Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Direitos masculinos

Direitos masculinos

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 8
Comentários: 7
Direitos masculinos

A mulher foi à luta e conseguiu muitas coisas desde então, entre eles: o direito à herança, direito ao voto, a exercer funções/profissões que antes eram exclusivamente masculinas.

Mas os homens também saíram ganhando!

Diante de uma mulher forte, independente, o homem pode se fragilizar (no bom sentido), expor seus sentimentos.

Na atual geração, o homem curte junto com a mulher a criação dos filhos: dá banho, beija mesmo sendo menino, troca fraldas e não por obrigação, mas num ritual que solidifica o amor paterno, o que antes só acontecia com as mulheres.

Antigamente um homem jamais poderia beijar um filho homem. Manifestar o seu afeto por sua prole era algo inconcebível para um “macho”, o que mantinha uma distância até injusta com a figura da qual o filho recebe cinqüenta por cento de herança genética entre outras coisas. O pai era uma pessoa temida e muitas vezes odiada.

Para o homem ser feliz hoje ele tem que primeiro se livrar das amarras do passado, em que era apenas o homem que provia a casa e esperava da mulher a figura da mãe, da empregada e reprodutora. Livre dos tabus e preconceitos, ele verá que hoje tem uma companheira em todos os sentidos, uma mulher que além de administrar a casa, também vai à luta para a suster, é amiga, mãe e amante.

Perceberá que a família tem um sentido unificado com laços de amor e amizade.

Então, homem contemporâneo: viva, usuflua de bons momentos com seus filhos, com a mulher de sua vida. Os tempos mudaram, algumas coisas não são como gostaríamos mas outras evoluíram para melhor. Tudo é uma questão de se adaptar ou ficar preso à dogmas que tiveram seus motivos para existir mas não neste tempo.

Viva a liberdade de poder brincar, de poder vestir uma blusa rosa e nem por isso ter sua sexualidade questionada. Viva a liberdade de poder chorar, pois no tempo de nossos avós e bisavós homens não choravam. Não mesmo? Então por que nasceram com canais lacrimais iguais às mulheres?

Homem chora sim e não é vergonha nenhuma. Homens fracassam, tem planos que não resultam no que queriam e podem sempre voltar atrás e começar tudo novamente. Isso se chama mudança de planos. Também um direito do homem.

A vida é curta e o momento para viver e ser feliz é hoje.

“...deixar para ser feliz amanhã é uma forma de ser infeliz.” Roberto Shinyashiki


Rosana Pegoraro

Título: Direitos masculinos

Autor: Rosana Pegoraro (todos os textos)

Visitas: 8

655 

Imagem por: Alyssa L. Miller

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 7 )    recentes

  • natan machado

    28-05-2014 às 12:36:41

    Estamos no século XXI, onde a relação Homem e Mulher, se transformaram em ordenamentos diferentes, o qual a cada um deles defendem de forma formal ou informal seus direitos, "lutam" bravamente diante de situações sociais, quer no campo Familiar, social, Profissional e Pessoal.
    Acreditamos que divisões são manifestadas, quando rompe todos os desejos de outrora, quando deles apenas um lado é vencedor.
    O Direito da Mulher transferiu ao Homem toda a responsabilidade diante dos seus Direitos, obtidos pelo Erro do Homem, o qual transferiu-se Direitos e DEVERES estes sobre aqueles, que por sua vez, se afunilam a cada período de concessão a mulher; não que seja diminuído seus direitos, mas que também seja relevantes o direito do da classe Masculina.
    Enumeras transformações e outros seriam simplesmente ir de encontra a Liberdade e a Democracia, mas sabemos que HOJE, as mulheres no sentido amplo determinam mas do que os homens, quando se vê Constituída do seus Direitos.

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    26-05-2014 às 06:23:48

    É notório ver as mudanças nestes últimos dias por parte dos homens. Mesmo com toda a modernidade, eles têm se destacado muito mais que as mulheres. Parece que as coisas ficaram invertidas: eles querem um compromisso, elas querem apenas curtir...
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • Carla HortaCarla Horta

    16-09-2012 às 19:35:07

    Numa sociedade em que se lutam e se fala tanto nos direitas das mulheres, não reparamos que os homens também ficam a ganhar. Parabéns pelo texto que explica muito bem que a liberdade das mulheres foi também um ganho para os homens. Por trás de um grande homem, está sempre uma grande mulher, mas agora o inverso também existe. A igualdade trás felicidade.

    ¬ Responder
  • RosanaRosana

    15-12-2009 às 12:24:53

    @jose medeiros
    Sou a autora do texto e sou brasileira. O texto fala sobre evolução emocional que ocorreu e ocorre em todo o mundo, não só no Brasil ou Portugal.

    ¬ Responder
  • Glaucia AlvesGlaucia Soares

    15-12-2009 às 10:38:11

    O texto parte de uma simples observação cotidiana e social, mas que poucos param para refletir. A nossa sociedade se transforma e nesse atual cenário, homens ganham com a nova mulher e mulheres ganham com o novo homem, nascido das atuais exigências femininas.

    A beleza de um texto, entre outras características, baseia-se na capacidade de observação do autor e em relação a isso, o artigo demonstra uma sensibilidade objetiva diante da realidade, despercebida por muitos.

    Parabéns pela capacidade de absorver as realidades cotidianas

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãotiago N.

    14-12-2009 às 22:55:17

    @jose medeiros
    Afortunadamente o teu comentário não demonstra nenhum indicio de superioridade ou arrogância. Que bom haver pessoas como Tu para recordar aos Portugueses o significado da Humildade.
    Seguramente tens de ser uma pessoa muito inteligente para te teres dignado a escreveres um comentário tão profundo.
    Obrigado.

    ¬ Responder
  • Renato do Nascimento Diasjose medeiros

    14-12-2009 às 18:07:33

    vces portugueses ja observaram que vces tem um ar de superioridade,aqui na Europa vces nao sao nada, agora ja pensou mundialmente, vces tem quer ter mais humildade, ai sim quem sabe daaqui 100 anos vces ganham alguma coisa, respeito com os outros paises, q estao na frente de vces, e que sao muitos....

    ¬ Responder

Comentários - Direitos masculinos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: DVD Filmes
Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.\"Rua
Este texto irá falar sobre o filme Ex_Machina, nele podem e vão ocorrer Spoillers, então se ainda não viram o filme, vejam e voltem depois para lê-lo.

Impressões iniciais:

Ponto para o filme. Já que pela sinopse baixei a expectativa ao imaginar que era apenas mais um filme de robôs com complexo de Pinóquio, mas evidentemente que é muito mais que isso.

Desde as primeiras cenas é possível perceber que o filme tem algo de especial, pois não vemos uma cena de abertura com nenhuma perseguição, explosão ou ação sem propósito, típica em filmes hollywoodianos.
Mais um ponto, pois no geral o filme prende mais nos diálogos cerebrais do que na história em si, e isso é impressionante para o primeiro filme, como diretor, de Alex Garland (também roteirista do filme). O filme se mostrou eficiente em criar um ambiente de suspense, em um enredo, aparentemente sem vilões ou perigos, que prende o espectador.

Entrando um pouco no enredo, não é difícil imaginar que tem alguma coisa errada com Nathan Bateman (Oscar Isaac), que é o criador do android Ava (Alicia Vikander), pois ele vive isolado, está trabalhando num projeto de Inteligência Artificial secreto e quando o personagem orelha, Caleb Smith (Domhnall Gleeson), é introduzido no seu ambiente, o espectador fica esperando que em algum momento ele (Nathan) se mostrará como vilão. No entanto isso ocorre de uma forma bastante interessante no filme, logo chegaremos nela.

Falando um pouco da estética do filme, ponto para ele de novo, pois evita a grande cidade (comum nos filmes de FC) como foco e se concentra mais na casa de Nathan, que fica nas montanhas cercadas de florestas e bastante isolado. Logo de cara já é possível perceber que a estética foi pensada para ser lembrada, e não apenas um detalhe no filme. A pesar do ambiente ser isolado era preciso demonstras que os personagens estão em um mundo modernizado, por isso o cineasta opta por ousar na arquitetura da casa de Nathan.

A casa é nesses moldes novos onde a construção se mistura com o ambiente envolta. Usando artifícios como espelhos, muitas paredes de vidro, estruturas de madeira e rochas, dando a impressão de camuflagem para a mesma, coisa que os ambientalistas julgam favorável à natureza. Por dentro se pode ver de forma realista como podem ser as smart-house, não tenho certeza se o termo existe, mas cabe nesse exemplo. As paredes internas são cobertas com fibra ótica e trocam de cor, um efeito que além de estético ajuda a criar climas de suspense, pois há momentos onde ocorrem quedas de energia, então fica tudo vermelho e trancado.

O papel de Caleb á ajudar Nathan a testar a IA de AVA, mas com o desenrolar da história Nathan revela que o verdadeiro teste está em saber se Ava é capaz de “usar”, ou “se aproveitar” de Caleb, que se demonstra ser uma pessoa boa.

Caleb é o típico nerd introvertido, programador, sem amigos, sem família e sem namorada. Nathan também representa a evolução do nerd. O nerd nos dias de hoje. Por fora o cara é careca, barbudão com uns traços orientais (traços indianos, pois a Índia também fica no Oriente), bebê bastante e ao mesmo tempo malha e mantém uma dieta saudável pra compensar. E por dentro é um gênio da programação que criou, o google, o BlueBook, que é um sistema de busca muito eficiente.

Destaque para um diálogo sobre o BlueBook, onde Nathan fala para Caleb:
“Sabe, meus concorrentes estavam tão obcecados em sugar e ganhar dinheiro por meio de compras e mídia social. Achavam que ferramenta de pesquisa mapeava O QUE as pessoas pensavam. Mas na verdade eles eram um mapa de COMO as pessoas pensavam”.

Impulso. Resposta. Fluido. Imperfeição. Padronização. Caótico.

A questão filosófica vai além disso esbarrando no conceito de “vontade de potência”, de Nietzche, mas sobre isso não irei falar aqui, pois já há textos muito bons por aí.

Tem outra coisa que o filme me lembrou, que eu não sei se é referência ou se foi ocasional, mas o local onde Ava está presa e a forma como ela fica deitada num divã, e questiona se Caleb a observa por detrás das câmeras, lembra o filme “A pele que habito” de Almodóvar, um outro filme excelente que algum dia falarei por aqui.

Talvez seja uma versão “O endoesqueleto de metal e silicone que habito”, ou “O cérebro positrônico azul que habito”, mesmo assim não podia deixar de citar a cena por que é muito interessante.

Pesquisar mais textos:

Jhon Erik Voese

Título:Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.

Autor:Jhon Erik Voese(todos os textos)

Imagem por: Alyssa L. Miller

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Suassuna 11-09-2015 às 02:03:47

    Gostei do texto, irei conferir o filme.

    ¬ Responder
  • Jhon Erik VoeseJhon Erik Voese

    15-09-2015 às 15:51:02

    Que bom, obrigado! Espero que goste do filme também!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios