Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Antiguidades > Antiguidades, a preços das velharias

Antiguidades, a preços das velharias

Categoria: Antiguidades
Visitas: 18
Antiguidades, a preços das velharias

O conceito de antigo pode revestir-se de uma subjectividade portadora de divisão de opiniões nos vários domínios em que se aplica.

Por exemplo, há quem veja uma autêntica antiguidade nos avós, cujas rugas e deformações próprias da idade são reveladoras de insondáveis vivências, distribuídas por um número de anos apenas estimável com uma máquina calculadora (de preferência científica, que dá para devolver os resultados de raízes quadradas). Os visados, por seu turno, referem-se a pessoas suas contemporâneas como «um rapaz novo», ou «uma rapariguinha».

É clarividente a diferença abissal das perspectivas… Enquanto que os netos veriam, com toda a naturalidade, os seus ascendentes num museu, expondo as crateras bucais, outrora cobertas de branca e forte dentição, e as peles flácidas, que albergaram em tempos idos vigorosa musculatura, os anciãos defendem-se com aquilo que ainda conseguem fazer. Na realidade, velhice e antiguidade podem ser, ou não, sinónimas.

Fora de brincadeiras, a tendência vigente na actualidade é a de exaltar o novo como bom e preferível, desprezando ou desaproveitando o que se tem como velho. Idade e inutilidade não precisam de andar, forçosamente, de mãos dadas. Aliás, no que se refere a móveis e a carros, por exemplo, verifica-se uma perda gradual da qualidade e da fiabilidade. Por outro lado, assiste-se agora ao “renascentismo das antiguidades”, dirigido por mentores de uma moda que pretende ser alternativa num contexto de estafamento de conceitos pseudo-inovadores. De facto, o mundo é redondo e as próprias escolhas acabam por ser cíclicas. Não vale a pena rir do que se usava há vinte ou trinta anos, porque, inevitavelmente, mais dia, menos dia, voltará a constituir uma opção.

A temática das antiguidades é composta por muitos e diversos vectores, sendo que uns proporcionam a aquisição, e outros permitem somente a contemplação, acompanhada, ou não, de um passado histórico de relevo e de menções honrosas a personagens insignes. A vetustez de peças e de obras de monta análogas reportam a uma História comum, com repercussões de partilha na modernidade.

As galerias e as feiras constituem espaços privilegiados de conhecimento e admiração das beldades valiosas de épocas findas, com níveis aceitáveis de segurança. De facto, um dos problemas que ensombram o negócio das antiguidades é a incerteza face à veracidade da real era de origem dos objectos e do seu justo valor monetário. Os avaliadores, infelizmente, podem estar a trabalhar mais em proveito próprio ou de outrem do que a zelar pelos interesses de quem os contrata.

Como em tudo, é fundamental ter “um olho no burro e outro no cigano”…


Maria Bijóias

Título: Antiguidades, a preços das velharias

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 18

795 

Comentários - Antiguidades, a preços das velharias

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Habitação – Evolução qualidade/Preço

Ler próximo texto...

Tema: Alojamento
Habitação – Evolução qualidade/Preço\"Rua
Hoje vivemos dias muito complicados do ponto de vista económico, uma vez que a nossa sociedade moderna consumista tem acarretado para as famílias a triste ideia de que temos que possuir tudo o que existe para ser possuído.

Relativamente ao assunto especifico da habitação, com o passar dos tempos, as pessoas têm adquirido as suas casas em função do que há no mercado, e este mercado tem evoluído de uma forma perigosa em termos de custos; o que quero dizer com isto, é que há vinte anos atrás, encontrávamos apartamentos no mercado, e tenho por base um apartamento T3 que tinha 3 quartos conforme a tipologia descrita, naquele tempo uma cada de banho, uma sala de estar/jantar conjunta e talvez uma varanda, hoje o mesmo apartamento terá os três quartos, a sala, duas casas de banho das quais uma poderá estar num dos quartos a que passou a chamar-se suite, este apartamento hoje, tem forçosamente que ter pré instalação para aquecimento central, lareira com recuperador de calor, e muito provavelmente aspiração central, ou pelo menos a pré instalação… Assim, quem compra um apartamento hoje, apesar das dimensões de cada divisão estarem diminuídas, o preço foi muito incrementado pelos extras, e depois há ainda que adquirir uma caldeira para fazer funcionar a tal pré-instalação de aquecimento central, os radiadores porque sem eles o dito não funciona, naturalmente o trabalho do técnico… há ainda que adquirir em muitos casos o aspirador propriamente dito para fazer funcionar a aspiração central, e algumas coisas mais, acessórios dos quais, antes não tínhamos necessidade.

Não quero dizer com isto, que estes equipamentos não são úteis, são, mas e aquelas pessoas que compraram os seus apartamentos há uns tempos, cujos espaços não dispunham destas “modernices” como viveram? Como vivem hoje? Provavelmente aqueles que tiveram disponibilidade económica para isso, colocaram nas suas habitações, aquilo que julgaram necessário, não colocaram aquilo que não lhes é útil de todo, por outro lado aqueles que não tiveram disponibilidade económica vivem sem os equipamentos em questão, ou colocam um equipamento à dimensão das suas possibilidades. O real problema é que os referidos equipamentos valorizaram muito mais as habitações em termos de preço de compra do que o valor real dos mesmos, e as pessoas, estão apagar vinte ou trinta anos, para não dizer mais, um bom valor acima do que pagariam sem estas coisas, além disso comprariam aquilo que quisessem e pudessem.

Para além do exposto, a qualidade de construção e acabamentos não melhorou, antes pelo contrário. Hoje o valor das casas está a decair rapidamente, e as pessoas em geral vivem em casas cujos valores atuais de mercado são muito inferiores ao que estarão a pagar durante muito tempo…

Naturalmente o mercado poderá mudar, mas não é esse o caminho que parece seguir.

Pesquisar mais textos:

Ana Sebastião

Título:Habitação – Evolução qualidade/Preço

Autor:Ana Sebastião(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    21-04-2014 às 17:09:01

    A compra seja de apartamento ou casa estão mais caras e nem sempre oferecem serviços como mostram na divulgação. Não é bom financiar, pois custará o dobro. Realmente, o melhor a fazer é buscar preços que têm condições de pagar ou aderir a um consórcio.

    ¬ Responder
  • Sofia Nunes 13-09-2012 às 17:07:44

    Na minha opinião e de acordo com o que tenho observado, a relação qualidade/preço das habitações está a melhorar. E isso não é necessariamente bom, uma vez que é resultado da crise económica. Como refere, o valor das casas está a descer, pelo que se pode comprar uma vivenda pelo preço que há uns anos era de um apartamento. O problema é que, apesar de as casas estarem mais baratas, os compradores não têm dinheiro.

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios