Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > ...e viveram felizes para sempre!

...e viveram felizes para sempre!

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 2
Comentários: 3
...e viveram felizes para sempre!

Ano após ano a mulher foi criada com a ideia de que só começaria a ser feliz depois que se casasse. E infelizmente essa ideia continua a ser plantada em nossas meninas através de filmes, novela, livros. No último capitulo das novelas sempre tem um (ou mais) casamento. É o tal final feliz ou “...e viveram felizes para sempre”.

A felicidade como um estado pleno não existe e se existisse se tornaria algo tão comum, tão sem graça que não a valorizaríamos.

Felicidade existe sim, mas em momentos: somos felizes e infelizes na infância, na adolescência, quando casamos, descasamos, no nascimento dos filhos, dos netos...

Mas deixar sua felicidade na responsabilidade de outra pessoa, além de não ser justo para com esta outra pessoa, é deixar de ser feliz hoje com o que tem, com o que sente, com o que você é.

Nada mais prazeroso do que estudar, se encontrar numa profissão, num esporte, descobrir o mundo, fazer o que gosta e de repente acrescentar em sua vida um cúmplice, um companheiro para somar a sua vida outras idéias, outra criação, outros valores.

A mulher idealiza o casamento: a cerimônia, o vestido de noiva, as alianças, a festa de receção, as lembrancinhas, os presentes, a viagem de lua de mel... Acredita realmente que seu noivo seja um príncipe, daqueles dos contos de fadas mas quando acorda do sonho, descobre-se casada com um sapo e com uma casa para cuidar (lavar, passar, cozinhar).

Ninguém prepara os noivos para o casamento das famílias: vai ter que conviver, pacificamente se possível, com os pais, irmãos, sobrinhos, toda a família um do outro...

É possível ser feliz após o casamento?

Sim, é possível, desde que desmistifique algumas figuras idealizadas: com exceção de poucos da realeza européia, os homens não são príncipes, assim como as mulheres não são princesas.

Um dos  maiores erros da mulher é achar que pode mudar o homem (não pode, eles não mudam e têm orgulho disso) e os homem acharem que a sua mulher nunca vai mudar (elas mudam e nem sempre para melhor). Sabedores destas peculiaridades psicológicas, vá em frente. Case! Tenha momentos felizes e outros nem tanto, pois isso faz parte do pacote chamado vida!


E acima de tudo não sonhe com família de propaganda de margarina, pois elas não existem. E ainda bem por isso, pois ter uma vida previsível, certinha seria bastante tedioso, algo que também não segura casamento.

Casamento é antes de tudo uma parceria, viver com alguém para dividir a vida e seu cotidiano.


Rosana Pegoraro

Título: ...e viveram felizes para sempre!

Autor: Rosana Pegoraro (todos os textos)

Visitas: 2

778 

Imagem por: Sabrina Campagna

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    17-08-2014 às 23:15:49

    A felicidade tem muito a ver com satisfação interior. Temos momentos bons e ruins na vida, mas quem entende sobre si mesma sabe que independente de tudo, está satisfeita, ou seja feliz, porque é justamente uma decisão da pessoa e não um estado, um sentimento. Um dia a gente sente algo, no outro, não sente mais, então, não dá pra viver assim. Temos que viver o melhor de nós: amando, alegrando, trabalhando, estudando, viajando e tendo também um companheiro que complemente isso!

    ¬ Responder
  • Wallace RandalWallace Randal

    16-09-2012 às 20:12:24

    Adorei seu texto, você tem toda a razão. A felicidade é algo que pode ser conquistado de várias formas, e o casamento pode ser incluído. Mas não significa que ele pode mantê-lo. Relacionamentos são difíceis e é uma construção para todas as pessoas. E com certeza devemos montar uma família apenas quando nos sentirmos seguros com quem estamos, para que não haja arrependimentos futuros. O divórcio não é ruim, ruim são suas consequências.

    ¬ Responder
  • Glaucia AlvesGLAUCIA ALVES

    13-01-2010 às 19:20:52

    É bom saber que hoje em dia, apesar das pressões sociais e familiares, muitas mulheres já descobriram que não é preciso estar casada para se sentir realizada.
    Muitos casamentos e relacionamentos acabam não dando certo, porque nos sentimos tão desesperadas e pressionadas para encontrar alguém que fingimos não enxergar certos defeitos ou exageramos certas qualidades.
    Há muita coisa que se fazer, ver, ler e viver e se por enquanto não há ninguém bacana por aí ou se estamos focadas em outras coisas, devemos viver conforme nossas próprias verdades e deixar de lado esses modelos pré-estabelecidos de vida que acabam nos aprisionando. O importante é viver de acordo com nossas próprias verdades!

    ¬ Responder

Comentários - ...e viveram felizes para sempre!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: Sabrina Campagna

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios