Quando a unha encravada é detetada e tratada a tempo, o afastamento da unha com um enchumaço de algodão, afim de corrigir o tratamento pode ser a solução.

Para situações mais complicadas e com inflamações mais problemáticas, a extração da unha pode ser a única solução. Extraída por médicos, em sistema de pequena cirurgia, exige um cuidado especial na fase posterior e alerta-se que o pós-operatório pode e é normalmente um processo doloroso e demorado.

O problema das unhas encravadas acontece normalmente no dedos grandes dos pés, mas também pode acontecer em qualquer unha, pelo que o cuidado com as unhas é imprescindível, tal como o tratamento se necessário, logo numa fase inicial.

Não sabe a quem recorrer? Consulte um podologista.


Carla Horta

Título: Unhas Encravadas – Uma doença bastante comum

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 4

768 

Imagem por: andy_5322

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Sofia NunesSofia Nunes

    16-09-2012 às 15:32:40

    Só quem nunca teve uma unha encravada pode minimizar o sofrimento que essa condição provoca. Embora isto não aconteça na generalidade dos casos, uma unha encravada, no pé ou até na mão, pode fazer o dedo inchar e encher de pus, causando até febre. Há ainda alguns casos, ainda mais raros, é certo, em que é necessária uma operação em ambulatório para resolver o problema. Como bem refere, é imprescindível o tratamento no início.

    ¬ Responder

Comentários - Unhas Encravadas – Uma doença bastante comum

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os primeiros brinquedos

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Brinquedos
Os primeiros brinquedos\"Rua
O brinquedo é mais do que um objecto para a criança se divertir e distrair, é também uma forma de conhecer o mundo que tem ao seu redor e para dar asas à sua imaginação. Desta forma, os brinquedos sempre estiveram presentes na sociedade.

Os primeiros brinquedos datam de 6500 anos atrás, no Japão, em que as crianças brincavam com bolas de fibra de bambu. Entretanto há 3000 anos surgiram os piões feitos de argila e decorados, na Babilónia.

No século XIII apareceram os soldadinhos de chumbo, porém só eram acessíveis às famílias nobres. Cinco séculos mais tarde, apareceram as caixas de música, criadas por relojoeiros suíços.

As bonecas são muito antigas, surgiram enquanto figuras adoradas como deusas, há 40 mil anos, mas a primeira fábrica abriu apenas em 1413 na Alemanha. Barbie, a boneca mais famosa do mundo, foi criada em 1959, mas ainda hoje é das mais apetecíveis pelas crianças.

O grande boom dos brinquedos aconteceu quando se descobriu o plástico para o fabrico. Mesmo assim, muitas famílias não podiam comprar brinquedos aos filhos, como tal, estes utilizavam diversos tipos de materiais e construíam os seus próprios brinquedos.

Actualmente, as crianças têm acesso a uma enorme variedade de brinquedos, desde bonecas, a carros telecomandados, a videojogos… Educativos ou apenas lúdicos, há de tudo e para todos os gostos e preços.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Os primeiros brinquedos

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: andy_5322

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • umdolitoys 23-01-2013 às 05:46:38

    Adorei a reportagem! e tenho algo para vocês verem!!

    Espero que gostem!!!

    ¬ Responder
  • sofia 22-07-2012 às 21:56:29

    Achei muito interecante e muito legal saber que ano foi fabricadoas bonecas

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios