Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Alarde do meu Coração

Alarde do meu Coração

Categoria: Literatura
Alarde do meu Coração

Segredo
Segredo do coração que
Ainda não está na hora de se revelar
Já que grande transformação promete fazer,
Ao ser revelado diante o vendaval,
Diante a chuva que pode,
Ou não sabotar esse segredo que de
Maneira errônea se pode interpretar de maneira
Certa e também errada,
Como o sentido controversos dos sentidos
Que parecem comandar esse coração,
Que como se fosse um carão manobras
Arriscadas faz sem tomar ciência da proporção
De sua destruição que pode ser boa, sem dúvida
Sem o risco descartar o pequeno risco de coisa boa saí
Dessa raiz velha e podre como o coração de quem mata a si
Ou alguém que acorda antes do sol.

No Comando
No comando do meu coração
Está o nosso amor,
Está a nossa história,
Como toda a compaixão como
Vestes do meu perdão agregando um certo
Valor a nossa história já que iluminada por Deus
Foi o meu coração que ao te encontrar
Encontrou uma metade que há tantos anos procurava
Para há tantos anos dedicar à vida,
Como se nada mais importante mais houvesse
No mundo em que o ódio borbulha e o Diabo se orgulha
E a ti entrego-lhe a imagem e a semelhança de Deus.

Agrego-te
Agrego-te em meu peito
Em chamas consumadas por essa paixão
Que tange a arder mais que o calor do sol,
Mais que o fogo,
Em meu coração para que
Cure sua alma de tanto ódio,
De tanta raiva desencadeada pela paixão
Que ao morrer e apodrecer de tanto esperar
Nessa escuridão a qual agrego-te ainda sim
Como uma relíquia,
Como uma mina que ainda há de
Me conceder muitas riquezas e alegrias.

Na Fazenda
Na fazenda em que planto
Somente alegria para colher somente
Momentos de angústia,
Felicidade para colher apenas a infelicidade,
Amor para colher episódios de pudores em relação
A essa emoção tão singela
Que não desmerece o fogo da paixão a qual me exala
Para a chuva ácida ilusória deixar que meteoros de decepção
À essa horta de rosas me visite,
Me honrarei com todo o ódio e
Toda a ilusão tempero do veneno para qualquer história
Que gera qualquer contratempo inesperado.

Há Tempos
Há tempos vejo passar tão rapidamente
A época do amor que faz o sol irradiar em meu coração
O fogo da paixão que ilumina
A minha imensidão mergulhada
Na maldição remediada
Pela escuridão tudo devido
À essa sanguessuga ilusória,
Depressiva em que na cena de profundo ódio,
Se agrava o quadro depressivo até me fazer solicitar
À solidão a sua companhia e
Sua parceria para vencer o vazio e a voz do silêncio
Que cala o meu coração.

Sanguessuga
O sanguessuga da minha alma
Mesmo não sendo esse que o nosso dinheiro
Limpa o bumbum de neném,
Não sendo aquele que compra um tríplex,
Quem enriquece ilicitamente,
Quem explora o ser-humano
Como sendo o seu escravo em pleno século XXI,
Quem rouba o sorriso de uma criança para
Se orgulhar há cada instante que o silencioso choro
De uma criança estuprada ecoa na escuridão matina
E no silêncio angustiante de quem passa por essa situação,
Mesmo que única não seja e por
Quem vê.


Kaique Barros

Título: Alarde do meu Coração

Autor: Kaique Barros (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - Alarde do meu Coração

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os primeiros brinquedos

Ler próximo texto...

Tema: Brinquedos
Os primeiros brinquedos\"Rua
O brinquedo é mais do que um objecto para a criança se divertir e distrair, é também uma forma de conhecer o mundo que tem ao seu redor e para dar asas à sua imaginação. Desta forma, os brinquedos sempre estiveram presentes na sociedade.

Os primeiros brinquedos datam de 6500 anos atrás, no Japão, em que as crianças brincavam com bolas de fibra de bambu. Entretanto há 3000 anos surgiram os piões feitos de argila e decorados, na Babilónia.

No século XIII apareceram os soldadinhos de chumbo, porém só eram acessíveis às famílias nobres. Cinco séculos mais tarde, apareceram as caixas de música, criadas por relojoeiros suíços.

As bonecas são muito antigas, surgiram enquanto figuras adoradas como deusas, há 40 mil anos, mas a primeira fábrica abriu apenas em 1413 na Alemanha. Barbie, a boneca mais famosa do mundo, foi criada em 1959, mas ainda hoje é das mais apetecíveis pelas crianças.

O grande boom dos brinquedos aconteceu quando se descobriu o plástico para o fabrico. Mesmo assim, muitas famílias não podiam comprar brinquedos aos filhos, como tal, estes utilizavam diversos tipos de materiais e construíam os seus próprios brinquedos.

Actualmente, as crianças têm acesso a uma enorme variedade de brinquedos, desde bonecas, a carros telecomandados, a videojogos… Educativos ou apenas lúdicos, há de tudo e para todos os gostos e preços.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Os primeiros brinquedos

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • umdolitoys 23-01-2013 às 05:46:38

    Adorei a reportagem! e tenho algo para vocês verem!!

    Espero que gostem!!!

    ¬ Responder
  • sofia 22-07-2012 às 21:56:29

    Achei muito interecante e muito legal saber que ano foi fabricadoas bonecas

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios