Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Em Busca da Felicidade

Em Busca da Felicidade

Categoria: Literatura
Visitas: 2
Em Busca da Felicidade

A felicidade constitui, sem dúvida, o objectivo mais ansiado por todo o ser humano e em cuja busca assenta o estudo, o matrimónio, o trabalho, as férias e tudo o que compõe a vida. A questão, para lá da evidente subjectividade que o conceito sugere, é o que realmente se faz pela tão almejada felicidade e, já agora, aquilo que se permite destruí-la. Na verdade, por vezes é preciso muito pouco para que esse prazeiroso “inexprimível nada” (concepção de um poeta italiano) seja barbaramente violado.

Definir a felicidade revela-se, à semelhança do que acontece com a generalidade dos termos positivos, substancialmente mais difícil do que fazê-lo relativamente ao seu oposto. Parece que é sempre mais simples dizer o que uma coisa não é do que o que é! Ainda assim, dez autores de língua portuguesa reuniram esforços, ideias e experiências e compilaram nas 144 páginas do livro «Em Busca da Felicidade», reimpresso em 2009 pelas edições Dom Quixote, dez contos inéditos acerca da felicidade, sendo oito deles realmente recentes.

Esta obra contou com a colaboração de três vencedores do Prémio Saramago e de outros nomes sonantes da literatura. Valter Hugo Mãe é, sem dúvida, a grande presença desta colectânea. A sua narrativa incide, como aliás já é hábito, num contexto rural e profundo, tendo, desta feita, como protagonista um sujeito que se envolve com mulheres casadas até as fazer viúvas e depois as deixa. A fábula de Maria do Rosário Pedreira aproxima-se bastante desta espécie de maldição sexual que recai sobre amores libertinos, enquanto Maria Antonieta Preto envereda por algo mais chegado à realidade com um toque de magia.

Maria Dulce Cardoso apresenta uma pequena história de um casal em tempo de descanso, em que nada de espacial ocorre, irrompendo a felicidade como significação de beleza, e de beleza como um estado de espírito de plenitude. Não obstante, a fragilidade deste tipo de pseudo-felicidade é passível de ser abalado por um simples insecto!

José Luís Peixoto antevê a felicidade sexual de um casal antes da consumação do que quer que fosse, sendo o sentimentalismo e o engenho as balizas do programa contido no seu texto.

João Tordo ostenta um estilo mais jornalístico, relatando um caso de tirania racial investigado por um português em Londres. Como não apela ao coração, é pouco envolvente.

Ondjaki imprime uma marca africana, onde os cheiros são componente fundamental (não apenas dos cenários mas também do desejável entrosamento do leitor no contexto) que descrevem, só por si, ambientes, elementos, pessoas e objectos. Pepetela, por seu turno, aporta uma trama revanchista incluindo autores angolanos no exílio.

Lídia Jorge conta a descoberta do cristianismo por duas crianças que não admitem que o Menino deitado nas palhas seja a mesma Pessoa que se vê pregada numa cruz. Inspiradas pela ingenuidade, as crianças fazem desaparecer uma imagem religiosa de grande valor. Lídia Jorge parte de uma suposta memória infantil para diferençar o que no cristianismo é bondade do que é sofrimento (ao contrário de Patrícia Reis, que de forma mais infeliz coloca Deus como personagem). Trata-se de uma ideia de felicidade no âmbito de uma ilusão infantil.


Maria Bijóias

Título: Em Busca da Felicidade

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

676 

Imagem por: Pink Sherbet Photography

Comentários - Em Busca da Felicidade

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O que é uma Open House?

Ler próximo texto...

Tema: Imóveis Venda
O que é uma Open House?\"Rua
Este é um tema que vem pôr muito a lindo o trabalho de alguns mediadores imobiliários e do seu trabalho.

Quando temos um imóvel para vender, muitos são os métodos a utilizar e os meios que nos levam até eles para termos o nosso objetivo cumprido – A venda da Casa.
Quando entregamos o nosso imóvel para que uma mediadora o comercialize, alguns aspetos têm de ser tidos em conta, como a legalidade da empresa e quem será a pessoa responsável pela divulgação da sua casa, mas a ansia de vermos o negócio concretizado é tanta, que muitas vezes nos escapa a forma como fazem a referida divulgação e publicidade do imóvel.

Entre anúncios na internet e as conhecidas folhas nas montras dos estabelecimentos autorizados, muitas mediadoras optam por fazer uma ação que está agora muito em voga que é uma Open House. Mas afinal, o que é isto de nome estrangeiro que tanto se vê pelas ruas e em folhetos de anúncio?

Ora bem, a designação em Português é muito simples – Casa Aberta. E na realidade, uma Open House é isso mesmo. Abrir uma Casa para que todos a possam ver. NO entanto, requerem-se alguns aspetos que as mediadoras normalmente preveem, mas que é fundamental que o proprietário do imóvel também tenha consciência e conhecimento.

Por norma as imobiliárias só fazem este tipo de intervenção e ação em imóveis que têm como exclusivo, isto é, quando é uma só determinada mediadora, a autorizada a poder comercializar o imóvel.

Em segundo lugar, este tipo de ação de destaque requer à mediadora custos com tempo, recursos humanos e financeiros.
A mediadora começa por marcar um dia próprio que por norma é datado para um feriado ou fim de semana. Faz então publicidade local através de folhetos e flyres anunciando a Open House, o dia e a hora, tal como o local. Muito provavelmente serão tiradas fotografias ao seu imóvel.

Através de redes sociais também poderão ser divulgadas as ações.
No dia da Open House, o local será indicado com publicidade da sua casa e da imobiliária e começarão a aparecer visitas ao imóvel.

Sugiro que não tenha mobiliário e muito menos valores em casa. O ideal será o imóvel estar desocupado de todos e quaisquer bens, por uma questão de segurança, mas também porque as áreas parecerão maiores e isso com toda a certeza ajuda à venda.

A imobiliária será responsável pela limpeza e trato do imóvel, pelo que se ocorrerem danos, serão eles os responsáveis.
Neste tipo de ações, é normal que a concorrência das imobiliárias apareça e faça parcerias que para si só trará vantagens.

Uma Open House pode não ser uma ação de destaque em Portugal, mas por exemplo nos Estados Unidos, é o normal e mais agradável. Os clientes não se sentem pressionados como numa visita normal e os negócios concretizam-se com muito mais rapidez e naturalidade.

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:O que é uma Open House?

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios