Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Uma Pseudo Existência

Uma Pseudo Existência

Categoria: Outros
Visitas: 4
Uma Pseudo Existência

A conduta existente para a utilização das redes sociais está implicitamente empregada no pensamento de cada indivíduo desde o nascimento, cabe a cada pessoa saber como utilizá-la, uma vez que o ser humano sofre influências desde o decorrer do nascimento, em que o pensamento passa por transformações ao longo da vida.

Não existe certo e errado, existem apenas as ações e as consequências das atitudes do homem diante da sociedade. A ética não é uma filosofia, é uma ciência que estuda a conduta de cada pessoa. Conduta essa, formada desde o primeiro contato com o mundo exterior junto com a cultura do grupo social em que é criado esse indivíduo, designando o caráter, consequentemente.

O que as pessoas veem ao longo da vida é válido desde o momento em que tomam decisões a partir do que é observado e a vida passa a fazer sentido conforme a mudança de pensamento.

O surgimento de uma rede social provoca a euforia em muitas pessoas, pois uma nova forma de comunicação, por exemplo, deve ser explorada, mas há pessoas que agem com malícia diante de pessoas inocentes, ou seja, essa pessoa agiu com uma conduta diferente e/ou errada comum à sociedade.

Os assassinatos, tragédias, agressões ao homem e a falta de liberdade revelam que nenhum ser humano nasce com atitudes desumanas, a influência do meio em que vive é o que o torna agressor e com a mente psicologicamente atormentada.

Durante muitos anos, filósofos tentaram impor a ética como a melhor forma de se aderir a um bom estilo de vida, impondo até Deus como o meio de se obter a felicidade. Embora não seja assim no século atual, a mídia impõe a felicidade através dos seus vastos meios de comunicação.

Ao se deparar com atitudes incomuns nas redes sociais, a conduta é posta em dúvida e os pensamentos são cada vez mais confrontados com a realidade, de modo que a fragilidade ostenta o ser frágil.

Essa falsa maneira de usarem a internet enfraquece o convívio com os demais grupos sociais, uma vez que a desconfiança se torna parte da rotina.

As agressões se tornam cada vez mais comuns nas redes sociais e ameaças constantes são normais, atingindo, principalmente o modo de viver das pessoas. O confronto com a realidade é um choque e os ânimos se tornam escassos quando há verdades inventadas na internet.

A pessoa por trás de cada comentário feito para atingir especificamente uma pessoa, sofreu algum tipo de trauma no início de sua formação, evidenciando que nem sempre a conduta é formada por influência e, sim, por acontecimentos.

Uma pessoa que se mostra psicologicamente fria, criando fatos para destruir alguém, está completamente fora da realidade, sendo alguém que não existe: uma pseudo existência. Uma realidade que assusta a sociedade.


Larissaalb.

Título: Uma Pseudo Existência

Autor: Larissaalb. Larissaalb. (todos os textos)

Visitas: 4

326 

Comentários - Uma Pseudo Existência

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios