Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Papua Nova-Guiné – encontro de opostos

Papua Nova-Guiné – encontro de opostos

Categoria: Viagens
Visitas: 2
Comentários: 1
Papua Nova-Guiné – encontro de opostos

Papua Nova-Guiné é a terceira maior ilha do planeta. Possui 785 mil quilómetros quadrados e foi descoberta pelo português Jorge de Menezes em 1526, que lhe terá dado o nome de Ilhas dos Papuas (que deriva da palavra malaia papuwah, que quer dizer “cabelos enrolados”). Um século mais tarde, eram os Holandeses quem dominava oficialmente, embora o interior da ilha fosse controlado por tribos canibais. A metade oriental foi, posteriormente, ocupada por Alemães e Australianos, que deram origem ao país actualmente denominado de Papua Nova-Guiné. A metade ocidental, chamada Irian Jaya, integra actualmente uma província da Indonésia.

A Papua Nova-Guiné (PNG) situa-se no oceano Pacífico e consiste num conjunto de ilhas, acolhendo a maior destas a capital, Port Moresby. Cruza culturas milenares e espaços ainda não “contaminados” pela cultura ocidental com a indiscutível modernidade das cidades. Esta miscelânea de tradição e modernismo, de natureza e de cultura, de ritmos díspares e de outros opostos exercem sobre o visitante um inegável poder atractivo.

A PNG é coberta por florestas tropicais, detendo a maior área da região do Pacífico asiático e a terceira mais extensa do mundo. Esta floresta sustenta um gigantesco e variado ecossistema, onde coabitam cerca de 20 mil tipos de plantas e 1500 espécies de pássaros (sendo 750 destas castas únicas e exclusivas da ilha). Em acréscimo, é nas florestas da PNG que se podem encontrar, no seu habitat natural, a maior borboleta, o maior papagaio e lagartixa mais comprida de que há registos. A floresta tropical desempenha ainda um papel fundamental no fornecimento de comida aos nativos (aproximadamente 20 a 30 por cento da provisão de víveres) e de matérias-primas para a execução de artefactos, roupas, produtos medicinais, ferramentas, armas, objectos destinados a rituais religiosos e artesanato.

No que respeita à gastronomia, o taro, o inhame e as bananas, acompanhados de arroz ou peixe, constituem a base da alimentação, juntamente com o sagú ou o saksak (extracto de fécula de batata). Nas terras altas consome-se uma espécie de batata-doce (o kaukau), trazida pelos Espanhóis, da América do Sul. Destaca-se, na categoria dos pratos com melhor sabor, o soto daging, uma magnífica sopa de carne com especiarias. Os mumu (fornos construídos dentro da terra) são inigualáveis na preparação de guisados. Na eventualidade, contudo, de não se apreciar esta comida, a capital possui uma vasta oferta de restaurantes com iguarias francesas, vietnamitas, chinesas, japonesas, tailandesas, indonésias, filipinas e hindus. No que concerne a bebidas, os sumos de fruta naturais são os eleitos, mas também há acesso às grandes marcas internacionais. Um conselho útil vai no sentido de preferir sempre água engarrafada, em detrimento da que sai das torneiras.

No âmbito do artesanato, os bilums (bolsas típicas feitas de corda) e as máscaras rituais são os mais representativos e podem encontrar-se na maioria das povoações. A olaria, os tambores, os instrumentos musicais, tecidos com tintas naturais e armas tradicionais são outras opções de compras.

Rituais de danças, excursões, rafting, windsurf e outros desportos náuticos, para além de campismo, integram um amplo rol de actividades possíveis. Diversas são também as festividades, espalhadas ao longo do ano, onde o folclore, a música e o ambiente dizem muito desta nação, onde se fala o maior número de idiomas: 850. O que tem a dizer sobre uma visitinha?


Maria Bijóias

Título: Papua Nova-Guiné – encontro de opostos

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

777 

Imagem por: Arthur Chapman

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãoanelda

    28-05-2012 às 20:34:56

    adorei deste pagina tive tudo o que eu precisava

    ¬ Responder

Comentários - Papua Nova-Guiné – encontro de opostos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um caminho para curar o transtorno alimentar

Ler próximo texto...

Tema: Saúde
Um caminho para curar o transtorno alimentar\"Rua
De acordo com um relatório divulgado em novembro de 2014 pelo Comitê Permanente sobre o Status da Mulher, entre 600 mil a um milhão de canadenses cumprem os critérios diagnósticos para um transtorno alimentar em um dado momento. Problemas de saúde mental com ramificações físicas graves, anorexia e bulimia são difíceis de tratar.

Os programas públicos de internação frequentemente não admitem pacientes até que estejam em condição de risco de vida, e muitos respondem mal à abordagem em grupo. As clínicas privadas costumam ter listas de espera épicas e custos altos: um quarto custa de US$ 305 a US$ 360 por dia.


Corinne lutou juntamente com seus pais contra a bulimia e anorexia por mais de cinco anos. Duffy e Terry, pais de Corinne, encontraram uma clínica na Virgínia. Hoje, aos 24 anos, ela é saudável e está cursando mestrado em Colorado. Ela e seus pais acreditam que a abordagem holística, o foco individualizado e a estrutura imersiva de seu tratamento foram fundamentais para sua recuperação.

Eles sabem que tinham acesso a recursos exclusivos. "Tivemos sorte", diz Duffy. "Podíamos pagar por tudo." Mas muitos não podem.
A luta desta família levou-os a refletir sobre o problema nos Estados Unidos. Em 2013, eles fundaram a Water Stone Clinic, um centro privado de transtornos alimentares em Toronto. Eles fazem yoga, terapia de arte e participam na preparação de refeições, construindo habilidades na vida real com uma equipe de apoio empática. Os programas funcionam nos dias da semana das 8h às 14h, e até agora, não tem lista de espera. Porém essa abordagem é onerosa: aproximadamente US$ 650 por dia.

A família criou a Fundação Water Stone - uma instituição de caridade que fornece ajuda a pacientes que não podem pagar o tratamento. Os candidatos são avaliados por dois comitês que tomam uma decisão baseada na necessidade clínica e financeira. David Choo Chong foi o primeiro a se beneficiar da fundação. Ele havia tentado muitos programas, mas nenhum foi bem sucedido. A fundação pagou metade do tratamento. Dois anos depois, Choo Chong, feliz e estável diz "Water Stone me ajudou a encontrar quem eu sou".

Pesquisar mais textos:

Roberta Darc

Título:Um caminho para curar o transtorno alimentar

Autor:Roberta Darc(todos os textos)

Imagem por: Arthur Chapman

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios