Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Vila Viçosa Vila-Museu e Infanta do Alentejo

Vila Viçosa Vila-Museu e Infanta do Alentejo

Categoria: Viagens
Visitas: 2
Comentários: 1
Vila Viçosa Vila-Museu e Infanta do Alentejo

Vila Viçosa é um autêntico tesouro alentejano, possuidora de um admirável legado patrimonial e cultural. A História explica bem porque é que esta vila, localizada num concelho cuja economia assenta na indústria de extracção e transformação de mármore, é apelidada de “Princesa do Alentejo”.

Vila Viçosa passou a ser pertença da casa de Bragança em 1461, o que lhe granjeou cuidados urbanísticos de excelência. No decorrer dos séculos xvi e xvii brilhou a Vila Viçosa ducal, de que os monumentos e a magnificência patrimonial dão mostras clarividentes. No chamado Terreiro do Paço existe, precisamente, um conjunto arquitectónico fenomenal dominado pelo Paço Ducal, uma construção majestosa com a fachada principal revestida de mármores da zona. Todo o espaço envolvente do Paço Ducal fundamentaria, de per si, a distinção de vila-museu a Vila Viçosa. No entanto, o terreiro ostenta ainda a estátua equestre de D. João IV e os panteões dos duques (outrora o Convento dos Agostinhos) e das duquesas (que era o Convento das Chagas), de lados opostos, como convém. O Paço Ducal tem aproximadamente cinquenta salas que se podem visitar, as quais acolhem inúmeras preciosidades de âmbitos tão diversos como a pintura, a ourivesaria, o mobiliário e também tapeçarias, porcelanas e uma biblioteca com mais de cinquenta mil volumes. O palácio-museu completa-se com a Capela Real, os Jardins das Damas e o anexo Museu das Carruagens.

O castelo de Vila Viçosa, uma das mais antigas memórias da vila, é considerado como monumento nacional. Na área do castelo encontram-se o Museu da Caça e o Museu da Arqueologia. A Porta de Évora oferece uma bonita vista para a vila.

Saindo do castelo em direcção à Praça da República, o visitante depara-se com alguns bustos de habitantes insignes, como são os casos de Florbela Espanca, que dispensa apresentações, e do Dr. Couto Martins, médico e notável benfeitor.

Vila Viçosa caracteriza-se, de igual modo, pela quantidade de igrejas que detém, sendo as mais importantes a Igreja da Lapa, datada de 1756, e a Igreja de São Bartolomeu, situada na antiga Praça Nova, que chegou a pertencer ao Colégio dos Jesuítas.

Dado que o mármore está no centro da actividade económica, organizam-se percursos geoturísticos cujo intuito é seguir o que se designa por rotas do mármore. Atravessando toda a vila, estes trajectos mostram as variadas aplicações do mármore e fazem a articulação entre o património edificado e o de origem geológica. A par do mármore é o estanho a matéria-prima mais utilizada pelos artesãos nas suas obras.

Não que vir ajudar a escrever mais um pedaço da História?


Maria Bijóias

Título: Vila Viçosa Vila-Museu e Infanta do Alentejo

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

628 

Imagem por: Fofo .

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    13-06-2014 às 16:57:35

    Que bonito lugar! Como é bom conhecer essa diversidade de lugares, ainda mais sendo a Vila Verçosa, cheia de história e cultura.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Vila Viçosa Vila-Museu e Infanta do Alentejo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Imagem por: Fofo .

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios