Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Pesquisa Sintetiza Composto Que Pode Retardar Os Sintomas Do Alzheimer

Pesquisa Sintetiza Composto Que Pode Retardar Os Sintomas Do Alzheimer

Categoria: Saúde
Pesquisa Sintetiza Composto Que Pode Retardar Os Sintomas Do Alzheimer

RIO - Pesquisa realizada pelo Departamento de Química do Centro Técnico Científico da PUC-Rio conseguiu comprovar que uma substância interfere na interação de biometais com a proteína beta-amilóide, a grande vilã do Alzheimer, o que pode retardar os sintomas e gerar mais qualidade de vida aos pacientes da doença.

A perda de memória recente, a dificuldade em realizar tarefas complexas previamente aprendidas e as alterações de humor e de personalidade acontecem, em parte, por que alguns metais fisiológicos, que circulam naturalmente pelo nosso corpo, aparecem, em grande quantidade, ligados a certas proteínas situadas no cérebro. Sem o acúmulo desses metais, é possível que a progressão seja retardada.

O professor Nicolás A. Rey, coordenador do LABSO-BIO/PUC-Rio, e o aluno de doutorado em Química Leonardo Viana de Freitas estão à frente das pesquisas, feitas em colaboração com pesquisadores do Instituto de Biologia Molecular e Celular de Rosario, na Argentina.

De acordo com Rey, na primeira parte do estudo, realizada no país vizinho, uma proteína de pacientes de Alzheimer, a beta-amilóide, foi testada in vitro em uma técnica chamada ressonância magnética nuclear.

Inicialmente, explica Rey, o composto sintetizado não interagiu diretamente com a proteína. No entanto, quando colocaram em contato com metais como cobre e zinco, ele se ligou à beta-amilóide. Assim, conseguiram retirar da proteína esses metais que são perigosos por vários fatores - como favorecer a agregação da beta amilóide, um dos processos chaves da patologia do Alzheimer, que formam as placas senis.

- O objetivo é diminuir a quantidade desses metais na placa da proteína. Se você não conseguir dissolver a placa, o fato de você tirar metais com certeza já vai diminuir os sintomas. Já é um bom começo - afirmou.

Em seguida, realizaram estudos farmacológicos comparando o composto com os principais que estão sendo desenvolvidos pelo mundo e ele se mostrou extremamente promissor.

Uma vantagem da pesquisa, segundo o professor, é que, por enquanto, ninguém havia usado a hidrazona (classe química do composto) para essa função. Esses testes mostraram, ainda, que a absorção do composto, “pelo menos na teoria”, deve ser “muito boa”, como aponta Rey.

- Ele tem a capacidade de ultrapassar a barreira hematoencefálica. Nem tudo que você bota no cérebro chega ao cérebro. Mas os nossos cálculos indicam que ele chega - disse, complementando que compararam o composto com mais de 3.300 fármacos e 500 outros compostos químicos cuja toxicidade já está bem estabelecida, e concluíram que o composto não é tóxico.

O próximo passo, após ter comprovado que o composto consegue tirar metais da placa e que consegue ser bem tolerado, foram os ensaios em animais, aprovados pelo Conselho de Ética da PUC-Rio.

Os pesquisadores injetaram na barriga de ratos sem a doença neurodegenerativa uma quantidade extremamente elevada da substância para saber o que aconteceria se o ser humano tomasse doses muito altas. Após a injeção, acompanharam os animais ao longo de 72 horas, procurando qualquer tipo de mudança, com o auxílio do departamento de psicologia.

Não foi observada nenhuma mudança no comportamento do grupo de controle, segundo o professor. Os animais continuaram se alimentando, bebendo água, nenhum morreu ou ficou doente.

- Observamos principalmente o cérebro, que é onde a doença age; o fígado, para ver se o composto era metabolizado lá; os rins, já que são os órgãos de excreção; e o coração, para ver a cardiotoxicidade.

Realizamos estudos bioquímicos com esses órgãos - esclareceu Rey. - Dosamos o peptídeo glutationa, que são três aminoácidos que servem como uma proteção de estresse oxidativo. Não houve mudança estaticamente entre os animais tratados com o composto.

Ele ressalta, ainda, que a terapia não propõe a eliminação dos metais, mas a redistribuição, já que no Alzheimer o que se tem, basicamente, é que o cobre, o zinco e o ferro são mal distribuídos.

TERAPIAS ATUAIS ‘POBRES’
Para o professor, atualmente as terapias para o Alzheimer são extremamente pobres, com inibidores e drogas antidepressivas - “basicamente um tratamento paliativo”.

- Se for virar um fármaco, até do ponto de vista econômico seria muito bom. A síntese é muito rápida, muito eficiente, não se joga fora muita coisa. É ambientalmente correto, o subproduto é a água - afirma.

Apesar de os resultados serem animadores, o professor ressalta que ainda há um caminho a percorrer. Não há como seguir com os testes na universidade, já que em algum momento será necessário usar mamíferos superiores.

O artigo descrevendo a síntese desse composto foi publicado na revista “Spectrochimica Acta Part A – Molecular and Biomolecular Spectroscopy”. Além disso, a pesquisa já gerou o pedido de patentes nacional e internacional, através da Agência de Inovação da PUC-Rio.

A próxima etapa será injetar a substância em ratos modelos da doença para observar se os resultados obtidos in vitro irão se repetir no cérebro do animal doente. Testes cognitivos e bioquímicos serão, então, realizados. A doutora Rachel Ann Hauser-Davis, pesquisadora colaboradora do LABSO-BIO, será a responsável pelo estudo.

- Teremos uma série de dados bioquímicos e cognitivos sobre o que está acontecendo no cérebro da cobaia. Se a remoção e redistribuição desses biometais forem confirmadas, o impacto será grande - explica a bióloga.

Os testes devem durar de seis meses a um ano e, tendo sucesso, a pesquisa poderá avançar para a fase de testes clínicos.

No mundo, há mais de 35,6 milhões de pacientes com mais de 60 anos que sofrem do Mal de Alzheimer e outras demências similares. Só no Brasil, estima-se 1,2 milhões de pessoas diagnosticadas com esta doença incurável.


Celso Junior Juniorcis

Título: Pesquisa Sintetiza Composto Que Pode Retardar Os Sintomas Do Alzheimer

Autor: Celso Junior Juniorcis (todos os textos)

Visitas: 0

356 

Comentários - Pesquisa Sintetiza Composto Que Pode Retardar Os Sintomas Do Alzheimer

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios