Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > História do Amazônia

História do Amazônia

Categoria: Outros
História do Amazônia

O espanhol Vicente Pizón chegou pela primeira vez à foz do rio Amazonas em 1500, praticamente ao mesmo tempo em que o português Pedro Alves Cabral apontava na ilha de Vera Cruz (chamada atualmente de Porto Seguro). Segundo alguns historiadores, Pizón chegou primeiro na região que hoje é chamada o porto do Mucuripe, no estado do Ceará, em janeiro. Já Cabral chegou ao mês de maio e depois seguiu para o norte aonde chegou à foz do rio Amazonas, batizado por ele mesmo de Mar Dulce, ou seja, Mar Doce. As outras expedições para a região amazônica, no entanto, só voltaram a acontecer, mais intensamente, praticamente 100 anos depois já no século 17 em 1616, os jesuítas fundarão a cidade de Belém.

A economia se baseou na exportação de recursos naturais como a madeira, droga do sertão, pescado e extração do cacau. A região começou a chamar atenção do Brasil e do mundo a partir da segunda metade do século 19, quando a demanda por borracha nos países criou seu principal ciclo econômico. Extraída das seringueiras, a borracha foi à responsável por grandes riquezas nunca vista na região. Saiba que Belém foi à primeira cidade brasileira a ter luz elétrica nas ruas. Já com toda esta história foi possível começar a criar o plano que deu inicio a destruição do Amazonas. Criando o plano de incentivo para a exportação econômica da região. Pois primeiro foi criado à superintendência do plano de valorização econômico da Amazônia (SPVEA), que priorizou a exploração de borracha e cacau. O órgão acabou sendo substituído em 1966, pela Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia, ou seja, Sudam, o órgão foi um dos principais financiadores dos chamados “grandes projetos” da região.

O modelo incentivou a construção da usina hidrelétrica como Tucuruí, a implantação do pólo Carajás de exportação mineral, onde foi instalada a companhia do vale rio doce além da inacabada rodovia Transamazônica. O governo militar também iniciou uma campanha de povoamento da região, com o slogan Ocupar para não entregar, incentivando a fixação de alguns colonos em algumas regiões como o então território de Rondônia. A transamazônica e a rodovia Belém-Brasilia fez a população acesso via terrestre do território brasileiro para a cidade que era chamada de Portal Amazônia. Aliás, a construção de Belém-Brasilia fez a população de a capital Paraense triplicar em poucos anos. A política dos militares revelou-se desastrosa em vários aspectos. O impacto ambiental da hidrelétrica do Tucuruí, de provocar uma epidemia de malária ao redor, além de expulsar a fauna e flora nos 2.875 km². Isso porque apenas 10% da mata foram retiradas e houve remanejamento de apenas 1% da população animal que vivia no local. Quando o projeto de colonização das rodovias acabou deixando muita gente em situação de estrema pobreza, por causa da falta de apoio governamental. A SUDENE foi extinta em 2001, depois de serias denuncias de corrupção, beneficiando políticos com um rombo de 1,8 bilhão.

Waldiney Melo

Título: História do Amazônia

Autor: Waldiney (todos os textos)

Visitas: 0

766 

Comentários - História do Amazônia

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Dicas para decorar salas pequenas.

Ler próximo texto...

Tema: Decoração
Dicas para decorar salas pequenas.\"Rua
A realidade das grandes cidades é que a maioria das pessoas mora em espaços pequenos. É fato também que todos desejam ter um ambiente acolhedor e aconchegante para receber amigos. Em contrapartida, na medida em que os espaços encolhem, a quantidade de aparelhos eletrônicos que utilizamos aumenta cada vez mais. Há ainda quem use a sala como home-office.

Nesta busca de inspiração para organizar e incrementar sua sala, encontramos uma série de sites especializados e blogs com muitas, muitas ideias. O conceito de D.I.Y. (do it yourself) que significa "faça você mesmo” nunca esteve tão na moda. É uma alternativa para reduzir gastos com mão de obra e nada melhor do que criar um espaço com um toque todo seu. Inspirações e ideias não faltam. Hoje, de certa forma todos nos sentimos meio decoradores.

Mas planejar a decoração de uma sala pequena exige alguns cuidados para que o ambiente não fique entulhado de móveis, disfuncional ou até mesmo desagradável.

Confira algumas dicas para decorar sua sala com estilo e valorizando seu espaço:
Os espelhos, além da autocontemplação, causam efeitos interessantes. Aplicados, por exemplo, em uma parede inteira pode duplicar a amplitude do ambiente. Pode ser usado também em móveis, tetos, em diversos formatos e valorizar a luminosidade da decoração.

As cores tem poder de causar sensações. Em ambientes com pouco espaço, elas podem colaborar para que a sensação de amplitude possa tanto aumentar quanto diminuir. Para pintar as paredes de sua sala aposte em cores claras. O teto com uma cor mais clara que a das paredes, por exemplo, pode simular uma elevação do teto, já em uma cor mais escura, promoverá uma sensação de rebaixamento do teto.

A escolha e posição dos móveis são um aspecto muito importante. Opte por poucos móveis, nunca de tamanhos exagerados e posicione-os de forma que valorize o espaço. Móveis que misturam poucos materiais, baixos e com linhas retas proporcionam leveza ao ambiente.

Uma solução muito interessante para espaços pequenos é a utilização de prateleiras. Caixas para produtos horto frutícolas reformadas podem se tornar lindas prateleiras. Mas cuidado com a profundidade, para não atrapalhar na disposição de outros móveis e objetos.

Móveis multifuncionais ou móveis inteligentes são excelentes alternativas para uma sala pequena. Um bom exemplo são pufes, que podem ser usados como mesas de centro ou ficarem alojados debaixo de aparadores e quando recebemos visitas podem se transformar em assentos extras. Mesas dobráveis também são uma ótima opção.

Escolher o mesmo piso ou revestimento pode dar a impressão de área maior, de continuidade. Mudanças drásticas de um ambiente para outro pode causar a sensação de divisão e consequentemente fazer parecer menor.

Algumas outras dicas: um sofá retrátil ou reclinável garante muito mais conforto e ocupa o espaço de um sofá simples. Suporte ou painéis móveis para TV possibilitam que ela seja movida na direção desejável. Caso o ambiente tenha escadas, escolher um modelo de escadas vazadas evita divisões e pode se tornar uma peça de destaque na sala. E para as cortinas, escolha tecidos leves, lisas e sem estampas.

De qualquer forma, ouse, não tenha medo de arriscar, crie, não copie, só assim será seu!

Luciana Santos.

Outros textos do autor:
Dicas para decorar salas pequenas.

Pesquisar mais textos:

Luciana Maria dos Santos

Título:Dicas para decorar salas pequenas.

Autor:Luciana Maria Santos(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Carlos Rubens Neto 16-06-2016 às 16:20:24

    Excelente matéria! Parabéns Luciana ;)

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios