Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Em Busca da Felicidade

Em Busca da Felicidade

Categoria: Literatura
Visitas: 2
Em Busca da Felicidade

A felicidade constitui, sem dúvida, o objectivo mais ansiado por todo o ser humano e em cuja busca assenta o estudo, o matrimónio, o trabalho, as férias e tudo o que compõe a vida. A questão, para lá da evidente subjectividade que o conceito sugere, é o que realmente se faz pela tão almejada felicidade e, já agora, aquilo que se permite destruí-la. Na verdade, por vezes é preciso muito pouco para que esse prazeiroso “inexprimível nada” (concepção de um poeta italiano) seja barbaramente violado.

Definir a felicidade revela-se, à semelhança do que acontece com a generalidade dos termos positivos, substancialmente mais difícil do que fazê-lo relativamente ao seu oposto. Parece que é sempre mais simples dizer o que uma coisa não é do que o que é! Ainda assim, dez autores de língua portuguesa reuniram esforços, ideias e experiências e compilaram nas 144 páginas do livro «Em Busca da Felicidade», reimpresso em 2009 pelas edições Dom Quixote, dez contos inéditos acerca da felicidade, sendo oito deles realmente recentes.

Esta obra contou com a colaboração de três vencedores do Prémio Saramago e de outros nomes sonantes da literatura. Valter Hugo Mãe é, sem dúvida, a grande presença desta colectânea. A sua narrativa incide, como aliás já é hábito, num contexto rural e profundo, tendo, desta feita, como protagonista um sujeito que se envolve com mulheres casadas até as fazer viúvas e depois as deixa. A fábula de Maria do Rosário Pedreira aproxima-se bastante desta espécie de maldição sexual que recai sobre amores libertinos, enquanto Maria Antonieta Preto envereda por algo mais chegado à realidade com um toque de magia.

Maria Dulce Cardoso apresenta uma pequena história de um casal em tempo de descanso, em que nada de espacial ocorre, irrompendo a felicidade como significação de beleza, e de beleza como um estado de espírito de plenitude. Não obstante, a fragilidade deste tipo de pseudo-felicidade é passível de ser abalado por um simples insecto!

José Luís Peixoto antevê a felicidade sexual de um casal antes da consumação do que quer que fosse, sendo o sentimentalismo e o engenho as balizas do programa contido no seu texto.

João Tordo ostenta um estilo mais jornalístico, relatando um caso de tirania racial investigado por um português em Londres. Como não apela ao coração, é pouco envolvente.

Ondjaki imprime uma marca africana, onde os cheiros são componente fundamental (não apenas dos cenários mas também do desejável entrosamento do leitor no contexto) que descrevem, só por si, ambientes, elementos, pessoas e objectos. Pepetela, por seu turno, aporta uma trama revanchista incluindo autores angolanos no exílio.

Lídia Jorge conta a descoberta do cristianismo por duas crianças que não admitem que o Menino deitado nas palhas seja a mesma Pessoa que se vê pregada numa cruz. Inspiradas pela ingenuidade, as crianças fazem desaparecer uma imagem religiosa de grande valor. Lídia Jorge parte de uma suposta memória infantil para diferençar o que no cristianismo é bondade do que é sofrimento (ao contrário de Patrícia Reis, que de forma mais infeliz coloca Deus como personagem). Trata-se de uma ideia de felicidade no âmbito de uma ilusão infantil.


Maria Bijóias

Título: Em Busca da Felicidade

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

676 

Imagem por: Pink Sherbet Photography

Comentários - Em Busca da Felicidade

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios