Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Fotografia > Olha o passarinho!

Olha o passarinho!

Categoria: Fotografia
Comentários: 1
Olha o passarinho!

A fotografia compreende uma dúplice arte: saber tirar fotos devidamente enquadradas, com os contrastes correctos, luz óptima, ângulos perfeitos e figurinos a condizer, e possuir um talento inato para se ser fotogénico. Nem toda a gente que diz «cheese» obterá um bom resultado. Em alguns casos, melhor era que aparecessem a comer o queijo! Muitas vezes, a naturalidade e a espontaneidade é que conferem a beleza ao retrato.
Atente-se na despreocupação das crianças perante a objectiva e, apesar disso, elas são, regra geral, modelos fotográficos por excelência. Na realidade, as fotografias comunicam um pouco do estado de espírito vivido na altura.

Para além dos miúdos, também os animais se dão muito bem com as câmaras. A zebra é uma espécie que aparenta ter andado a fazer um curso intensivo e bem sucedido em alguma agência do ramo. Longe de evidenciar medo, aproxima-se e, numa atitude descontraída, vai rodando e circulando, enquanto lança atraentes olhares.

Em circunstâncias em que seja preciso socorrer-se do flash, há que avaliar a intensidade exacta da luz, não aconteça que indivíduos sem qualquer tipo de deformação genética antes do clique surjam, de repente, com olhos vermelhos de albino…! Estragam-se muitas fotografias com este género de erros, parte das quais únicas e irrepetíveis.

As fotos de família proporcionavam, antigamente, bastante trabalho aos fotógrafos. Lá estava a família completa a posar, serenamente, para a posteridade. Com base em registos antigos, é possível construir uma árvore genealógica e, deste modo, apreciar as características e matar saudades dos nossos antepassados.

Dá a sensação que as pessoas de outras épocas, talvez pela raridade com que acediam a estes serviços, davam um valor acrescido àquilo que depois penduravam numa moldura na parede da sala. Hoje, ensaiam-se poses absolutamente ridículas, com expressões calculadas e sorrisos tão artificiais, que a ideia que transparece é a de se estar diante de um anúncio a alguma pasta dentífrica!

Entretanto, os laboratórios da especialidade não têm mãos a medir com a chegada do Verão e dos casamentos em série. Há profissionais com dois ou três compromissos destes num só dia.
Assume-se que, sendo as cadências das imagens todas iguais, bem como a atitude solicitada, os acompanhantes requeridos em cada momento e os fundos que servem de paisagem, o maior esforço diga respeito à exequibilidade de chegar atempadamente a todos os lugares! Até porque a máquina, por força do hábito, já deve saber, por ela própria, o que fazer …
Independentemente de o material utilizado ser caro ou barato, de se ser mais ou menos assistido pela fotogenia, de se revelar necessário realizar uma ou outra montagem, o importante é dar sempre o melhor de si mesmo, porque ficar bem na foto não é para todos…



Maria Bijóias

Título: Olha o passarinho!

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

621 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    05-05-2014 às 05:29:45

    As melhores fotos são aquelas em que menos se espera, ficam mais originais e espontâneas. São engraçadas e causam risos e mais risos. Mas, é bom treinar em casa quando não saímos muito bem, às vezes, um pequeno treino é suficiente!

    ¬ Responder

Comentários - Olha o passarinho!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Habitação – Evolução qualidade/Preço

Ler próximo texto...

Tema: Alojamento
Habitação – Evolução qualidade/Preço\"Rua
Hoje vivemos dias muito complicados do ponto de vista económico, uma vez que a nossa sociedade moderna consumista tem acarretado para as famílias a triste ideia de que temos que possuir tudo o que existe para ser possuído.

Relativamente ao assunto especifico da habitação, com o passar dos tempos, as pessoas têm adquirido as suas casas em função do que há no mercado, e este mercado tem evoluído de uma forma perigosa em termos de custos; o que quero dizer com isto, é que há vinte anos atrás, encontrávamos apartamentos no mercado, e tenho por base um apartamento T3 que tinha 3 quartos conforme a tipologia descrita, naquele tempo uma cada de banho, uma sala de estar/jantar conjunta e talvez uma varanda, hoje o mesmo apartamento terá os três quartos, a sala, duas casas de banho das quais uma poderá estar num dos quartos a que passou a chamar-se suite, este apartamento hoje, tem forçosamente que ter pré instalação para aquecimento central, lareira com recuperador de calor, e muito provavelmente aspiração central, ou pelo menos a pré instalação… Assim, quem compra um apartamento hoje, apesar das dimensões de cada divisão estarem diminuídas, o preço foi muito incrementado pelos extras, e depois há ainda que adquirir uma caldeira para fazer funcionar a tal pré-instalação de aquecimento central, os radiadores porque sem eles o dito não funciona, naturalmente o trabalho do técnico… há ainda que adquirir em muitos casos o aspirador propriamente dito para fazer funcionar a aspiração central, e algumas coisas mais, acessórios dos quais, antes não tínhamos necessidade.

Não quero dizer com isto, que estes equipamentos não são úteis, são, mas e aquelas pessoas que compraram os seus apartamentos há uns tempos, cujos espaços não dispunham destas “modernices” como viveram? Como vivem hoje? Provavelmente aqueles que tiveram disponibilidade económica para isso, colocaram nas suas habitações, aquilo que julgaram necessário, não colocaram aquilo que não lhes é útil de todo, por outro lado aqueles que não tiveram disponibilidade económica vivem sem os equipamentos em questão, ou colocam um equipamento à dimensão das suas possibilidades. O real problema é que os referidos equipamentos valorizaram muito mais as habitações em termos de preço de compra do que o valor real dos mesmos, e as pessoas, estão apagar vinte ou trinta anos, para não dizer mais, um bom valor acima do que pagariam sem estas coisas, além disso comprariam aquilo que quisessem e pudessem.

Para além do exposto, a qualidade de construção e acabamentos não melhorou, antes pelo contrário. Hoje o valor das casas está a decair rapidamente, e as pessoas em geral vivem em casas cujos valores atuais de mercado são muito inferiores ao que estarão a pagar durante muito tempo…

Naturalmente o mercado poderá mudar, mas não é esse o caminho que parece seguir.

Pesquisar mais textos:

Ana Sebastião

Título:Habitação – Evolução qualidade/Preço

Autor:Ana Sebastião(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    21-04-2014 às 17:09:01

    A compra seja de apartamento ou casa estão mais caras e nem sempre oferecem serviços como mostram na divulgação. Não é bom financiar, pois custará o dobro. Realmente, o melhor a fazer é buscar preços que têm condições de pagar ou aderir a um consórcio.

    ¬ Responder
  • Sofia Nunes 13-09-2012 às 17:07:44

    Na minha opinião e de acordo com o que tenho observado, a relação qualidade/preço das habitações está a melhorar. E isso não é necessariamente bom, uma vez que é resultado da crise económica. Como refere, o valor das casas está a descer, pelo que se pode comprar uma vivenda pelo preço que há uns anos era de um apartamento. O problema é que, apesar de as casas estarem mais baratas, os compradores não têm dinheiro.

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios