Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Um fim-de-semana radical

Um fim-de-semana radical

Categoria: Viagens
Comentários: 2
Um fim-de-semana radical

Com a chegada do bom tempo, assoma também a vontade de fazer coisas diferentes, mais ousadas, e manifesta-se, em muitas pessoas, a radicalidade inata ou aprendida. Sair de casa, testar limites, aproveitar o sol, o rio, o mar, a montanha, e explorá-los em vertentes mais desafiadoras integra o desejo de quebrar a rotina e desinquietar a originalidade. Podem conciliar-se, por exemplo, caminhadas com viagens em balão e actividades mais radicais como o rappel, o rafting e o mergulho. É ainda possível fazer percursos em bicicleta todo-o-terreno ou jipe, ou optar por canoagem, canyoning, escalada e slide.

Os passeios de jipe pelo interior de serras são bastante procurados, sobretudo no Verão. Muitos deles oferecem acompanhamento de motorista e guia e durante os trajectos é facultada a participação em várias acções, que podem incluir caminhadas culturais, tiro e provas de gastronomia típica. Um programa multi-actividades de aventura reúne uma panóplia de alternativas, como o rappel, a escalada, a caminhada de orientação, a travessia de obstáculos, tiro com arco, giros de moto-quatro, etcétera.

O rafting é um desporto praticado em equipa que consiste em descer um rio numa embarcação insuflável, derrotando os obstáculos ao longo da trajectória, que incluem árvores, rochas, remoinhos e quedas de água. Cada raft transporta entre sete e onze pessoas, contando a imprescindível presença do monitor, que superintende o barco. Há que saber nadar e estar em boa forma física.

O balonismo é óptimo para quem busca um fim-de-semana de divertimento para toda a família. Normalmente, as viagens em balões de ar quente permitem contemplar o nascer ou o pôr-do-sol, e os passageiros colaboram nos preparativos do balão para o início da viagem. É possível que o pequeno-almoço, tradicional, seja servido a bordo. É conveniente não esquecer a máquina fotográfica, numa perspectiva de registar imagens únicas e paisagens, certamente, inesquecíveis.

Outra concepção de fim-de-semana em grande pode passar por um belo jogo de paintball. Duas ou três equipas vestidas a rigor, com fatos camuflados, armas semi-automáticas e máscaras, têm de delinear estratégias de defesa e de ataque. Se o cenário se prestar a isso, porque não conceber uma história de ficção científica ou recriar o ambiente medieval? Troncos, arbustos e silvas são passíveis de se transformar em esconderijos de eleição. Cada jogador utiliza um marcador (que constitui a sua arma) que desfere bolas de tinta contra os adversários. Os árbitros vão estando muito atentos a todas as movimentações “bélicas” das “milícias”.

O que não falta são opções de escolha para fins-de-semana absolutamente radicais. Com mais ou menos tinta…



Maria Bijóias

Título: Um fim-de-semana radical

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

615 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    20-04-2014 às 17:53:39

    Ótimo texto, a Rua Direita agradece!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoMarcio

    24-08-2009 às 15:05:24

    Fique bastante entusiamado com estas sugestões deve ser muito legal!
    Será que alguem sabe onde se realizam estas actividades?

    ¬ Responder

Comentários - Um fim-de-semana radical

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Habitação – Evolução qualidade/Preço

Ler próximo texto...

Tema: Alojamento
Habitação – Evolução qualidade/Preço\"Rua
Hoje vivemos dias muito complicados do ponto de vista económico, uma vez que a nossa sociedade moderna consumista tem acarretado para as famílias a triste ideia de que temos que possuir tudo o que existe para ser possuído.

Relativamente ao assunto especifico da habitação, com o passar dos tempos, as pessoas têm adquirido as suas casas em função do que há no mercado, e este mercado tem evoluído de uma forma perigosa em termos de custos; o que quero dizer com isto, é que há vinte anos atrás, encontrávamos apartamentos no mercado, e tenho por base um apartamento T3 que tinha 3 quartos conforme a tipologia descrita, naquele tempo uma cada de banho, uma sala de estar/jantar conjunta e talvez uma varanda, hoje o mesmo apartamento terá os três quartos, a sala, duas casas de banho das quais uma poderá estar num dos quartos a que passou a chamar-se suite, este apartamento hoje, tem forçosamente que ter pré instalação para aquecimento central, lareira com recuperador de calor, e muito provavelmente aspiração central, ou pelo menos a pré instalação… Assim, quem compra um apartamento hoje, apesar das dimensões de cada divisão estarem diminuídas, o preço foi muito incrementado pelos extras, e depois há ainda que adquirir uma caldeira para fazer funcionar a tal pré-instalação de aquecimento central, os radiadores porque sem eles o dito não funciona, naturalmente o trabalho do técnico… há ainda que adquirir em muitos casos o aspirador propriamente dito para fazer funcionar a aspiração central, e algumas coisas mais, acessórios dos quais, antes não tínhamos necessidade.

Não quero dizer com isto, que estes equipamentos não são úteis, são, mas e aquelas pessoas que compraram os seus apartamentos há uns tempos, cujos espaços não dispunham destas “modernices” como viveram? Como vivem hoje? Provavelmente aqueles que tiveram disponibilidade económica para isso, colocaram nas suas habitações, aquilo que julgaram necessário, não colocaram aquilo que não lhes é útil de todo, por outro lado aqueles que não tiveram disponibilidade económica vivem sem os equipamentos em questão, ou colocam um equipamento à dimensão das suas possibilidades. O real problema é que os referidos equipamentos valorizaram muito mais as habitações em termos de preço de compra do que o valor real dos mesmos, e as pessoas, estão apagar vinte ou trinta anos, para não dizer mais, um bom valor acima do que pagariam sem estas coisas, além disso comprariam aquilo que quisessem e pudessem.

Para além do exposto, a qualidade de construção e acabamentos não melhorou, antes pelo contrário. Hoje o valor das casas está a decair rapidamente, e as pessoas em geral vivem em casas cujos valores atuais de mercado são muito inferiores ao que estarão a pagar durante muito tempo…

Naturalmente o mercado poderá mudar, mas não é esse o caminho que parece seguir.

Pesquisar mais textos:

Ana Sebastião

Título:Habitação – Evolução qualidade/Preço

Autor:Ana Sebastião(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    21-04-2014 às 17:09:01

    A compra seja de apartamento ou casa estão mais caras e nem sempre oferecem serviços como mostram na divulgação. Não é bom financiar, pois custará o dobro. Realmente, o melhor a fazer é buscar preços que têm condições de pagar ou aderir a um consórcio.

    ¬ Responder
  • Sofia Nunes 13-09-2012 às 17:07:44

    Na minha opinião e de acordo com o que tenho observado, a relação qualidade/preço das habitações está a melhorar. E isso não é necessariamente bom, uma vez que é resultado da crise económica. Como refere, o valor das casas está a descer, pelo que se pode comprar uma vivenda pelo preço que há uns anos era de um apartamento. O problema é que, apesar de as casas estarem mais baratas, os compradores não têm dinheiro.

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios