Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Desporto > Alimentação e desporto de mãos dadas

Alimentação e desporto de mãos dadas

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Desporto
Visitas: 4
Comentários: 1
Alimentação e desporto de mãos dadas

As regras de uma boa alimentação para desportistas, embora semelhantes às de qualquer outra pessoa saudável, devem assentar na rigorosa observância das facetas quantitativa (em termos de calorias totais) e qualitativa (repartição dessas calorias por hidratos de carbono, gorduras, proteínas, minerais, água e vitaminas), assim como na distribuição dos alimentos ao longo do dia. Na verdade, os princípios para uma alimentação correta, eventualmente enquadrada em ração de treino, ração de competição e ração de recuperação, são função do programa de treino.

O plano alimentar deve ser calculado em conformidade com as necessidades energéticas, estabelecidas a partir do metabolismo basal, do trabalho muscular, da regulação térmica, do crescimento (infância e adolescência) e da energia consumida com a digestão e absorção dos alimentos.

É unânime que os hidratos de carbono constituem o mais importante nutriente para atletas em situações de resistência, dado que a glicose (armazenada nos músculos e no fígado sob a forma de glicogénio) é o principal substrato para a obtenção de energia. A exaustão decorrente da atividade física pode levar ao decréscimo, ou mesmo ao depauperamento, das reservas de glicogénio.

Quanto maior for o intervalo de tempo entre a ingestão e o exercício, maior deverá ser a porção de hidratos de carbono com índice glicémico baixo ou médio (maçãs, feijão, iogurte natural, …), e quanto menor for esse tempo, ou até durante a própria atividade física, maior a proporção de hidratos de carbono com elevado nível glicémico (mel, batatas fritas, …).

A preparação das refeições deve visar a facilitação da digestão dos alimentos (preferencialmente cozidos ou grelhados) e o bom aproveitamento dos nutrientes. É aconselhável que o desportista faça cinco a seis refeições por dia: pequeno-almoço, meio da manhã, almoço, lanche, jantar e ceia.

Uma boa hidratação também é fundamental, não só para aumentar o rendimento do atleta, com para evitar determinadas lesões desportivas (como ruturas musculares e tendinites). A quantidade diária de água a administrar depende do trabalho muscular, da temperatura, da altitude e da humidade ambiente, havendo um mínimo estipulado de 1 ml por cada caloria que se ingere (três litros por dia, sendo 1,5 litros bebidos e a restante incorporada nos alimentos). O ideal é que o desportista não chegue a sentir sede. Para tal, há que ir bebendo pequenas quantidades antes, durante e depois do esforço desportivo.

O leite de vaca tem sido, recentemente, visto como uma “bebida desportiva”, uma vez que há estudos que sugerem que o leite magro é tão ou mais eficaz na recuperação do exercício do que as bebidas desportivas que se comercializam, quer em treinos de endurance, quer em treinos de força.

No ambiente desportivo, a cafeína parece ajudar a reduzir a sensação de fadiga e contribuir para a otimização do rendimento do atleta. Encontra-se nos grãos de café, folhas de chá, chocolate, sementes de cacau, entre outros. Foi retirada, em 2004, da lista de substâncias associadas ao dopping.

Comportamentos e práticas alimentares corretas, no desporto, dispensam o recurso a preparados comerciais questionáveis e aumentam a performance. Não “produzem” o atleta, mas permitem libertar as suas reais capacidades.


Maria Bijóias

Título: Alimentação e desporto de mãos dadas

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 4

809 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    01-07-2014 às 14:34:41

    Concordo com você! A alimentação como o desporto caminham lado a lado. Um depende do outro e precisam estar bem alinhadas. Uma alimentação equilibrada, sem exageros e uma caminhada e exercícios físicos tods os dias!

    ¬ Responder

Comentários - Alimentação e desporto de mãos dadas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Habitação – Evolução qualidade/Preço

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Alojamento
Habitação – Evolução qualidade/Preço\"Rua
Hoje vivemos dias muito complicados do ponto de vista económico, uma vez que a nossa sociedade moderna consumista tem acarretado para as famílias a triste ideia de que temos que possuir tudo o que existe para ser possuído.

Relativamente ao assunto especifico da habitação, com o passar dos tempos, as pessoas têm adquirido as suas casas em função do que há no mercado, e este mercado tem evoluído de uma forma perigosa em termos de custos; o que quero dizer com isto, é que há vinte anos atrás, encontrávamos apartamentos no mercado, e tenho por base um apartamento T3 que tinha 3 quartos conforme a tipologia descrita, naquele tempo uma cada de banho, uma sala de estar/jantar conjunta e talvez uma varanda, hoje o mesmo apartamento terá os três quartos, a sala, duas casas de banho das quais uma poderá estar num dos quartos a que passou a chamar-se suite, este apartamento hoje, tem forçosamente que ter pré instalação para aquecimento central, lareira com recuperador de calor, e muito provavelmente aspiração central, ou pelo menos a pré instalação… Assim, quem compra um apartamento hoje, apesar das dimensões de cada divisão estarem diminuídas, o preço foi muito incrementado pelos extras, e depois há ainda que adquirir uma caldeira para fazer funcionar a tal pré-instalação de aquecimento central, os radiadores porque sem eles o dito não funciona, naturalmente o trabalho do técnico… há ainda que adquirir em muitos casos o aspirador propriamente dito para fazer funcionar a aspiração central, e algumas coisas mais, acessórios dos quais, antes não tínhamos necessidade.

Não quero dizer com isto, que estes equipamentos não são úteis, são, mas e aquelas pessoas que compraram os seus apartamentos há uns tempos, cujos espaços não dispunham destas “modernices” como viveram? Como vivem hoje? Provavelmente aqueles que tiveram disponibilidade económica para isso, colocaram nas suas habitações, aquilo que julgaram necessário, não colocaram aquilo que não lhes é útil de todo, por outro lado aqueles que não tiveram disponibilidade económica vivem sem os equipamentos em questão, ou colocam um equipamento à dimensão das suas possibilidades. O real problema é que os referidos equipamentos valorizaram muito mais as habitações em termos de preço de compra do que o valor real dos mesmos, e as pessoas, estão apagar vinte ou trinta anos, para não dizer mais, um bom valor acima do que pagariam sem estas coisas, além disso comprariam aquilo que quisessem e pudessem.

Para além do exposto, a qualidade de construção e acabamentos não melhorou, antes pelo contrário. Hoje o valor das casas está a decair rapidamente, e as pessoas em geral vivem em casas cujos valores atuais de mercado são muito inferiores ao que estarão a pagar durante muito tempo…

Naturalmente o mercado poderá mudar, mas não é esse o caminho que parece seguir.

Pesquisar mais textos:

Ana Sebastião

Título:Habitação – Evolução qualidade/Preço

Autor:Ana Sebastião(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    21-04-2014 às 17:09:01

    A compra seja de apartamento ou casa estão mais caras e nem sempre oferecem serviços como mostram na divulgação. Não é bom financiar, pois custará o dobro. Realmente, o melhor a fazer é buscar preços que têm condições de pagar ou aderir a um consórcio.

    ¬ Responder
  • Sofia Nunes 13-09-2012 às 17:07:44

    Na minha opinião e de acordo com o que tenho observado, a relação qualidade/preço das habitações está a melhorar. E isso não é necessariamente bom, uma vez que é resultado da crise económica. Como refere, o valor das casas está a descer, pelo que se pode comprar uma vivenda pelo preço que há uns anos era de um apartamento. O problema é que, apesar de as casas estarem mais baratas, os compradores não têm dinheiro.

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios