Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Como evitar plastico no organismo

Como evitar plastico no organismo

Categoria: Saúde
Visitas: 2
Comentários: 1
Como evitar plastico no organismo

Mais de 90% das pessoas possuem plástico no sangue, de acordo com a WebMD. Descobriram há pouco tempo que este fenômeno pode causar doenças cardíacas, obsesidade, abortos e deformações genitais subtis.

Os Ftalatos são produtos químicos flexível em durável. O Bisphenol-A (BPA) é usado em resina expóxi para revestimento e proteção de comida enlatada, garrafas de água e outros produtos. Ambos podem entrar no corpo humano através do contacto. Podem perturbar o sistema endócrino do corpo, e trazer efeitos negativos para o desenvolvimentos, para a reprodução e para os sistemas neurológico e imunológico, de acordo com o Instiuto Nacional de Ciências Ambientais e Saúde.

Estudos recentes feitos nos EUA, na Suécia e em Itália contradizem as diretrizes da Administração de Alimentos e Remédios (FDA - Food And Drugs Administration) sobre os BPA e os ftalato. Mostram que o nível dessas substâncias químicas no sangue, considerado seguro pelo FDA, pode não ser seguro.

Esforços para viver com menos plásticos estão a ganhar impulso em todo o mundo, devido a preocupações com a saúde e com o meio ambiente.

No dia 1 d Outubro, a Apple lançou um aplicativo chamado "Vença as Microesferas". Os utilizadores podem fazer scan a códigos de barras para ver se os produtos contém microesferas plásticas. Por exemplo, alguns cosméticos possuem essas microesferas, que são resíduos de plásticos invisível ao olho humano.

O aplicativo avalia o produto por cores. Verde é seguro; laranja significa que o produto prometeu melhorias; vermelho indica que o produto possui microesferas plásticas, e para as pessoas que desejam evitá-la, é melhor não consumir tal produto.

Aqui estão algumas dicas sobre como fazer pequenas e eficazes alterações no quotidiano para viver com menos plástico no seu sangue:



1. Mantenha-se atento para os seguintes plásticos e evite-os, pode manter uma lista para consulta fácil ao ler os rótulos: DBP (di-n-butil ftalato), DEP (ftalato diético), DEHP (di-ethilhexil) ftalato ou Bis (2-ethilhexil), BzBP (Benzibutil ftalato), DMP (dimethil ftalato) e códigos de reciclagem 3 e 7.

2. Pare de mascar pastilhas elásticas...Todas contém plásticos!

3. Não superaqueça a sua panela aderente. Se a aquecer vazia, pode chegar a mais de 500 graus, ponto em que os produtos químicos saão liberados. Um pássaro morreria respirando esses gases de cozimento.

4. O queijo é normalmente envolvido por plástico. Mas pode comprar uma bola completa de queijo, e mantê-lo em recpientes herméticos de aço, vidro ou enrolado num papel ou frigorífico. Pode também passar um pouco de azeite no lado cortado para evitar a desidratação. Se formar mofo, ele irá se alimentar do óleo e ná do queijo, assim pode simplesmente levá-lo e aproveitar o seu queijo por mais tempo.

5. Em vez usar fita adesiva para papel de embrulho, esxperimente as técnicas furoshiki de embalagem.




6. Evite embalagens plásticas. Faça os seus próprios lanches e condimentos; tente, por exemplo, fazer as suas próprias barras de cereais, iogurte, ketchup e maionese.

7. Compre uma árvore de natal de vidro de verdade, ou compre uma de papelão, madeira ou vidro, ao invés de uma de plásticos.

8. Use biberões de vidro derretido. Se usar garrafas de plástico, não as aqueça. Ao aquecê-las, pode fazer com que o plástico e outros produtos químicos no biberões se lebertem no leite.

9. Não use capas ou recepientes plásticos no micro-ondas, use cerâmica ou toalhas de papel no seu lugar.

10. Carregue no seu carro ou na bicicleta, sacas de materiais para fazer compras. E não esqueça de levá-las consigo quando for comprar comida, roupas e outros produtos. Ou...seja criativo e faça sua própria sacola. Uma camiseta é tudo que você precisa para fazer cinco sacos.




11. Evite roupas feitas de poliéster. acrílico, lycra, elastano e nylon. Estes materiais contém plástico.

12. Beba de canecas reutilizáveis de aço inoxidável ou de cerâmica. As crianças podem levar bebidas para a escola em garrafas Klean Kanteen para crianças, ou alternativas não tóxicas similares para sucos de fruta ou recipientes plásticos livres de BPA.

13. Não compre pão fatiado, ou faça-os você mesmo em casa.

14. Use barra de sabão natural ao invés de sabonetes líquidos que podem conter microesferas plásticas. Pode usá-los como creme de barbear também.

15. No lugar de usar shampoo em garrafa, use bicarbonato de sódio e água para limpar, e vinagre de maça para enxugar (ou compre barras de shampoo natural).

16. Use bicarbonato de sódio misturado com um pouco de óleo como desodorizante. Funciona.

17. Use vidro ou pirex ao invés de plástico para guardar comida.

18. Limpe sua casa com vinagre, água, bicarbonato de sódio e purificadores naturais, ao invés de usar detergentes químicos embalados em plástico.

19. Use absorventes de pano duráveis.


Miguel Pereira

Título: Como evitar plastico no organismo

Autor: Miguel Pereira (todos os textos)

Visitas: 2

609 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    18-04-2014 às 22:35:03

    Muito bom, a Rua Direita agradece sua contribuição no site.

    ¬ Responder

Comentários - Como evitar plastico no organismo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Habitação – Evolução qualidade/Preço

Ler próximo texto...

Tema: Alojamento
Habitação – Evolução qualidade/Preço\"Rua
Hoje vivemos dias muito complicados do ponto de vista económico, uma vez que a nossa sociedade moderna consumista tem acarretado para as famílias a triste ideia de que temos que possuir tudo o que existe para ser possuído.

Relativamente ao assunto especifico da habitação, com o passar dos tempos, as pessoas têm adquirido as suas casas em função do que há no mercado, e este mercado tem evoluído de uma forma perigosa em termos de custos; o que quero dizer com isto, é que há vinte anos atrás, encontrávamos apartamentos no mercado, e tenho por base um apartamento T3 que tinha 3 quartos conforme a tipologia descrita, naquele tempo uma cada de banho, uma sala de estar/jantar conjunta e talvez uma varanda, hoje o mesmo apartamento terá os três quartos, a sala, duas casas de banho das quais uma poderá estar num dos quartos a que passou a chamar-se suite, este apartamento hoje, tem forçosamente que ter pré instalação para aquecimento central, lareira com recuperador de calor, e muito provavelmente aspiração central, ou pelo menos a pré instalação… Assim, quem compra um apartamento hoje, apesar das dimensões de cada divisão estarem diminuídas, o preço foi muito incrementado pelos extras, e depois há ainda que adquirir uma caldeira para fazer funcionar a tal pré-instalação de aquecimento central, os radiadores porque sem eles o dito não funciona, naturalmente o trabalho do técnico… há ainda que adquirir em muitos casos o aspirador propriamente dito para fazer funcionar a aspiração central, e algumas coisas mais, acessórios dos quais, antes não tínhamos necessidade.

Não quero dizer com isto, que estes equipamentos não são úteis, são, mas e aquelas pessoas que compraram os seus apartamentos há uns tempos, cujos espaços não dispunham destas “modernices” como viveram? Como vivem hoje? Provavelmente aqueles que tiveram disponibilidade económica para isso, colocaram nas suas habitações, aquilo que julgaram necessário, não colocaram aquilo que não lhes é útil de todo, por outro lado aqueles que não tiveram disponibilidade económica vivem sem os equipamentos em questão, ou colocam um equipamento à dimensão das suas possibilidades. O real problema é que os referidos equipamentos valorizaram muito mais as habitações em termos de preço de compra do que o valor real dos mesmos, e as pessoas, estão apagar vinte ou trinta anos, para não dizer mais, um bom valor acima do que pagariam sem estas coisas, além disso comprariam aquilo que quisessem e pudessem.

Para além do exposto, a qualidade de construção e acabamentos não melhorou, antes pelo contrário. Hoje o valor das casas está a decair rapidamente, e as pessoas em geral vivem em casas cujos valores atuais de mercado são muito inferiores ao que estarão a pagar durante muito tempo…

Naturalmente o mercado poderá mudar, mas não é esse o caminho que parece seguir.

Pesquisar mais textos:

Ana Sebastião

Título:Habitação – Evolução qualidade/Preço

Autor:Ana Sebastião(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    21-04-2014 às 17:09:01

    A compra seja de apartamento ou casa estão mais caras e nem sempre oferecem serviços como mostram na divulgação. Não é bom financiar, pois custará o dobro. Realmente, o melhor a fazer é buscar preços que têm condições de pagar ou aderir a um consórcio.

    ¬ Responder
  • Sofia Nunes 13-09-2012 às 17:07:44

    Na minha opinião e de acordo com o que tenho observado, a relação qualidade/preço das habitações está a melhorar. E isso não é necessariamente bom, uma vez que é resultado da crise económica. Como refere, o valor das casas está a descer, pelo que se pode comprar uma vivenda pelo preço que há uns anos era de um apartamento. O problema é que, apesar de as casas estarem mais baratas, os compradores não têm dinheiro.

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios