Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Problemas Digestivos?!

Problemas Digestivos?!

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Saúde
Visitas: 8
Comentários: 2
Problemas Digestivos?!

Os fatores psíquicos exercem grande influência sobre os intestinos e estômago?.

São em grande parte os causadores de problemas digestivos, indigestão, má absorção, irritação e outras afeções de foro digestivo. Aliados à má alimentação e stress causam grandes perturbações e mesmo doenças.

Ao aparelho digestivo cabe a função de assimilar alimentos e transformá-los para depois serem expelidos. Se não existir uma correlação adequada, o organismo pode armazenar toxinas, que se não forem eliminadas funcionam como autênticos venenos para o corpo.

Assim, os males digestivos podem atrapalhar consideravelmente o bem estar, levando a que haja necessidade de tratamentos adequados, quer sejam naturais ou não.

Há sintomas que servem de sinais de alerta a perturbações gastrointestinais, que provocam grandes incómodos e má disposição. Refiro-me dores de barriga, acidez, irritação, enjoos e outros. É evidente que a dieta alimentar pesa muito para agravar esta sintomatologia, de modo que torna-se necessário manter uma alimentação cuidada e adequada a cada caso.

As plantas são um precioso auxiliar na prevenção e cura de muitos males físicos e até psíquicos.
Salientam-se , para estes problemas a camomila, milefólio, hotelâ-pimenta, que devem se tomadas em chás ou infusões, três vezes ao dia. Aconselha-se a ingerir menos sólidos e a beber líquidos dado que por exemplo o ardor de estômago é em grande parte a consequência de excesso de comida, de comer à pressa ou/e comida muito gordurosa. Logicamente que estes poucos cuidados levam a perturbações gástricas e intestinais. Os problemas emocionais também contribuem para aumentar a causa destas indisposições ou doenças como por exemplo a gastrite. Convém diminuir a tensão psíquica, a fim de minorar estes males.

Os problemas do quotidiano, do trabalho, familiares e sociais são na maior parte dos casos responsáveis pela saúde do aparelho digestivo, de modo que se deve fazer uma terapia adequada, seja psicossomática ou outra.A vontade é fundamental para a cura e resolução destes problemas que muito afetam pessoas de todas as idades, desde crianças a jovens e adultos.

Deste modo é conveniente vigiarmos aquilo que ingerimos e os nossos hábitos para usufruirmos de uma vida saudável.


Teresa Maria Batista Gil

Título: Problemas Digestivos?!

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 8

781 

Imagem por: Evil Erin

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Edna Maria Viana

    18-01-2015 às 17:21:35

    É comum ficar sem alimentação por muitos dias, devido a crise de gastrite. Peço ajuda. Estou em pânico.

    ¬ Responder
  • Filomena

    07-10-2013 às 19:21:43

    Boa tarde!

    Preciso da s/ ajuda ! Pois sinto ardor no estomago e um ardor , azia em simultâneo e má disposição?

    Pergunto o que fazer ? Pois adoro leite e comer queijo , será que está a prejudicar o meu organismo? o que fazer ?

    ¬ Responder

Comentários - Problemas Digestivos?!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Cuidado com as curvas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Motas
Cuidado com as curvas\"Rua
Quando se fala em motas, delineia-se na nossa mente a figura de um indivíduo, “maluquinho” por estes veículos de duas rodas, vestido com colete preto de couro e envergando umas possantes botas da mesma cor, e, quiçá, umas caveiras ou outros distintivos aqui ou ali, nele ou na moto. Normalmente, os motociclistas, motoqueiros ou motards, como são conhecidos, regem-se por um espírito muito próprio, que ninguém sabe definir muito bem, mas que, sem dúvida, engloba a sensação de liberdade e, por vezes, umas bebedeiras a valer numa qualquer concentração de motas. A parte boa é que, não acontecendo nada de pernicioso à mota e ao seu condutor quando se desafia a sorte desta maneira, uma vez despojado das roupas e acessórios motards, colocando o fato e a gravata, este volta a ser uma pessoa “normal”, imbuído de sentido de responsabilidade e bom senso. Estas características, tão úteis no trabalho e em sociedade, são, amiúde, esquecidas quando se está ao “volante” de uma moto. Cede-se, frequentemente, à tentação de andar muito depressa, de ultrapassar em terceira fila, de passar à frente nas portagens, de desrespeitar o próximo perpetrando atrocidades inacreditáveis e fazendo tudo o que dá na veneta, com a segurança de se estar protegido pelo anonimato do capacete e da pouca ou nenhuma visibilidade da matrícula.

Por outro lado, também existe aquilo a que se chama de solidariedade motard, que apela aos mais puros sentimentos de entreajuda em caso de queda ou outra situação de aflição. Claro que, em determinadas circunstâncias, mais valia que estivessem quietos, em vez de retirar apressadamente o capacete a um colega estendido no chão (é a última coisa a fazer), e noutras ainda bem que se tem assistência em viagem, porque, dada a falta de visão periférica dos companheiros de estrada, bem se podia”esticar o pernil” que não apareceria vivalma para dar uma ajuda.

Definições e conceitos à parte, o motociclismo constitui uma paixão fervorosa de um grande números de indivíduos, com um incremento significativo do género feminino. Faz-se uso da mota por razões não profissionais, por diversão, por se ser praticante desta modalidade, para locomoção, ou, simplesmente, porque se gosta de motos. Seja qual for a razão, os agradecimentos têm de ser dados a Gottlieb Daimler (1834-1890), que inventou o primeiro protótipo. E, já agora, não custa render gratidão também a John Boyd Dunlop, veterinário escocês, que concebeu uma espécie de roda, que corresponde ao nascimento do pneu. Pode, portanto, afirmar-se com toda a legitimidade que um veterinário deu à luz um pneu…!

Pesquisar mais textos:

Maria Bijóias

Título:Cuidado com as curvas

Autor:Maria Bijóias(todos os textos)

Imagem por: Evil Erin

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • letícia Cristina Calixto de Souza 20-06-2013 às 17:19:32

    eu achei muito interessante esse texto por que ele me ajudou a fazer um trabalho escolar mas eu quero falar para a autora desse texto que ela está de parabéns e que esse texto possa incentivar cada pessoa que ler ele então meus parabéns

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios