Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Poesias da Semana

Poesias da Semana

Categoria: Literatura
Poesias da Semana

Construir
Construir com o amor
Com o fogo que aqui por dentro
Exala incendiando essa mata que com
Suas cerdas parecem me segurar
Até que consiga calar o coração
Que trancafiado na escuridão tenta gritar,
Berrar para a ilusão expulsar,
Para a escuridão perder a sua essência do medo
Para ao meu coração construir um castelo,
Para um esplêndido e
Esmero futuro.

Do Passado
Do passado quero somente
Suas boas lembranças comigo para que
Tanta falta não sinta o meu coração que tanto amou,
Lhe dedicou todo o tempo do mundo
Com a qual sonho em sua companhia que o paraíso
Parece ser,
Preservar em seu coração a essência
Mais delicada de sua vida que ao meu viver
Apenas acrescenta o saber
De sua sabedoria já que não parece
Estar comigo embora o amor nunca se esvaí,
À essa imensidão e seu coração.

Assalto
Assalto à mão armada o
Seu coração junto ao meu evita
O desperdício de paixão que como o fogo
Que incendeia as minas de riqueza da minha vida,
Deixando o meu coração
Chorar de tanta emoção por poder
De se explorar e desenvolver nessa imensidão,
Antes domada pela escuridão
Que me jogou aos braços da solidão
Que sem compaixão minimamente,
Fez dessa paixão uma incógnita prazerosa do coração
[...]
Um pesadelo como se o inferno
De meus piores pesadelos eu vivesse.

Retrato
Retrato de sua imagem
Que não me saí da cabeça que ultimamente
Perturbado por tantos problemas que na minha vida
Sem mais e nem menos se acha ao direito de
Minha trilha interromper sem antes terminar para uma
Nova trilha começar a caminhar encarando todos os
Desafios para que antes nós pudéssemos juntos
Viver o horizonte de um sonho que deixou de ser
Ao virar uma realidade tão simplória
E ao mesmo tempo gostosa por tanto tempo
Que junto passamos juntos e por tantas batalhas
Que somente com o seu amor consegui vencer para que
Em meu coração eu pudesse guardar o que de mais valioso me
Guardou como se uma herança fosse.

No Lixo
No lixo jogo o futuro
Sem nem mesmo saber o que por aí vem
Já que o país de baixo de uma nuvem negra
Parece estar sem mais o que ter para fazer com que
Ela engula de uma vez não dando ao país a glória
Do que é de todos os cidadãos sem o preconceito,
Nem o racismo amanheça uma manhã mais irradiada
Pela luz de um santo,
Dono da Pátria,
Da sua vida e de todos nós que
Por algum motivo tão gostoso que é amar a todos
Aqueles que para o bem vem ao mundo e
Sem que ninguém nas portas de qualquer ambiente
Sofra com a negligência contra a vida e o bem-estar.

Essa Rosa
Essa rosa que todas as manhãs
Lhe presenteio ao nosso café da manhã arrumar
Para que um dia o seu amor eu possa receber como
Presente de seu coração que não
Por piedade seja,
Muito menos por maldade
De seu malcriado coração que envenenado
Pela ilusão se deixou cair na maldição,
Que de cara a uma tela de vidro quebrei
O lustre de ouro que meu coração era devido
À sua alta valorização ao aceitar a rosa que junto a esse
Momento foi abandonado ao martírio de ilusão
Até murchar e morrer ao decorrer do tempo
Que bem devagar demorava a passar.

Para passar
Para passar do coração a ventania
Com poeira e tudo mais que seja acompanhado
Pela ilusão que na maciota,
Até o meu cofre chega arrombando
A porta com tudo que acha pela frente já
Que sua força bruta nem mesmo pode deter,
O que por dentro chega a me fazer viciar sem mais
Com que me possibilizasse a contradição
Da ilusão que percorre acorrentada e
Fazendo pesar em minha alma fazendo com que
Insuportável eu caminhe na escuridão,
Em vão nessa imensidão a que a toda prova
O amor tem que passar para se tornar mais resistente
Há inúmeros vendavais passar tão ileso quanto a alma de
Um anjo que tem que vigiar o meu coração.

Ileso
Ileso o nosso amor passar
Mesmo que flertado pela escuridão
Sejamos sem mais chances para o prodígio
Da paixão que dentre as nuvens tenta se
Desvencilhar de toda a insanidade de quem
Vítima seja da infelicidade atinja
Em cheio essa explosão de felicidade se há
No coração já que um tempo para o último suspiro
A paixão dê como a luz de sua Glória,
Luz do amor de quem nos cedeu a vida lhe tocar
Para que de uma vez cure de seu coração
As suas enfermidades para que ileso a nossa paixão
Viva a eternidade e
Explorando nessa imensidão o que de melhor se há.

O Melhor
O melhor do meu coração para o
Nosso mais sublime amor que se caracteriza
Nas estrelas que nas noites de verão e
Nas serras marítimas dão as caras para o sol
Presente no sorriso de todas pessoas que na diversidade vive
Sem mais indiferença na vida na vida alheia de quem diferente seja,
Embora a igualdade ainda permaneça e,
Aos olhos de Cristo não mais existirá, pois, sua graça
O erradicará da essência de todos brancos e negros que nesse
Mundo viva já que o Universo é tão repleta de diferença e
Diversidade fazendo-o ficar como o arco-íris com uma Gama diversa
De cores, com lemas e dilemas.

Evolução
Evolução da alma no frio do inverno
Em que o coração congela e devagar começa a bater,
Sem rumo e
Nem direção para que não fique sem ação
Nessa imensidão em que a escuridão
Perturba até às mãos da depressão me entregar
De bandeja ao suicídio depressivo por conta
Desse amor que por dentro me corrói e,
Ao mesmo tempo é a ressaca de meu
Tão doente coração que não consegue se desvencilhar
Da ideia maldita de tanto amar sem que
Seu coração console o meu que tanto vê sangrar
E punha uma dor que impeça a evolução
De quem com tanta compaixão
Impôs essa paixão não como uma escolha.

Desacredito
Desacredito nesse amor
Em que nada me consome por inteiro
Sem chance de me dar a chance para o último suspiro,
Último amém a quem tanto dediquei esse calor,
Esse fogo que por dentro me incendeia
A ponto de não me permitir respirar,
Nem me calar diante de tantas inverdades
A qual tenho tanto nojo,
Tanta vergonha por infelizmente
Fazer parte de um mesmo núcleo humanitário
Devido há tantas mentiras em relação ao nosso amor
E a nossa paixão.

Vergonha
De amar quem não nem ao menos
Me considerar como também dono por
Inteiro de seu coração que ao meu se completa,
Sem que ela saiba que aos
Poucos leva a minha vida entrelaçada à sombra
De sua alma que o Céu faz de sua morada pôr o fazer,
Tão rica de sentimentos,
Tão poderosa por me proporcionar a sensação
De leveza à ponto de pela vivência de um sonho poder
Alcançar o universo que tão repleta pela escuridão,
Se vê flertada ou ofuscada por sua Glória divina e,
Dá mesma forma o meu coração tão rude
À sim mesmo não o aceite embora o veja ofuscar
A escuridão.


Kaique Barros

Título: Poesias da Semana

Autor: Kaique Barros (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - Poesias da Semana

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como fazer disfarces de Carnaval

Ler próximo texto...

Tema: Vestuário
Como fazer disfarces de Carnaval\"Rua
O ano começa e depressa chega uma data muito ansiada principalmente pelos mais jovens: o desejado Carnaval!

Esta é uma data que os pequenos adoram e deliram com as fantasias. O problema maior é a despesa que os disfarces representam e no ano seguinte já não usarão o mesmo disfarce ou, no caso dos mais pequenos, já não lhes serve.
O melhor nesta data é mesmo reciclar e aprender a fazer disfarces caseiros utilizando truques mais económicos e materiais reciclados para preparar as fantasias dos pequenitos!

Uma sugestão para os meninos é o traje de pirata que pode facilmente ser criado a partir de peças que tenha em casa. Procure uma camisa de tamanho grande e, de preferência, de cor branca com folhos. Se não tiver uma camisa com estas características facilmente encontrará um modelo destes no guarda-vestidos de alguma familiar, talvez da avó.

Precisará de um colete preto. Na falta do colete pode utilizar um casaco preto que esteja curto, rasgue as mangas pelas costuras dos ombros. As calças devem ser velhas e pretas para poderem ser cortadas na zona das pernas para envelhecer a peça. Coloque um lenço preto ou vermelho na cabeça do menino e, de seguida, com um elástico preto e um pouco de velcro tape um dos olhos.

Para as meninas não faltam ideias originais para fazer disfarces bonitos e especiais para este dia. Uma ideia original é a fantasia de Flinstone. É muito fácil e prática de fazer e fica um disfarce muito bonito. Comece por arranjar um pedaço de tecido branco. Coloque o tecido em volta do corpo como uma toalha de banho e depois amarre num dos braços fazendo uma alça. Depois corte as pontas em ziguezague mantendo um lado mais comprido que o outro. Amarre o cabelo da menina todo no cimo da cabeça, como se estivesse a fazer um rabo-de-cavalo mas alteie-o mais. Com o auxílio de um pente frise o cabelo, pegando nas pontas e passando o pente em sentido contrário até que fique todo despenteado. Numa loja de disfarces compre um osso de plástico e prenda na fita da criança.

Pegue nos materiais, puxe pela imaginação e ponha mãos ao trabalho!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Como fazer disfarces de Carnaval

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    09-06-2014 às 04:01:21

    Não em carnaval, mas em bailes de fantasia, sempre usei o TNT. Eles são ótimos para trabalhar o corte, para costurar e deixa bem bonito!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios