Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Mafra – um cenário belo e histórico sob o olhar atento do convento

Mafra – um cenário belo e histórico sob o olhar atento do convento

Categoria: Viagens
Comentários: 1
Mafra – um cenário belo e histórico sob o olhar atento do convento

Não muito longe de Lisboa, a vila de Mafra tem no Palácio Nacional o seu principal cartão de visita. Este não é, contudo, o único tesouro a merecer atenção.

O Palácio Nacional de Mafra é um dos mais relevantes monumentos do Barroco em Portugal e um símbolo do reinado absolutista de D. João V, que a 26 de Novembro de 1711 autorizou, através de um decreto, que fosse construído em Mafra um convento consagrado a Santo António, iniciando-se as obras quase seis anos depois. Afinal, a questão das burocracias e dos prazos em Portugal já vem de longa data…

Com cerca de 40 mil metros quadrados, o Convento de Mafra, como é designado entre os mafrenses este edifício real, exibe uma fachada com 200 metros de comprimento, possuindo 1200 divisões, das quais sobressaem a biblioteca, a mais importante do século xviii, o convento e a basílica, obra-prima da arquitectura setecentista. Os carrilhões integram um conjunto único no mundo (pelas dimensões e pela beleza do seu mecanismo), constituindo razão de grande orgulho.

Antes, porém, da edificação do castelo, a vila movia-se em redor do castelo e da Igreja de Santo André, pertencente à chamada “vila velha”. É um dos templos mais antigos de que ainda subsistem vestígios, datado do século xiii. Reza a tradição que terá sido aqui pároco Pedro Hispano, futuro Papa João XXI.

Outros espaços, menos arquitectónicos mas igualmente fantásticos, são o Jardim do Cerco e a Tapada, únicos em termos de conservação ambiental, que convidam a um aprazível passeio. O Jardim do Cerco remonta ao ano de 1718 e foi criado por D. João V. Ocupa oito hectares a norte do Convento de Mafra e possui bosque, jardins e nora. É um espaço bastante agradável.

A Tapada de Mafra, naquela época um parque destinado ao lazer do mesmo rei e da respectiva corte, tem os seus 800 hectares escudados por um muro histórico com 21 quilómetros. Veados, gamos, raposas, javalis e coelhos povoam o seu interior, também detentor de extensas e frondosas matas. Em acréscimo, é possível fazer caminhadas diurnas e nocturnas, passeios em BTT, visitas em comboio pelo interior da tapada, educação ambiental e diversas outras actividades.

Entretanto, no caminho de Mafra para a Ericeira, encontra-se uma aldeia típica do célebre oleiro e escultor José Franco, no Sobreiro. Trata-se de uma réplica em tamanho natural de uma aldeia saloia do início do século xx. A arquitectura das casas, as artes e ofícios, e os costumes estão patentes através de uma sala de aulas, do moinho, do talho, da azenha, do ferrador, da eira, da mercearia, da taberna, da casa do proprietário rural, da carpintaria e de tudo o que constituía a realidade de então. Existe ainda uma exposição permanente das esplêndidas peças do mestre José Franco. Que tal uma viagem a outros tempos?


Maria Bijóias

Título: Mafra – um cenário belo e histórico sob o olhar atento do convento

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

674 

Imagem por: amaianos

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDaniela Vicente

    13-09-2012 às 22:14:38

    adorei conhecer o Convento de Mafra. faz-nos remontar ao reinado de D. João V, o Magnânimo. todas as suas obras são fantásticas, assim como convento. este pertence ao movimento artístico designado Barroco. a tapada a fazer parte da paisagem dá um toque fantástico à cidade. aconselho a todos a visitarem este belo exemplar com quase 300 anos.

    ¬ Responder

Comentários - Mafra – um cenário belo e histórico sob o olhar atento do convento

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: amaianos

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios