Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > O que é Síndrome do Pânico

O que é Síndrome do Pânico

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Saúde
O que é Síndrome do Pânico

Estima-se que pelo menos uma vez na vida todos nós passaremos por uma situação destas. Facilmente identificável, o Síndrome do Pânico pode acontecer uma vez de forma momentânea, mas pode passar a ser frequente, causando danos na vida de que sofre o ataque de pânico.

Um Ataque de Pânico identifica-se quando aparece a falta de ar, batimento cardíaco acelerado, suor excessivo, tremores, tonturas e uma enorme sensação de que algo terrível vai acontecer. A libertação de adrenalina é extrema o que pode ser potencialmente perigoso. A adrenalina pode provocar alterações fisiológicas como a hiperventilação (durante a hiperventilação, o organismo excreta uma quantidade bastante alta de gás carbónico).

É devido à libertação excessiva do gás que ocorre o aumento no Ph sanguíneo e consequentemente uma Hipo calcemia (redução na fração do cálcio). Os sintomas de vertigens e sensação de desmaio são então inevitáveis.

Um ataque de pânico pode ser súbito e não ter nenhuma causa aparente como excesso de ansiedade, stress, uma discussão ou um grande aborrecimento. Apesar de muitas vezes ser causado por estes fatores, o ataque de pânico pode acontecer subitamente.

Depois de uma crise de pânico, um individuo pode desenvolver medos irracionais que se transformam em verdadeiras e complicadas fobias.
O Síndrome do Pânico é quando um individuo passou por mais do que uma destas experiencia e tem fobia a que volte a suceder. Os fatores sociais também aguçam o Síndrome. A vergonha, o estigma social e o ostracismo são alguns dos receios de um individuo que sofra do Síndrome.

Este transtorno é um problema de saúde grave mas com tratamento. Ocorre geralmente em jovens adultos (alguns com menos de 25 anos), mas manifestam-se mais por volta dos 30 anos.

A eventualidade de ocorrer mais do que uma vez, é indispensável que o individuo recorra a ajuda médica para que possa ser acompanhado e muitas vezes medicado.

O tratamento deve ser feito com um psiquiatra, psicólogo ou psicoterapeuta (em suma, um profissional de saúde mental) e o mais rapidamente possível. Uma ida ao hospital durante um ataque de pânico pode melhorar momentaneamente, mas com o passar dos dias as ocorrências mantem-se, causando ainda mais ansiedade quando os exames médicos nas unidades hospitalares são inconclusivas.

Alguns tratamentos podem incluir antidepressivos, ansiolíticos ou pode ainda ser através de estimulação magnética transcraniana repetitiva (técnica indolor que atinge o cérebro e que é estudada no ramo da neurologia).


Carla Horta

Título: O que é Síndrome do Pânico

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 0

613 

Comentários - O que é Síndrome do Pânico

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios