Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Balzaquianas

Balzaquianas

Categoria: Literatura
Visitas: 10
Comentários: 6
Balzaquianas

Um romance escrito no início das mudanças sociais provocadas pela Revolução Francesa fez Balzac virar um adjetivo, mesmo que involuntariamente: balzaquiana ou mulher balzaquiana, que significa MULHER DE TRINTA ANOS (nome de seu romance).

Na época Balzac quis retratar a diferença entre um homem jovem de 30 anos com uma mulher velha de 30 anos. O que não deixa de ser verdade na França deste período uma vez que as francesas viviam até 40 anos. No Brasil, na mesma época as mulheres viviam até 29 anos! A partir de sua obra, as heroínas de romances passaram a ter mais de vinte anos ou seja, as mulheres mais velhas começaram a ter direito ao amor (pelo menos nos livros)!

Se analisarmos os últimos 210 anos da mulher no mundo (idade de Balzac se estivesse vivo) veremos que a mulher mudou para melhor: vivemos mais (a média mundial é de setenta e cinco anos), temos mais saúde, melhor aparência. Não precisamos mais pegar água no rio, com lata na cabeça para os afazeres domésticos, ou mesmo lavar roupa nas pedras do mesmo rio. Temos água encanada, máquina de lavar roupas, lavadora de louças, sabão de boa qualidade. Temos vida “boa”, se analisarmos apenas este aspecto. Não precisamos mais ficar expostas horas ao sol em trabalhos braçais ou caminhando longas distâncias. Hoje o sol é lazer, preferencialmente com muito filtro solar.

Escolhemos nossos maridos e decidimos se queremos filhos. Não ficamos mais para “titias” se não casarmos, virgindade é algo pessoal e não obrigação. Votamos e somos votadas.

No romance, Balzac destacava algumas “qualidades” da mulher de trinta:
-sabe rir das situações embaraçosas;
-não cede, escolhe;
-experiente, dá mais do que ela mesma;
-a jovem desonra-se sozinha, enquanto a mulher de trinta nunca perde a honra.

Embora eu acredite que os nossos predicativos atuais são importantes para a época atual, é interessante reler a história e ver o que foi deixado para trás e o que ainda carregamos.

Balzac foi o primeiro a tecer críticas severas ao matrimônio: "casada, ela deixa de se pertencer, é a rainha e a escrava do lar”.

Não existem mais mulheres "velhas", balzaquianas ou não. Existem mulheres com a sua beleza, sua história, na sua idade, seja ela qual for. Já fomos libertadas do estigma da idade, não só no físico, mas principalmente em nosso psicológico!

Garanto que se hoje Balzac se deparasse com uma mulher de trinta atual ficaria encantado (depois de refeito do susto) pois hoje com trinta é quando a mulher começa a florescer, de fato!



Rosana Pegoraro

Título: Balzaquianas

Autor: Rosana Pegoraro (todos os textos)

Visitas: 10

650 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 6 )    recentes

  • Mateus Mussinati gouveaMateus Mussinati gouvea

    26-02-2011 às 06:21:35

    @Rosana
    Olá Rosana,tudo bem? Não sei se esse comentário vai pra VC!!! Se for me de uma resposta,ok? Seu Amigo Mateus.Estou com problemas no outro endereço de email,aquele q VC conhece,pois acho q VC percebeu q faz tempo q não te respondo nada,ok? Me de noticias nesse email acima ok,forte abraço pra VC. Atenc:Mateus.27-02-2011.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoRosana

    09-01-2011 às 20:38:43

    @Aldo
    Com exato um ano de atraso, te digo para presenteá-la com algum da safra mais antiga de Sidney Sheldon.
    Espero que ainda dê tempo...rsrs.

    Bjs

    ¬ Responder
  • AldoAldo

    11-01-2010 às 16:22:31

    Quero presentear uma balzaquiana, de preferência com um livro inerente à faixa etária e busco sugestão. Me ajudam?

    ¬ Responder
  • FlavioFlavio

    24-09-2009 às 14:49:16

    Ola amiga, gostei..., e seu pensamento é verdadeiro diante de nossa realidade, isso mostra a evoluçao dos tempos mesmo nos pensamentos e opinioes de epoca, assim como o seu pensamento de hj, q amnha podera ter outra interpretaçao ate mesmo por outra mulher nos seus dias atuais. Porem, quero crer q essa idade dos trinta na mulher, sempre sera bem vista e muito desejada, tanto por mulheres qto pelos seus admiradores, a mulher balzaquiana sempre sera explendorosa, atraente e significativa.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoOsmar Losano

    24-09-2009 às 01:46:52

    É um texto que dispensa comentários... concordo em número, gênero e grau. O que posso adicionar é que a mulher se libertando, mostra muito mais potencialidades que os homens. Se multiplicam nos afazeres sem perder nem a pose e nem a beleza....rs. Para nossa felicidade....

    ¬ Responder
  • james christianjames christian

    07-07-2009 às 22:20:01

    achei o texto muito lúcido e coerente. penso eu que seria o que Balzac diria hj. parabéns à escritora

    ¬ Responder

Comentários - Balzaquianas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios