Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Este país não é para velhos

Este país não é para velhos

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Comentários: 1
Este país não é para velhos

Quando pensamos nesta expressão – este país não é para velhos – pensamos em filmes, êxitos cinematográficos, atores fabulosos. Mas o país de que quero falar nada tem de fantasioso.
Este é o meu país, Portugal, um país que não é para velhos. E porquê?

Quem vive neste pequeno rectângulozinho sabe que todos os dias, milhares de pessoas lutam pela sua sobrevivência. Desses milhares de pessoas, grande parte são idosos, que pela sua idade não têm já muita resistência em condições normais… quanto mais em condições de vida degradadas.

Em Portugal temos idosos a viver com reformas de 300€ (substancialmente inferiores ao ordenado mínimo nacional). Feitas as contas, considerando um casal com uma casa pequena alugada, acabam por ter cerca de 250€. Esse dinheiro divide-se em luz, gás, água, comida, medicamentos… Isto claro, admitindo que não tenham problemas de controle urinário ou outros, que implicam fraldas e outros tipos de cuidados específicos.

Para além do valor das reformas, os idosos estão cada vez mais a perder os seus direitos. Descontos nos transportes, isenções na saúde e nos medicamentos e outras facilidades foram-se perdendo aos poucos.

Para além de todos estes problemas, temos ainda outro problema: onde deixar um idoso que não tem capacidade para viver sozinho?

A resposta que geralmente é dada é ficar com os filhos ou família. No entanto, essas pessoas, geralmente mais novas, têm emprego, o que os impossibilita de tomarem conta dos mais velhos.
A segunda resposta plausível seria um lar. No entanto, os lares são caros, bem acima do valor das reformas. Mesmo os lares que afirmam pedir só uma percentagem da reforma do idoso, acabam por exceder essa percentagem em muito (e logicamente não dão prioridade a idosos com reformas de 300€ mensais).

O preço dos lares obriga, assim, alguns filhos a porem os seus pais em lares de condições duvidosas, pouco higiénicos, sem atividades… Mas mesmo assim os únicos acessíveis. Isto deixa sempre uma consciência pesada num filho, pois as suas hipóteses são reduzidas: não pode deixar o seu emprego, contratar uma pessoa para tomar conta do pai ou mãe sai caro e não os pode deixar a viver sozinhos.
A minha questão é: que país é este em que vivemos, onde pessoas trabalham durante uma vida, para nem sequer terem uma velhice garantida?

Se algum de vós me souber responder, digo-vos: voto em vocês para as próximas eleições.


Patrícia Carvalho

Título: Este país não é para velhos

Autor: Patrícia Carvalho (todos os textos)

Visitas: 0

604 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoCarlos

    02-07-2012 às 11:23:48

    O problema de hoje em dia já é conhecido e é verdade.. Mas onde realmente estão os problemas? Em vários sítios na realidade, começa nos tempos dos nossos avós, pois são essas pessoas que hoje tem as reformas muito baixas.
    Bem na altura a vida era difícil, e uma maneira que as pessoas tinham de garantir a sobrevivência era ter muitos filhos e coloca-los desde cedo a trabalhar para ganharem dinheiro para a família. O grande problema é que com 14 anos não se sabe nada de nada, e foram sempre ensinados a não ter opinião pois os mais velhos tinham sempre razão. Ou seja muitas das vezes estes eram explorados, recebendo salários muito pequenos não dava para ficarem com praticamente nada, pois davam-no todo a família.
    Esse problema juntamente com o de não efectuarem descontos agravou ainda mais a situação.
    É verdade essas pessoas não tem culpa nenhuma disso, e não merecem ser castigadas por coisas que não existiam na altura, etc... Mas neste momento é o que temos, não temos hipótese para mais. Pode ser que um dia quando as pessoas perceberem que a vinha e ganha com trabalho pode ser que os nosso idosos não se tenham que preocupar com isso, pois a suficiente para todos.

    ¬ Responder

Comentários - Este país não é para velhos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os primeiros brinquedos

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Brinquedos
Os primeiros brinquedos\"Rua
O brinquedo é mais do que um objecto para a criança se divertir e distrair, é também uma forma de conhecer o mundo que tem ao seu redor e para dar asas à sua imaginação. Desta forma, os brinquedos sempre estiveram presentes na sociedade.

Os primeiros brinquedos datam de 6500 anos atrás, no Japão, em que as crianças brincavam com bolas de fibra de bambu. Entretanto há 3000 anos surgiram os piões feitos de argila e decorados, na Babilónia.

No século XIII apareceram os soldadinhos de chumbo, porém só eram acessíveis às famílias nobres. Cinco séculos mais tarde, apareceram as caixas de música, criadas por relojoeiros suíços.

As bonecas são muito antigas, surgiram enquanto figuras adoradas como deusas, há 40 mil anos, mas a primeira fábrica abriu apenas em 1413 na Alemanha. Barbie, a boneca mais famosa do mundo, foi criada em 1959, mas ainda hoje é das mais apetecíveis pelas crianças.

O grande boom dos brinquedos aconteceu quando se descobriu o plástico para o fabrico. Mesmo assim, muitas famílias não podiam comprar brinquedos aos filhos, como tal, estes utilizavam diversos tipos de materiais e construíam os seus próprios brinquedos.

Actualmente, as crianças têm acesso a uma enorme variedade de brinquedos, desde bonecas, a carros telecomandados, a videojogos… Educativos ou apenas lúdicos, há de tudo e para todos os gostos e preços.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Os primeiros brinquedos

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • umdolitoys 23-01-2013 às 05:46:38

    Adorei a reportagem! e tenho algo para vocês verem!!

    Espero que gostem!!!

    ¬ Responder
  • sofia 22-07-2012 às 21:56:29

    Achei muito interecante e muito legal saber que ano foi fabricadoas bonecas

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios