Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Controle o consumo de fritos

Controle o consumo de fritos

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Saúde
Controle o consumo de fritos

Numa sociedade cada vez mais motivada para a prossecução de um acelerado ritmo de vida, onde as exigências, responsabilidades e pressões parecem cair do céu diariamente e onde não resta muito tempo para as coisas mais simples e essenciais da vida (comer ou dormir, por exemplo), é habitual assistir-se a casos de pessoas que, cada vez mais, descuram a sua dieta.

Temos, pois, o caso flagrante da fast food e dos fritos que lhe estão associados. A dona de casa, que é, simultaneamente, mãe e trabalhadora, na pressa de dar solução a todas as tarefas que ainda tem pendentes, prepara uma deliciosa – e perniciosa – refeição composta fundamentalmente por fritos: batatas fritas acompanhadas de bifes ou salgadinhos fritos (rissóis, pastéis de bacalhau, coxinhas de frango, perninhas de caranguejo, croquetes, almofadinhas, chamuças e muitas outras tentadoras opções). Só muito raramente se prepara a salada, pois lavar e ripar a alface, juntamente com o lavar e cortar do tomate e da cebola são ações que ocupam mais algum tempo e ele é precioso! Todavia, e mesmo que se preparasse a salada, o consumo dos fritos estaria presente e a contribuir já para uma dieta altamente desequilibrada e que, a curto prazo, prejudicaria gravemente a saúde. O stress associado a este estilo de vida, em que as pressões do trabalho se vão sobrepondo às nossas necessidades básicas, compõe o quadro negro e serão de esperar maleitas como o aumento de colesterol no sangue, da tensão arterial e, claro está, da massa corporal – vulgo obesidade.

Há, no entanto, que salientar que nem todos os fritos causarão o mesmo mal. Assim, há que seguir alguns preceitos básicos: dever-se-á escolher uma gordura vegetal (óleos à base de girassol, amendoim, soja, ou azeites) para se realizar a fritura e evitar as gorduras de origem animal (manteiga e banha), devem-se colocar poucos artigos congelados na frigideira/fritadeira, de forma a não baixar demasiado a temperatura do óleo e, consequentemente, a permitir uma maior absorção de gordura pelo alimento, deve-se enxugar com um pano o alimento antes de o introduzir no óleo e deve-se, ainda, manter a temperatura a 180º C – considerada a mais saudável.

Por outro lado, deve evitar-se comprar itens no supermercado que se destinem e fritar e deve preferir-se o peixe e os legumes. As crianças poderão, por sua vez, visitar um restaurante de fast food ocasionalmente (2 a 3 vezes por ano), o que não constituirá problema. E, finalmente, dedique-se muito tempo à atividade física, para compensar as eventuais gorduras que se consumiram a mais (todos os dias vá andar ou correr durante 30 minutos).

Lembre-se: a saúde está nas suas mãos!


Isabel Rodrigues

Título: Controle o consumo de fritos

Autor: Isabel Rodrigues (todos os textos)

Visitas: 0

688 

Imagem por: chotda

Comentários - Controle o consumo de fritos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Imagem por: chotda

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios